Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 19 de fevereiro de 2019.

Culpados e inocentes: uma demora de 14 anos a favor de Romero Jucá



Chargista SponHolz

Imagem da Matéria

O Supremo deu, esta semana, mais um (mau) exemplo de sua ineficiência para julgar (e até mesmo absolver) políticos com foro privilegiado. Depois de 14 anos, a corte arquivou um inquérito que apurava se Romero Jucá recebeu propina em obras no seu Estado. O notório senador não foi considerado nem culpado, nem inocente – porque o caso prescreveu.

Os registros mostram que o acúmulo de trabalho no gabinete de Gilmar Mendes ajudou na cronologia que assou a pizza servida ao presidente do PMDB. Há mais dez inquéritos em tramitação contra  ele.

Depois disso, Gilmar assumiu a presidência do STF e ainda aguardou, até setembro de 2011, para pautar a questão de ordem que levantou: ele propôs devolver o caso à primeira instância, mas foi derrotado na votação.

Durante os cinco anos em que foi retardado o inquérito, o calendário correu contra a investigação e ... a favor de Jucá.  Para conferir, basta acessar a página de informações processuais do tribunal. (Inquérito nº 2.116).

A propósito

O senador roraimense ainda responde no STF a dez inquéritos e acredita que todos eles serão arquivados.

Há quem diga que sua nova profecia tem grandes chances de virar realidade.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Carnaval financeiro antecipado traz dois penduricalhos de volta

 

Carnaval financeiro antecipado traz dois penduricalhos de volta

Liminar concedida pelo corregedor nacional de Justiça Humberto Martins acolhe pedido da AMB. Decisão refere que "não há uma simetria no pagamento de vantagens dentro dos tribunais". Levantamento feito pela imprensa revelou que o TJRS foi, em 2018, o campeão nacional dos gastos com “auxílio-moradia”, pagando R$ 40,3 milhões a 768 magistrados da ativa, incluindo 125 desembargadores.

Ponto eletrônico para magistrados

Advogado, autor de pedido de providências no CNJ, quer solução cidadã contra juízes e desembargadores que adotam o “regime T-Q-Q”. Este compreende trabalho só às terças, quartas e quintas-feiras.

PJe vai incorporar sistema de penhora on-line

Vários procedimentos do Bacenjud - que atualmente são realizados em meio manual e demandam várias etapas - poderão ser sistematizados e acionados por uma plataforma única e de acesso fácil para magistrados e tribunais.

Babaquice tupiniquim

TRF da 2ª Região também exige paletós e gravatas, em nome do “decoro e respeito ao Poder Judiciário”. E a vice-presidente da OAB carioca, casada com o presidente da corte federal ironiza: “Hoje ele vai dormir na portaria”.