Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.

Shopping Praia de Belas deve construir creche própria para lactantes



O Shopping Praia de Belas, de Porto Alegre, está obrigado a construir espaço para guarda e vigilância de filhos de mães que trabalham no estabelecimento e que estão em período de amamentação - ou seja, até dois anos de idade. A medida deve beneficiar trabalhadoras vinculadas ao próprio shopping, bem como as empregadas das lojas e prestadores de serviço que atuem no local. A decisão é da 1ª Turma do TRT da 4ª Região (RS).

O Praia de Belas tem o prazo de 60 dias, contados a partir da notificação quanto ao acórdão, para a construção da creche. Caso não cumpra a decisão, pagará multa diária de R$ 2 mil, revertida ao Fundo da Criança e do Adolescente de Porto Alegre.

A decisão reforma sentença da 10ª Vara do Trabalho da capital gaúcha. Cabe recurso ao TST.

Na mesma decisão, proferida em ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho, o shopping foi condenado a pagar R$ 500 mil reais por danos coletivos ao não cumprir, até agora, a determinação da construção do espaço, prevista pelo artigo 389 da CLT para empresas com mais de 30 empregadas maiores de 16 anos.

Conforme a argumentação do MPT, “é o centro comercial que deve arcar com a obrigação, já que os lojistas do shopping não podem gerenciar a criação de espaços no estabelecimento”.

Por outro lado, não é possível substituir a criação do espaço pelo pagamento de auxílio-creche, porque o horário de funcionamento do shopping (até as 22h) é diferente dos horários comuns de funcionamento desse tipo de estabelecimento, o que traz dificuldades às mães que precisam amamentar seus filhos durante as suas jornadas de trabalho.

Para ajuizar a ação, o MPT invocou princípios previstos na Constituição Federal, como a valorização social do trabalho e a proteção da infância, bem como dispositivos do Estatuto da Criança e do Adolescente, além da própria norma expressa na CLT

Sentença reformada

Ao julgar a ação em primeira instância, a juíza Ana Luiza Barros de Oliveira, da 10ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, entendeu que o Shopping Praia de Belas não teria essa obrigação.

A juíza atribuiu o encargo aos empregadores – ou seja, os donos das lojas que empregam e gerenciam o trabalho das mães.

Proteção à maternidade

A relatora do recurso, desembargadora Iris Lima de Moraes, mencionou as recomendações da Organização Mundial da Saúde quanto ao período de amamentação, e a Convenção nº 103 da Organização Internacional do Trabalho. Estas preveem a interrupção das jornadas de trabalho para as mães amamentarem suas crianças, sem prejuízo da remuneração.

Ela observou também que “os lojistas não possuem ingerência sobre a alteração de destinação de áreas que compõem o complexo de propriedade do shopping, sendo deste, portanto, a obrigação de, na forma prevista pelo artigo 389 da CLT, instituir local apropriado onde todas as empregadas que ali trabalham possam deixar, sob vigilância e assistência, seus filhos em fase de amamentação, durante o horário de trabalho”. ( Proc. nº 0021078-62.2015.5.04.0010).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O preço e os ricochetes do beijo forçado

O TST restabeleceu sentença que reconheceu a justa causa numa dispensa de empregado da Petrobras. “No atual estágio, em que ganhou voz e espaço a luta pelo respeito às liberdades individuais, especialmente os direitos das mulheres, não mais se admitem desculpas de que não teria havido a intenção ofensiva”.

Segurança do Inter não receberá horas extras por trabalhar em jogos e eventos

Ele prestava serviços das 9 às 15h. Em dias de jogos, prosseguia até a meia-noite. O TST reforma decisão do TRT-RS e acolhe recurso de revista do clube gaúcho, ao aplicar precedente do STF: “a Constituição reconhece a validade da negociação coletiva e admite a possibilidade de pactuar até mesmo a redução de direitos trabalhistas”.