Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

Mantido auxílio-reclusão a dependentes de preso em regime domiciliar



A 1ª Turma do STJ negou provimento a recurso especial em que o Instituto Nacional do Seguro Social buscava o desconto do auxílio-reclusão concedido aos dependentes de condenado que passou a cumprir a pena em regime domiciliar. Para o INSS, “a concessão do benefício no caso de segurado em prisão domiciliar configura ofensa ao artigo 80 da Lei nº 8.213/91 e também ao artigo 116, parágrafo 5º, e artigo 119 do Decreto nº 3.048/99”.

Os dispositivos mencionados estabelecem, respectivamente, que o requerimento do auxílio-reclusão deverá ser instruído com declaração de permanência da condição de presidiário e que o auxílio é devido, apenas, durante o período em que o segurado estiver recolhido à prisão sob regime fechado ou semiaberto.

A ação originalmente tramitou na JF de Canoas (RS), onde teve sentença de parcial procedência, nestes termos: “Julgado parcialmente procedente o pedido formulado para condenar o INSS a conceder benefício auxílio-reclusão aos autores, nos seguintes períodos: de 22/02/2001 a 09/03/2001, de 05/10/2005 a 26/11/2006, de 15/01/2007 a 04/07/2008, bem como, a partir de 20/12/2009”.

Julgando a apelação do INSS, a 5ª Turma do TRF-4 dispôs que “a concessão do auxílio-reclusão, previsto no art. 80 da Lei nº 8.213/91, rege-se pela lei vigente à época do recolhimento à prisão e depende do preenchimento dos seguintes requisitos: (a) a ocorrência do evento prisão; (b) a demonstração da qualidade de segurado do preso; (c) a condição de dependente de quem objetiva o benefício; e (d) a baixa renda do segurado na época da prisão”.

O colegiado também dispôs que “a fuga do sistema prisional não acarreta, por si só, a perda da qualidade de segurado do preso, a qual pode ser mantida, desde que observados os prazos previstos no art. 15, incisos e parágrafos, da Lei de Benefícios, ou, ainda, pelo exercício de atividade laboral sujeita ao RGPS”.

O arremate do acórdão regional foi de que “preenchidos os requisitos legais, é devido o benefício de auxílio-reclusão nos períodos postulados na inicial, descontados os períodos de fuga, bem como os valores eventualmente já pagos a tal título na esfera administrativa”.

O relator no TRF-4 foi o desembargador federal Paulo Afonso Brum Vaz. O recurso especial do INSS foi admitido.

O relator no STJ, ministro Gurgel de Faria, reconheceu que tanto a doutrina quanto a jurisprudência consideravam que o segurado precisaria estar recolhido em estabelecimento prisional para a concessão do benefício previdenciário a seus dependentes. No entanto, no caso apreciado – e que deu origem ao recurso especial - o TRF da 4ª Região entendeu de forma diferente.

Segundo o acórdão regional, “o que importa, para autorizar a cessação do auxílio-reclusão, não é o regime de cumprimento da pena a que está submetido o segurado, mas sim a possibilidade de ele exercer atividade remunerada fora do sistema prisional, o que não só se dá quando aquele é posto em liberdade, mas também quando a execução da pena for realizada em regime prisional aberto ou o segurado estiver em liberdade condicional”.

Contra tal decisão, o INSS defendeu o desconto do benefício a partir da data em que foi concedida a prisão domiciliar, mas o relator entendeu que a pretensão da autarquia estava em dissonância com a sua própria orientação interna.

Ao decidir no STJ, o ministro Gurgel de Faria explicou que “desde 19 de fevereiro de 2016, por meio da Instrução Normativa nº 85 PRES/INSS, que alterou a IN nº 77/PRES/INSS, de 21 de janeiro de 2015 - introduzindo o parágrafo 4º ao artigo 382 - foi disposto que o cumprimento de pena em prisão domiciliar não impediria a percepção do benefício, se o regime previsto for o semiaberto ou fechado, como na espécie”.

Para o ministro, como o próprio INSS, em interpretação favorável da Lei de Benefícios, reconhece um direito preexistente, deve dar-lhe cumprimento, e não contestá-lo judicialmente, uma vez que praticou ato incompatível com o direito de recorrer.

“Dessa forma, a melhor exegese é a que reconhece que os dependentes de segurado preso em regime fechado ou semiaberto fazem jus ao auxílio-reclusão, atendidos os pressupostos do benefício, ainda que o condenado passe a cumprir a pena em prisão domiciliar”, concluiu o julgado.

O advogado Luiz Gustavo Ferreira Ramos atua em nome dos dependentes do presidiário. (REsp nº 1672295 – com informações do STJ e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gratificação por desempenho pode variar também para aposentados

O TRF da 4ª Região uniformizou jurisprudência. A gratificação por desempenho - recebida por servidores da ativa e incorporada por aqueles servidores aposentados pela 3ª Emenda Constitucional nº 47/2005 - não se confunde com a integralidade do salário destes, e sua redução não viola direito.

TRF-4 nega desaposentação para filiados de associação gaúcha

A ATAPPAF/RS, sediada em Passo Fundo (RS), havia ajuizado ação civil pública contra o INSS, em outubro de 2014, obtendo sentença de procedência. Mas o tribunal regional aplicou decisão do STF proferida em caso com repercussão geral.

Homem ‘muda’ de sexo para se aposentar cinco anos antes

Sergio - que passou a se chamar Sergia - é acusado de usar a Lei de Identidade de Gênero em benefício próprio. O caso que ocupa muitos espaços na mídia da Argentina abre, também, uma discussão no Brasil, depois do recente julgamento do STF: com que idade se aposentarão aqui os transexuais?

Pensão independe de precatório

Decisão do STF, confirmando julgado do TRF-4, destrava 363 ações. Para efeitos de repercussão geral foi aprovada a tese de que “a execução provisória de obrigação de fazer em face da Fazenda Pública não atrai o regime constitucional dos precatórios”