Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital

Potins desta terça-feira



• Legal, mas imoral

Só na sexta-feira (16) se soube: sete mil juízes federais e estaduais receberam R$ 211 milhões em dezembro referentes a pagamentos retroativos de benefícios e indenizações. A média foi de R$ 30 mil por magistrado. Foi um Natal gordo.

Segundo cálculos do jornal O Estado de S. Paulo, cerca de 30% deles tiveram vencimentos engordados com penduricalhos do passado, com juros e correção monetária.

Tribunais e associações de juízes estaduais e federais defendem a legalidade dos pagamentos retroativos à categoria. De fato, todos foram determinados com base em leis, decisões judiciais ou normas do CNJ.

Formalmente, assim, são legais. Mas claramente imorais.

• Mentira que virou verdade

A intervenção no Estado do Rio e a anunciada criação do Ministério da Segurança Pública sinalizam uma mudança importante na (falta de) atitude do governo federal. Durante os oito anos dos mandatos de Lula e seis de Dilma, escutaram-se tonitruantes vozes petistas insistindo que a Segurança era problema dos Estados – e assim a União, contemplativa, foi reiteradamente saltando fora.

Na conjunção, a mentira repetida centenas ou milhares de vezes tornou-se uma “verdade”.

Ora, a mesma Constituição que determina que as polícias são estaduais também define que a Segurança é direito social de todo o cidadão. Portanto, é obrigação da União.

Dúvidas? Basta ler o artigo 6º da Carta Magna.

• Mordomia (1)

O Supremo Tribunal Federal gastou, em 2017, R$ 4,5 milhões com a frota oficial de 87 veículos. Destes, 11 são utilizados pelos ministros; 25 são disponibilizados aos gabinetes; e 51 para diversas atividades.

Da cifra acima – onde não estão incluídos os preços dos automóveis - a regalia consumiu R$ 3,7 milhões anuais para pagar salários de motoristas.

• Mordomia (2)

Na contramão do necessário ajuste fiscal, ministros de tribunais superiores torraram R$ 5,7 milhões em viagens em 2017. O campeão foi o Supremo que consumiu R$ 1,5 milhão – média mensal de R$ 125 mil. Mas o destaque de gastador ficou com o Superior Tribunal Militar, que julga pouco e cujos ministros passeiam muito: consumido R$ 1,2 milhão com passagens e diárias, em 12 meses.

Das quinze cadeiras do STM, três são destinadas a oficiais-generais da Marinha, quatro a oficiais-generais do Exército, e três ficam oficiais-generais da Aeronáutica - todos da ativa e do posto mais elevado da carreira. E cinco são ocupadas por civis.

• A conferir

“Fernando Henrique Cardoso bem que tentou nomear Luciano Huck interventor federal no Rio, mas Temer não lhe deu ouvidos”. (Da ´rádio-corredor´ da OAB do Rio).

Está mais para piada, mas seja lá o que for...

• Poder de mando

O cargo de gerente de hipermercado tem relação de fidúcia e, por isso, não tem direito a horas extras. É o entendimento do Tribunal Superior do Trabalho, que rejeitou o recurso de um trabalhador de Brasília contra decisão que indeferiu o pagamento de horas extras.

O fundamento foi que “o cargo tem poderes de mando e gestão e, conforme o artigo 62, inciso II, da CLT, não se submete a controle de jornada”. Vai balizar a jurisprudência nacional. (Proc. nº RR-176-98.2016.5.10.0006).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Potins desta sexta-feira

 Condenação cível de Jair Bolsonaro por declarações homofóbicas.

 Punições futebolísticas: as suspensões de d´ Alessandro, Odair Hellmann e do assessor de imprensa do Grêmio.

 As seis ações que miram o futuro de Temer.

 A velha política de Geddel e do mano Lucio Vieira Lima.

 Páginas televisivas: a convivência de Bolsonaro com Record e SBT. E a distância de Globo e globais.

 Vitória tributária do Airbnb

Potins desta sexta-feira

 STJ aprova duas novas súmulas de Direito Penal.

 A velha política brasiliense: Senado aumenta seus quadros de assessores de 2.420 para 2.754.

 A política de FHC agora é tipo “coluna do meio”.

 TRF-2 decide na quarta-feira (8) se Temer e Moreira Franco continuam soltos. Ou...

• Lula e seu advogado pensam hoje os novos passos para o desejado regime domiciliar.

 O direito ao descanso dominical, pelo menos uma vez por mês.

Potins desta terça-feira

 Nova lei permite que advogados de sindicatos possam receber, cumulativamente, os honorários contratados com a entidade que representam e os honorários de sucumbência assistenciais.

 Magistrados não podem participar de câmaras privadas de conciliação.

 Um oficial de justiça à espera de Ciro Gomes.

Notícias curtas desta terça-feira

•  Judiciário brasileiro tem 80,1 milhões de processos em tramitação.

• Uma alfinetada de Roberto Barroso em Gilmar Mendes.

• José Dirceu, o czar do Brasil.

•  O Brasil que eu quero é... a Dinamarca!

•  A apreensão de vários milhares de telefones celulares da marca Alcatel.

Potins desta sexta-feira

•  “Autos processuais não localizados, apesar de muita procura”...

•  Liminar proíbe associação de direito médico de prestar atividades jurídicas.

•  Cliente de banco consegue anular cobrança de “tarifa de serviços administrativos”.

•  TST decide que é ilegal exigir depósito prévio para custeio de perícia.

•  Cancelada súmula do STJ sobre proibição de banco reter salário para adimplir mútuo comum.

•  Feriadão encaminhado no STJ para 14/18 de novembro.

Potins desta terça-feira

 Número de advogados brasileiros supera a marca de 1,1 milhão

 Ação trabalhista de doméstica contra o ex-patrão João Dória, ex-prefeito de São Paulo.

 Lula: presidenciável ou “presodenciável”?

• Eduardo Cunha quer pagar parte da multa de R$ 5,7 milhões com dinheiro que está sendo repatriado do exterior.

• Uma ação do Flamengo contra o colorado Paolo Guerrero.

 Amiga de Dilma será a advogada eleitoral de HenriqueMeirelles. É milagre político.

 “Mãe União” garante curso em Lisboa para dois advogados.

 Cármen Lúcia recusa sala vip nos aeroportos.

 O aperto de Preta Gil e o impasse na devolução de um apartamento que ela não consegue pagar.