Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

Chamar profissional do Direito de “advogado de porta de cadeia” é ofensa



Um advogado será indenizado em R$ 2 mil por ter sido de chamado de profissional de “porta de cadeia” em um grupo de WhatsApp. A decisão é da juíza Lucélia Alves Caetano Marçal, do 3º Juizado Especial Cível de Contagem (MG).

Conforme a sentença, a indenização é devida porque ofensas feitas em meios digitais faz com que a “divulgação desenfreada de mensagens” atinja um número incontável de pessoas.

No caso, aquela ofensa ao advogado – mais a assacadilha de “meia tigela” foram feitas em uma discussão no grupo de WhatsApp que tinha 24 integrantes.

A sentença – ainda sem trânsito em julgado – concluiu que “as postagens nas redes sociais que integram o ambiente virtual nos dias atuais possuem enorme alcance, que pode ser majorado de forma ilimitada por meio dos compartilhamentos de seus usuários”.

O julgado qualificou a postagem de “ofensiva e desabonadora”. (Proc. nº 0079.17.004.510-2 – com informações do TJ-MG).

Leia a íntegra da sentença


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Test drive fatídico

Atropelamento fatal de idoso, no perímetro urbano de Gramado. O TJRS condena um consumidor que testava um automóvel Prisma, duas empresas e uma seguradora. Reparação por dano moral para as duas filhas da vítima será de R$ 445 mil.

Jejum nas alturas

 

Jejum nas alturas

Condenação da American Airlines por não disponibilizar a três brasileiros (um casal e sua filha) – durante voo de 12 horas - alimentos kosher que haviam sido solicitados e pagos. Indenização será de R$ 18 mil.