Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Prato do dia: pizza judicial



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na pequena cidade gaúcha, a Pizzaria Passarinho era – para as cores locais – a melhor, para não dizer que fosse a única.  Produzia o trivial prato italiano, mas nem pensar em algo sofisticado como cobertura de frutos do mar. Mas ia...

A Reginaura era cliente da telentrega, mas foi cismando com a suposta perda de qualidade da pizza que chegava ora quente, ora morna, ora demorada, fria, murcha e sem gosto para o jantar dominical. E tanto foi que a Reginaura passou a ferrar a pizzaria, e seu dono,  nas redes sociais. Começou de mansinho, passou para os exageros e, logo, estava nas ofensas.

Via termo circunstanciado, o dono da pizzaria chegou ao Juizado Especial Criminal. O juiz designou audiência, na qual a Reginaura se apresentou impactantemente mal trajada: chinelos de dedos, short justo e curto, abdômen exposto (era avantajado, mas sem gravidez), mini blusa berrante etc.

Os personagens tradicionais da cena forense se olharam e admitiram, depois, terem lembrado de um caso ocorrido em Cascavel (PR). Foi quando o juiz do Trabalho Bento Luiz de Azambuja Moreira (atualmente titular da 21ª Vara do Trabalho de Curitiba), mandou para casa o reclamante que comparecera calçando chinelos.

O magistrado gaúcho, todavia, foi respeitoso e paciente. Logo sugeriu que uma retratação seria a melhor solução para todos. A Reginaura concordou e pediu licença para falar:

- Doutor, eu exagerei e me retrato. E estou aqui toda machucada porque levei uns tapas do meu marido, depois de um fresqueio virtual com uma turma no Facebook. Terminei descontando injustamente na pizzaria – disse mostrando marcas roxas nos braços.

Transação homologada, no dia seguinte a retratação foi publicada por Reginaura, em sua página: “Desculpo-me das afirmações inverídicas envolvendo a Pizzaria Passarinho, de quem nada tenho a reclamar em relação aos produtos e serviços prestados”.

Desagravado, o dono do estabelecimento mandou, à noite, uma caprichada caixa quentinha à casa da Reginaura. Era uma à “moda margherita”, de boa qualidade.

Foi assim que tudo acabou em pizza. Mas bem diferente daquelas pizzas dos políticos brasileiros, que só resolvem a sua avidez financeira e pisoteiam os ideais republicanos.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Kauer

A “Menina Veneno”

 

A “Menina Veneno”

Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta -  se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.  De comum, entre eles, só o Direito.

Charge de Gerson Kauer

  O enterro da sogra que não morreu

 

O enterro da sogra que não morreu

A inusitada abordagem no plantão judicial forense. Como autorizar o funeral de uma provecta idosa, de aparência taciturna, que – como manifestação de última vontade - deseja ser sepultada no sítio em que reside? O texto é de Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.