Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira ,14 de novembro de 2019.

Punição de 52 promotores e procuradores em 2016



As sanções disciplinares determinadas pelo Plenário do Conselho Nacional do Ministério Público aumentaram de 12 (em 2015), para 52 em 2016 — um implemento de 333%. Foram 21 advertências, 15 suspensões, sete censuras, cinco cassações de aposentadorias, duas remoções compulsórias, uma pena de disponibilidade e uma demissão. Os dados são oficiais e constam de relatório divulgado na quarta-feira (15).

Em agosto, o CNMP anunciou que os conselheiros colocaram como prioridade acelerar o andamento de PADs. A maioria dos julgados envolve questões antigas, pois em 2016 só foram analisados pelo Plenário três dos 38 casos instaurados.

A única demissão foi aplicada contra um procurador da República acusado de bater na mulher e mantê-la em cárcere privado, sem acesso a produtos de higiene pessoal. Ele também teria estimulado que a cônjuge fosse agredida pela pastora da igreja que frequentavam.

A demissão reconheceu a “prática de incontinência pública e escandalosa”.

O Conselho também determinou a suspensão, por 40 dias, de uma promotora da Paraíba acusada de receber vantagem pecuniária a título de diárias sem que realmente tivesse viajado a serviço.

E uma promotora do Distrito Federal foi suspensa por 45 dias por ter – em uma incidência em agência bancária - chamado a gerente de “burra, incompetente, despreparada e desqualificada”, além de tê-la ameaçado com um garfo para churrasco.

Foi ainda cassada a aposentadoria de um promotor que usou dinheiro dos cofres municipais de Vitória do Xingu (PA) para pagar contas de restaurantes, passagens de avião e combustível.

Penduricalhos

Os conselheiros também reconheceram uma norma própria (Resolução nº 117/2014) sobre o direito amplo dos membros do MP ao auxílio-moradia.

Menos mal que não recebem o benefício os procuradores e promotores aposentados ou em disponibilidade, afastados ou licenciados e casados com pessoas que já ganham o auxílio ou ocupam imóvel funcional.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Bolsonaro escolhe Augusto Aras para comandar PGR

O indicado ainda precisa ser aprovado em sabatina no Senado e enfrentará resistência interna da categoria, por não ter integrado a lista tríplice. Na última terça-feira, Bolsonaro comparou o governo a um jogo de xadrez e afirmou que a dama (ou rainha) corresponde à PGR.

Seis grupos, um cargo

A sucessão de Raquel Dodge no comando da Procuradoria Geral da República será uma das mais concorridas da história. A indefinição sobre como o presidente Bolsonaro fará a escolha anima candidaturas fora da tradicional lista tríplice