Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.

Suspensos os recursos sobre dano moral em casos de violência contra mulher



A 3ª Seção do STJ determinou o sobrestamento das ações pendentes de julgamento em segundo grau, bem como daqueles com recurso especial em fase de admissão, em que esteja sendo discutida a indenização de dano moral em casos de sentença condenatória por violência praticada contra a mulher em âmbito doméstico.

A suspensão se limita aos recursos já interpostos contra sentenças condenatórias, desde que tragam a alegação de que o pedido de reparação por dano moral deveria constar da denúncia, ou de que tal questão precisaria ter sido debatida durante a instrução criminal.

Os processos com recursos nestas condições ficarão sobrestados até que a 3ª Seção julgue a controvérsia sob o rito dos recursos repetitivos, conforme proposta do ministro Rogerio Schietti Cruz. Ele é relator de dois recursos sobre o assunto que correm em segredo de Justiça.

O tema controvertido, cadastrado sob o nº 983, está assim resumido: “Reparação de natureza cível por ocasião da prolação da sentença condenatória nos casos de violência cometida contra mulher praticados no âmbito doméstico e familiar (dano moral)”.

O relator acentuou que a legislação não fixa um procedimento específico quanto à reparação de natureza cível nesses casos – “o que demanda o estabelecimento de um precedente qualificado, tendo em vista a existência de decisões com pressupostos diferentes para a reparação civil”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Test drive fatídico

Atropelamento fatal de idoso, no perímetro urbano de Gramado. O TJRS condena um consumidor que testava um automóvel Prisma, duas empresas e uma seguradora. Reparação por dano moral para as duas filhas da vítima será de R$ 445 mil.

Jejum nas alturas

 

Jejum nas alturas

Condenação da American Airlines por não disponibilizar a três brasileiros (um casal e sua filha) – durante voo de 12 horas - alimentos kosher que haviam sido solicitados e pagos. Indenização será de R$ 18 mil.