Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.

Trato intestinal e gases estrepitosos



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O desembargador do Trabalho estava se aposentando e a Turma (no sentido jurisdicional da palavra) resolveu prestar-lhe uma homenagem, após o encerramento da última sessão de julgamentos de que ele participou. Estavam presentes familiares do jubilando, ex-alunos, colegas de magistratura, assessores, estagiários e alguns indefectíveis puxa-sacos.

O já provecto magistrado fez os agradecimentos protocolares, evocou dificuldades e sucessos na carreira e disse que contaria o caso mais curioso que julgara em seus 30 anos de lide jurisdicional. Fora uma discussão com suposta justa causa, pela ocorrência sistemática de “barulhos imotivados".

Relatou que a juíza de primeiro grau surpreendera-se com a constatação do verdadeiro motivo da demissão: "acúmulo de gases no estômago e no intestino da reclamante, nem sempre controlável no ambiente de trabalho". Tal circunstância constou do julgado monocrático, abordando aspectos vivenciais pois, “embora constrangedora a ventosidade, os seres humanos estão sujeitos a esse tipo de problema".

A sentença, então, reverteu a justa causa e condenou a reclamada ao pagamento de todos os direitos trabalhistas, além de deferir à reclamante a reparação financeira (R$ 15 mil) pelo dano moral.

No exame do recurso ordinário, as manifestações jurisdicionais vieram enriquecidas com explicações sobre os gases humanos: "São reações orgânicas naturais à ingestão de alimentos e ar, os quais, combinados com outros elementos presentes no corpo humano, resultam em gases, às vezes estrepitosos e incontroláveis, que se acumulam no tubo digestivo, que o organismo necessita expelir".

Depois do constrangimento geral na cerimônia de despedida, o desembargador arrematou de maneira ainda mais surpreendente: “Os flatos fazem parte da vida humana e nem sempre indulgentes com as convenções sociais”.

A gargalhada, então, foi geral. E durante a semana toda, o assunto mais comentado na “rádio-corredor” da Corte ganhou o epíteto de “a despedida do pum”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.