Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.

Senhores advogados, levantem-se!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Três semanas depois de o novel juiz chegar à comarca, era a primeira segunda-feira com audiências marcadas por ele. Os advogados e as partes foram entrando na sala, sendo surpreendidos por chamativo aviso: “Em estrito respeito ao Juízo, todos deverão levantar-se no momento que o MM. Juiz adentrar a sala de audiências”. 

Para completar o contexto de estímulo à juizite, quando o magistrado entrava, a escrivã se punha de pé, batia rápidas palmas e disparava: “Levantem-se todos, por favor”.

A “determinação” (?) vigorou por três dias, mas já na quinta-feira, a Subseção da OAB lançou crítica, afirmando que “os advogados não estão obrigados a cumprir tal abusiva, canhestra e obliterada exigência”.

O cartaz oficial foi, então, substituído por outro mais moderado, mas ainda assim verborrágico: “Solicita-se, nesta sala, a manutenção, por todos aqueles que fazem parte da solenidade, de condutas desejáveis”.

Os advogados combinados – e após instruírem seus respectivos clientes – seguiram todos não se levantando quando o juiz chegava, mas proferindo-lhe, sempre, mensagens cordiais de “bom dia”, ou “boa tarde”, retribuídas apenas com maneios da cabeça.

O magistrado deu, então, outra conformação ao perfil: passou a presidir, de pé, as audiências, sempre repetindo que “esta posição é parte da liturgia, em fazer do ato processual uma solenidade, para que as pessoas sintam a seriedade”.

Seguiu o tititi na comarca por mais uma semana, até que a Corregedoria recomendou ao juiz que desistisse da ideia. Foi assim, então, que na semana seguinte, ele desistiu de ficar de pé, passando a sentar-se num recém adquirido, caro, confortável e luzidio cadeirão azul turquesa, último tipo.

Não faltou a aposição de um discreto adesivo: “Poltrona de uso exclusivo do MM. Juiz”.


Comentários

Horacio Alfredo Comes - Advogado 25.04.17 | 22:27:08
Se eu me levantar é que será desrespeito.
Iolanda Ramos Noble - Advogada 25.04.17 | 16:39:31

É o fim ! O que que leva um mero servidor público a pensar que tem superioridade para exigir dos contribuintes - que sustentam seu salário e privilégios - qualquer coisa?

Nedson Culau - Advogado 25.04.17 | 11:48:16

A pergunta que não quer calar é: Se na sala uma pessoa paraplégica não se levantar será desrespeito?

Beatriz Moreira Siqueira - Aposentada E Advogada 25.04.17 | 10:24:01

Com alegria li nas notícias do TJRS que a magistrada Dra. Lusmary Turelli que a conheci na comarca de Carazinho é nova desembargadora. Tal motivo de alegria reporta-se à grande magistrada que foi em Carazinho, lembranças de sua educação, civilidade e usou da Justiça com clareza e dentro das prerrogativas do cargo. Precisamos ter em mente que cada vez mais necessita-se de juízes com o exemplo citado. Parabéns pela nova etapa na vida pessoal da desembargadora Lusmary.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.