Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Impasse conjugal



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O cidadão sofreu grave acidente de trânsito e sua masculinidade foi danificada. O médico assegurou-lhe que a ciência moderna poderia devolver a virilidade, mas que o seguro-saúde não cobriria o procedimento. Assim, em atendimento particular, o custo seria de R$ 15 mil para um "pequeno", 20 mil para um "mediano" e 30 mil para um “avantajado”.

Outra solução seria levar o caso a juízo, com chance de, alguns anos depois, obter decisão transitada em julgado condenando o plano de saúde ao custeio do implante peniano. Com o detalhe de que, por causa da notória demora judicial, talvez fosse tarde demais...

O cidadão mostrou-se disposto a raspar as economias, mas achou prudente conversar com a esposa, na expectativa de que ela quisesse ao menos um “mediano”... e, até, talvez um “grande”!

O urologista considerou a dúvida conjugal pertinente e, assim, sugeriu que o casal logo discutisse as medidas, via celular. E se retirou da sala de consultas por alguns minutos.

O homem ligou para a cônjuge e explicou suas opções. Cinco minutos depois, o cirurgião voltou para a sala, percebendo a inquietude do futuro paciente.

- O que vocês dois decidiram? - perguntou o médico.

- A minha mulher prefere reformar a cozinha! – contou, pesaroso, o paciente.

Poucas semanas depois, o cidadão ingressou com ação de divórcio litigioso. Na audiência inicial, o juiz conseguiu transformar o litígio em pedido consensual de fim do casamento.

Pela partilha, soube-se que a reforma da cozinha da madame não se realizou.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Kauer

A “Menina Veneno”

 

A “Menina Veneno”

Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta -  se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.  De comum, entre eles, só o Direito.

Charge de Gerson Kauer

  O enterro da sogra que não morreu

 

O enterro da sogra que não morreu

A inusitada abordagem no plantão judicial forense. Como autorizar o funeral de uma provecta idosa, de aparência taciturna, que – como manifestação de última vontade - deseja ser sepultada no sítio em que reside? O texto é de Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.