Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Dona Merca, com ´c´. Ou com ´d ´ ?



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Tarde escaldante, juiz, advogados, partes e serventuário tomam fôlego na ensolarada sala da Vara do Trabalho, em média cidade do interior gaúcho. Levam adiante uma audiência conciliatória.

O magistrado se surpreende com o nome da reclamante, grafado como ´Cate´ - como se fosse uma conjugação subjuntiva do verbo ´catar´, na segunda pessoa do singular.  Ele imagina que a intenção do pai da pudesse ter sido batizá-la como ´Kate´ - e que o oficial do registro civil tivesse se equivocado.

E para evitar erro(s) na assentada de audiência, o magistrado pergunta à reclamante:

- A senhora é Cate, com ´C´ mesmo, como letra inicial?

Um pouco vexada, a moça assente:

- Isso mesmo, doutor, mas todos me chamam de “Queite”.

Habitual falante como era, o advogado da reclamante - com a intenção de descontrair o ambiente - se apruma e diz de forma solene:

- Na minha família também há um caso de nome raro...

As expressões faciais dos demais denotam curiosidade. O falador prossegue:

- Tenho uma tia, líder comunitária muito conhecida, chama-se Dona Merca. E para evitar equívocos, acrescento que se trata de Merca com ´c´.

A gargalhada é geral, descontrai o ambiente forense e as partes, sem demora, celebram um acordo.  Colhidas as assinaturas, o arremate vem por conta do advogado da reclamada.

- Seguramente não foi um acordo de ´merca com d´...

(Adaptado a partir de um conto do advogado Luiz Augusto Lima da Fonseca).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Kauer

A “Menina Veneno”

 

A “Menina Veneno”

Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta -  se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.  De comum, entre eles, só o Direito.

Charge de Gerson Kauer

  O enterro da sogra que não morreu

 

O enterro da sogra que não morreu

A inusitada abordagem no plantão judicial forense. Como autorizar o funeral de uma provecta idosa, de aparência taciturna, que – como manifestação de última vontade - deseja ser sepultada no sítio em que reside? O texto é de Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.