Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de julho de 2019.

Suspenso dispositivo de lei que prioriza servidor local em empate em concursos



O ministro Alexandre de Moraes, do STF, deferiu liminar em ação direta de inconstitucionalidade, para suspender dispositivo de lei do Estado da Bahia que garante a seus servidores públicos estaduais preferência, em caso de empate, na ordem de classificação em novo concurso.

A liminar, a ser referendada pelo Plenário do STF, suspende o artigo 13, parágrafo único, alínea ‘a’, da Lei nº 6.677/1994 (Estatuto dos Servidores Públicos Civis do Estado da Bahia), segundo o qual terá preferência aquele que tiver mais tempo de serviço prestado ao Estado da Bahia, em caso de empate na classificação de concursos promovidos pelo poder público estadual.

A ação foi ajuizada pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com o argumento que a lei baiana fere o princípio constitucional da igualdade (art. 5º, caput). Sustenta ainda violação aos princípios republicanos, da igualdade, da razoabilidade, da moralidade e da impessoalidade, ao adotar como critério de favorecimento o fato de ter o candidato exercido função pública em órgão estadual.

A ADI justifica que, apesar de a lei estar em vigor há anos, é necessária a declaração de inconstitucionalidade da norma, pois “a diferenciação, para certames futuros e para aqueles em andamento, será aplicada e renovará a agressão a diversos preceitos constitucionais”.

O relator observou que o elemento de discriminação eleito pela lei como critério de desempate em concurso público “tem o claro propósito de conferir tratamento mais favorável a servidores do Estado da Bahia, em detrimento dos demais Estados da Federação, estando em frontal desacordo com o art. 19, III, do texto constitucional, que veda o estabelecimento de distinções entre brasileiros com base na origem ou procedência”.

A decisão mencionou liminar deferida pelo ministro Luís Roberto Barroso (ADI nº 5358), para suspender lei semelhante no Estado do Pará, e considerou ainda que, “enquanto não suspensa a eficácia do dispositivo atacado, o critério de distinção desarrazoado nele estabelecido seguiria sendo aplicado aos novos concursos públicos realizados no Estado da Bahia, com prejuízo aos candidatos deles participantes”.

Em seguida, o relator determinou que se comunique à Assembleia Legislativa da Bahia e ao governador para cumprimento da decisão e apresentação de informações no prazo de 10 dias. Após esse prazo, o processo seguirá para manifestação da advogada-geral da União e da procuradora-geral da República, sucessivamente, no prazo de cinco dias. (ADI nº 5776 – com informações do STF).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Novas correções em provas de 58 candidatos em concurso para juiz do TJRS

O certame que começou em 2015 - e teve 22 candidatos nomeados e empossados em 2017 – terá novos desdobramentos. Há decisões divergentes entre a 1ª e a 2ª Turmas do STJ. Um dos julgados determina a repetição das provas de sentenças – mas o resultado foi atacado por recurso de embargos de declaração, ainda não decididos.

Professor réu em ação criminal não pode assumir cargo público

Ele foi aprovado em certame para “assistente de alunos”. Mas tem uma condenação – sem trânsito em julgado – por tráfico de drogas. O TRF-4 considerou que “a precaução com o interesse público deve prevalecer frente ao interesse do particular”.

Inclusão da cota racial em concursos para cartórios

O CNJ modifica seu entendimento anterior e permite que os tribunais estaduais adotem a prática, já que têm autonomia para disciplinar editais. Precedente foi criado em certame para cartório de notas e registros de Tocantins.