Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/direitoavesso_10.jpg

O Canal da Nicarágua



Cimberley Cáspio

Imagem da Matéria

Cimberley Cáspio Não tem mais volta. O Canal da Nicarágua é concessão chinesa por 50 anos.

Trump, Putin e o chinesão-chefe olham para o outro lado e assobiam: não sabem do que se trata. Os dois primeiros trocam ditos desagradáveis, mas vão fazendo bons negócios. (Sabemos nós, advogados, que a fronteira entre ótimos negócios e estelionato é difusa. Mas esse é outro assunto).

Da América ao Sul do Rio Grande, ninguém sabe nada; só serve para promover quarteladas e comprar bugigangas.

Pois, quase em silêncio, Rússia e principalmente China estão patrocinando e financiando a construção (já iniciada, sabias?) do Canal da Nicarágua, alternativa para o vetusto Canal do Panamá, única passagem sem contorno continental entre os grandes oceanos. É apenas a duplicação (em termos operacionais, a quadruplicação) da já obsoleta mas ainda importantíssima travessia Pacífico-Atlântico – dominada pelos States, mesmo após a “independência” panamenha, em 1914. Com a remodelação do Canal do Panamá, ora em curso, sua capacidade será ainda inferior a um terço daquela projetada para o novo. Péssima notícia para Estados Unidos.

O barba-ruiva e os bigodudos fazem-se de quero-quero; os incautos das duas bandas não fazem ideia de onde estão os ovos. Já os amarelos, sabe-se, são de muito aprontar e nada falar; fazem cerimoniosa e silente mesura enquanto te enfiam a faca. (Já notaste que falar mal de preto ou de judeu é preconceito, de chinês não?). Os outros dois ficam falando de Estado Islâmico (horror dos horrores), da Coreia e por aí, como se não existisse a sofrida América Latrina.

A construção do novo canal desencadeou resistências enormes, dentro e fora do país que o receberá. Os ambientalistas protestam, sobretudo, contra o comprometimento de reservas naturais e do Lago Cocibolca, a serem atravessados pela obra, aproveitando a maior massa líquida doce da América Central.

Há também justificado temor de submissão a potências e interesses alienígenas. Mas a perspectiva de uma revolução na economia local e do enriquecimento nacional súbito é irresistível. O governo, o grande capital e grande parte da população veem o empreendimento como uma redenção.

Falo com gente que esteve lá, na própria Nicarágua: a população só entende que haverá grande oferta de empregos – ouro puro para eles. Coitados, não têm a menor noção do que os espera. Um país que nunca teve nada, miserável, sempre garroteado pelas piores ditaduras e guerra interna (Somoza, Sandino, etc.), renda ínfima e crônica instabilidade, vai ser inundado de moeda forte, de toda espécie de aventureiros e da praga terrível que é a soldadesca (a Força Aérea russa já ronda a região).

Eles não têm biodiversidade, minerais ou grande território, mas têm a fisiografia que os predestina à fortuna e talvez à desgraça.  É de imaginar-se a magnitude dos estudos preliminares dos quais resultou a escolha do local para a maior obra de engenharia jamais empreendida no mundo. O custo estimado é uma bagatela entre 40 e 80 bilhões de dólares. As repercussões sobre a economia global e a geopolítica estão acima da imaginação.

Mas do Brasil e do Direito, não se fala? Ora, leitor, é disso que estamos tratando. O impacto sobre as Américas será gigantesco; nosso comércio com o Leste vai mudar radicalmente; riquezas enormes (e talvez misérias trágicas) nos advirão. Por outro lado, aquelas ficções que nos ensinaram na Faculdade (Direito Internacional, o Público e o Privado) serão intensamente aplicadas, discutidas e contestadas.

Para os jovens iniciantes, pode haver oportunidades fantásticas. A vida e as profissões jurídicas estão cada vez mais duras; ver adiante pode ser um diferencial decisivo.

Vamos lá, meninos: o Canal da Nicarágua (atenção, Presidente: não confundir com a Guatemala) mudará sua vida. O futuro é de vocês, mas é importante tentar adivinhar como ele será. Quero muito que, quando chegarem lá, meus netos queridos e toda sua geração maravilhosa possam orgulhar-se de haverem participado de algo novo e grandioso.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Chargista Duke

Dia da Mulher

 

Dia da Mulher

Elas nos suavizam, atenuam nossas asperezas e adoçam nossa vida. Não é só a reprodução, a literatura e o cinema que se tornariam impossíveis sem elas; é a própria existência”.

Sic vos non vobis...

“Não ferir a ninguém, viver honestamente e dar a cada um o que é seu, antes de ser uma regra moral e a pedra angular da Justiça, é um imperativo de sobrevivência”.

Chargista Jota A

Feliz 2017

 

Feliz 2017

“Teori Zavascki foi o Homem do Ano. Não só porque foi assassinado, mas pelo juiz que foi, e porque não teve sucessor”.

Ed Carlos Santana - HumorPolitico.com.br

Deu a lógica

 

Deu a lógica

A imposição de sanções criminais a um homem com a história, as aspirações e o inegável prestígio popular de Luiz Inácio aponta a certeza de que alguns dos velhos e mais resistentes vícios da República estão cedendo a uma visão renovada da realidade política e social”.

Arte de Camila Adamoli sobre foto Divulgação

A face humana

 

A face humana

O articulista avalia que o deputado Tiririca despede-se com dignidade da política. “Envergonhado de seus pares, enjoou da palhaçada e volta a ser palhaço”. E recorda um perrengue ocorrido no RS: um vereador gaúcho que tomava posse aparentemente não sabia ler...

Chargista Julio Mariano

A mala

 

A mala

“Um belo dia, encheram-na de dinheiro em notas graúdas; muito dinheiro vivo. Um peso enorme, o maior que ela já transportara. Com esse conteúdo, foi arrastada penosamente por pisos duros e irregulares, aos solavancos”.