Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

A volta da publicidade oficial que quer convencer sobre a Reforma da Previdência



Foto Google Imagens: posse da presidente do STF em 12.09.2016

Imagem da Matéria

A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, deferiu pedido da União e suspendeu decisão da Justiça Federal do RS que havia proibido a veiculação de campanha institucional publicitária para alegadamente “esclarecer a população sobre Proposta de Emenda Constitucional n° 287/2016, referente à Reforma da Previdência”.

A decisão da ministra foi tomada na suspensão de liminar apresentada pela Advocacia Geral da União em que a União pediu a cassação da tutela de urgência deferida pelo Juízo da 1ª. Vara Federal de Porto Alegre (RS) – em ação civil pública de autoria do Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no Rio Grande do Sul e outros. A tutela foi confirmada pelo TRF da 4ª Região.

Originalmente, os sindicatos autores da ação popular argumentaram que a campanha publicitária alusiva à Reforma da Previdência não tinha conteúdo educativo, informativo ou de orientação social, “mas alarmismo destinado a obter apoio popular à PEC n° 287/2016, em contrariedade ao disposto no artigo 37, parágrafo 1º, da Constituição Federal, ao Decreto n° 6.555/2008 e à Instrução Normativa n° 7/2014 da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República”.

Na decisão de primeira instância, apontou-se a impossibilidade de dispêndio de recursos públicos para promover campanha publicitária que afirma interesse de partido político que ocupa atualmente o poder, o qual deveria valer-se de recursos próprios para divulgar seu posicionamento favorável à medida.

Segundo a petição inicial, “a publicidade não dispõe de conteúdo educativo, informativo ou de orientação social, tendo estabelecido clima de alarde sobre a questão previdenciária, incutindo a mensagem de que se a reforma proposta não prosperar os benefícios que compõem o regime previdenciário podem deixar de ser pagos”.

A União por sua vez alegou que a campanha não trata de promoção direta ou indireta de governante ou partido político e que a sua suspensão acarretaria risco de grave lesão à ordem pública. Sustentou ser dever constitucional da Administração Pública dar publicidade de atos e ações de interesse da sociedade, uma vez que a reforma tramita no Congresso Nacional.

Segundo o saite do STF, a ministra Cármen Lúcia inicialmente observou o caráter excepcional das medidas de contracautela postas à disposição das pessoas jurídicas de direito público. Destacou ainda a competência da Presidência do STF para “determinar providências buscando evitar grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas, suspendendo a execução de decisões concessivas de segurança, de liminar ou de tutela antecipada quando a questão tenha natureza constitucional”.

Sobre a controvérsia constitucional que versa sobre o artigo 37, parágrafo 1º, da Constituição Federal, que trata dos requisitos e limitações impostos à publicidade estatal, a ministra, no caso, não observou “indicação expressa de que na campanha haveria promoção pessoal de autoridade ou mesmo de partido político, a incidir na vedação imposta pelo dispositivo constitucional”.

Mesmo que o juízo singular tenha sugerido determinada convergência entre o viés do conteúdo publicitário e a ideologia do partido político de situação, à presidente do STF tal não pareceu. Segundo Cármen Lúcia, “somente esclarecida sobre as escolhas feitas pelo Governo e sua motivação, poderá a população organizar-se em apoio ou em contraposição à solução engendrada”.

Para a ministra, “não se espera, tampouco se tolera no Estado Democrático de Direito, possa o Governo manipular dados, distorcer informações ou prestá-las a partir de omissões intencionais, abusando da boa-fé do cidadão e da confiança por ele depositada nas instituições”.

A autorização para que a publicidade volte a ser veiculada sustenta que “o desvirtuamento das informações prestadas ecoa quase tão gravemente quanto a ausência delas, pois ambas representam desatendimento ao princípio da publicidade e descumprimento dos deveres de transparência e de informação. Se, de um lado, a divulgação de informações contraditórias e desencontradas é um mal, de outro, a alienação representa mal maior, por subtrair do cidadão a capacidade de se definir, de se organizar e propor soluções alternativas, valendo-se, para tanto, da capacidade de influir sobre os representantes que elegeu”. (SL n° 1101 – com informações do STF e da redação do Espaço Vital).

Opinião do Espaço Vital

Até agora a União não disse quanto já foi gasto – e, nem agora, quanto será despendido na nova etapa - na produção e veiculação da maciça campanha publicitária. A frequência com que os vídeos e outras mensagens da Reforma da Previdência atingem a população mais cheira a tentativa de lavagem cerebral, do que verdade sobre a real situação das contas previdenciárias.

Leia a íntegra da decisão da presidente do STF


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gratificação por desempenho pode variar também para aposentados

O TRF da 4ª Região uniformizou jurisprudência. A gratificação por desempenho - recebida por servidores da ativa e incorporada por aqueles servidores aposentados pela 3ª Emenda Constitucional nº 47/2005 - não se confunde com a integralidade do salário destes, e sua redução não viola direito.

TRF-4 nega desaposentação para filiados de associação gaúcha

A ATAPPAF/RS, sediada em Passo Fundo (RS), havia ajuizado ação civil pública contra o INSS, em outubro de 2014, obtendo sentença de procedência. Mas o tribunal regional aplicou decisão do STF proferida em caso com repercussão geral.

Homem ‘muda’ de sexo para se aposentar cinco anos antes

Sergio - que passou a se chamar Sergia - é acusado de usar a Lei de Identidade de Gênero em benefício próprio. O caso que ocupa muitos espaços na mídia da Argentina abre, também, uma discussão no Brasil, depois do recente julgamento do STF: com que idade se aposentarão aqui os transexuais?

Mantido auxílio-reclusão a dependentes de preso em regime domiciliar

Decisão é do STJ, em caso oriundo de Canoas (RS). A ação judicial envolve discussão até sobre o período em que o detento estivera evadido.  “O que importa não é o regime de cumprimento da pena a que está submetido o segurado, mas sim a possibilidade de ele exercer atividade remunerada fora do sistema prisional”.