Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 07 de agosto de 2020.

Processos demorados? Questionar o presidente!



Porto Alegre, 9 de fevereiro de 2017.

Ao
Espaço Vital

Ref. Tartaruga cartorária

Olá, boa tarde!

Faz tempo que não escrevo para vocês, mas gostaria de deixar registrada minha indignação com a 15ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre. Atuo em um processo que está desde julho de 2016 aguardando a simples juntada de uma petição!

Consulta de 1º Grau

Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul
Número do Processo: 1.13.0013894-8
Comarca: Porto Alegre
Órgão Julgador: 15ª Vara Cível do Foro Central : 2 / 1 (Foro Central (Prédio II))

Movimentações:

09/09/2016 DOCUMENTO(S) RECEBIDO(S) NO PROTOCOLO GERAL

26/08/2016 RECEBIDOS OS AUTOS JUNTAR DOCUMENTOS

28/07/2016 DOCUMENTO(S) RECEBIDO(S) NO PROTOCOLO GERAL

Em contato com a servidora da Vara, informou-me que só estão trabalhando ela, um colega e a escrivã. Sobre providências, pediu que eu questionasse o presidente do TJRS.

Sem previsão para juntada e nós, advogados, sem previsão de movimentarmos os processos e ganharmos nossos tão esperados honorários.

E a prestação jurisdicional, assim, amarrada pelo andar das tartarugas forenses.

Sem mais. Abraço e um ótimo ano para o EV, sua equipe e seus leitores!

Atenciosamente,

Daniela Nadvorny, advogada (OAB-RS nº 64.057)
dnadvocacia@gmail.com


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

“Nossos números são muito bons”

A afirmação é do desembargador Antonio Vinicius Amaro da Silveira, novo presidente do Conselho de Comunicação do TJRS, fazendo comparações com a média nacional de julgamentos. Em carta ao Espaço Vital, ele reconhece “haver espaço para melhorias, sempre perseguidas”.

Arte de Camila Adamoli com caricaturas de Frank Maia (Humor Político)

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um  ato judicial

 

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um ato judicial

Demora no pagamento de um alvará judicial encaminhado para “apreciação e controle do núcleo jurídico do BB”. E a concordância da juíza da causa:“Deverá o autor aguardar os trâmites internos do banco depositário para liberação do valor”. Leia os detalhes em “Carta de Leitor”, enviada pelo advogado Gastão Bertim Ponsi.