Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

A aposentadoria do homem que prendeu poderosos



Arte de Camila Adamoli, sobre foto de Paulo Lisboa (Google Imagens)

Imagem da Matéria

 

 O outro lado do japonês

Ato publicado na segunda-feira (26) formalizou a aposentadoria, a pedido, de Newton Ishii, agente da Polícia Federal, que ganhou notoriedade como o condutor de presos poderosos – e alguns, até então, quase anônimos - como o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, o primeiro a ser trancafiado pelo “japonês da federal”, em 14 de janeiro de 2015.

- “Até hoje não entendo porque existiu o apelido e a notoriedade, afinal vários colegas saíam nas ruas comigo. Talvez seja porque sou oriental e isso marcou” - disse Ishii, em uma das várias entrevistas, durante a semana. Ele mora em um apartamento de 70 m2, típico de classe média, em Curitiba. Há poucos móveis, as paredes são lisas, quase sem decoração.

Uma foto, de 1988 porém, chama a atenção: é a do time do Coritiba, que tem entre os mascotes um então menino – era Eduardo, o filho do agente, que morreu 17 anos depois.

Viúvo, Ishii vive com a filha e com o cachorro Zeca. Guarda fotos escoltando presos como Marcelo Odebrecht e falou sobre os mais de três anos em que atuou na Lava-Jato e a experiência de se tornar homem de confiança dos empresários que pararam atrás das grades e a vida de celebridade.

Ele admite: “Foram convites para frequentar áreas VIPs de shows sertanejos a camarotes das festas disputadas pelo Brasil; rejeitei todos”.

O “japonês” relata que já enfrentou situações mais graves do que prender poderosos. Na triste conjunção recorda a morte do filho que se suicidou em 2005, quando tinha 27 anos; e a perda mulher, que se deprimiu com a tragédia, teve um infarto fulminante e morreu em 2009.

O agente avalia que a família de Marcelo Odebrecht "recebeu um outro homem após a prisão". Ishii conta que “quando o empresário chegou a Curitiba mal se comunicava com os demais, mas mudou o comportamento meses depois, passando a dar roupas, toalhas e utensílios de higiene pessoal para companheiros de cárcere com baixo poder aquisitivo que passavam pela PF”.

Alguns presos nunca chegaram a se aproximar do agente, como Cerveró, considerado por Ishii como "o mais complicado".

Entrementes, o ex-ministro José Dirceu era chamado pelo chefe da carceragem de "preso profissional" e disciplinado. E o Antonio Palocci “é um dos poucos que nunca perdeu o autocontrole”.

O “japonês da federal” nega que usará a fama para se candidatar a cargos públicos, apesar de ter sido sondado por três partidos para disputar uma cadeira no Congresso. Ele abrirá, com um sócio, uma empresa de consultoria e segurança, mas não dá detalhes, não fala em possíveis clientes, nem em prospecções. “Nas próximas semanas só penso em descansar” – arremata.

 Bendita queda

O ex-diretor da Polícia Federal Fernando Segóvia, depois de defenestrado pelo novo comando da Segurança, foi contemplado com um cargo onde passará ao largo de incômodos e insegurança. “Ele caiu para cima” – avalia a rádio-corredor da OAB de Brasília.

Em reconhecimento ao “trabalho muito correto na PF” – palavras textuais do amigo Michel Temer – o delegado passará a ser adido especial lotado na embaixada do Brasil, em Roma.

Situada na segura zona da Praça Navona, fica a cinco minutos de distância, via metrô, do Vaticano – onde poderá rezar em ação de graças pela benesse. Salário em dólares.

 Treze horas diárias de trabalho

O TST absolveu a WMS Supermercados do Brasil Ltda. (Rede Walmart) do pagamento de indenização por danos existenciais a um gerente que, habitualmente, exercia jornada diária de 13h em Porto Alegre (RS). A indenização cancelada – e antes deferida pelo TRT gaúcho - tinha sido de R$ 10 mil.

Conforme a decisão superior, “o empregado não demonstrou que deixou de realizar atividades em seu meio social ou foi afastado do seu convívio familiar para estar à disposição do empregador, o que deveria ter sido comprovado para o recebimento da indenização”.

A ministra relatora Maria de Assis Calsing definiu que “o dano existencial ocorre quando o trabalhador sofre limitações na sua vida fora do ambiente de serviço em razão de condutas ilícitas praticadas pelo empregador que o impossibilitam de realizar atividades de lazer, conviver com a família ou desenvolver projetos particulares”.

É, pode ser... Afinal magistrados trabalham 12, 13... 15 horas por dia. Fins-de-semana, também. (RR-20439-04.2015.5.04.0282).

  Nova súmula

O STJ aprovou nova súmula relacionada à atribuição de efeito suspensivo a recurso criminal do Ministério Público.

O enunciado de nº 604 define que “mandado de segurança não se presta para atribuir efeito suspensivo a recurso criminal interposto pelo Ministério Público”.


Comentários

Osvaldo Agostinho Dalla Nora - Advogado 05.03.18 | 09:26:28

Não entendo como um sujeito que foi condenado por ter cometido crime de facilitar a entrada de contrabando no país, quando deveria fazer exatamente o contrário, é tratado como herói, celebridade... fosse em qualquer empresa pública (Caixa, B. Brasil e outras) com condenação transitada em julgado, seria demitido por justa causa... na PF é herói, contrariando pelo menos a moralidade. Brasil? Moralidade? Não precisa explicar, é o retorno dos tempos da Dita... quando eles podiam...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.

Resolução do TRF-4 limita a competência dos desembargadores plantonistas

  Para evitar a repetição da lambança do “solta/prende” Lula, ocorrida em 8 de julho, o relator vinculado poderá intervir nas petições, ações e recursos encaminhados ao plantão.

  “Rádio-corredor” do tribunal diz que se trata da “Resolução Anti-Lula”.

 “Rádio-corredor” da OAB-RS prefere a troca de vocativo: “Operação Anti-Favreto”.

 Os riscos de uso político do CNJ: por quê Sérgio Moro antecipou o seu pedido de exoneração da magistratura.

 “O Brasil terá um governo militar eleito e a população precisa se aperceber disso” – uma frase às claras.

  Expectativa para dezembro: a sentença da juíza Gabriela Hardt julgando Lula.