Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Cobrança indevida na conta de energia elétrica



Por Mayra Vieira Dias, advogada (OAB-SP)

Não é de hoje que se discute a cobrança indevida da conta de energia. O Estado arrecadador exige que as distribuidoras de energia calculem de forma errada o ICMS a ser cobrado na conta, apesar da Constituição Federal e a Lei Complementar nº 87/96 estabelecerem a incidência do ICMS exclusivamente sobre atividade que configure efetiva operação de circulação (aquisição) de energia elétrica.

Decisão do STJ confirmou entendimento dos tribunais inferiores, no sentido de que se deve excluir da base de cálculo de ICMS as tarifas de Transmissão e Distribuição de Energia (TUST e TUSD). Dessa forma, o ICMS tem um valor real menor do que vem sendo cobrado há muitos anos.

O que ocorre atualmente é que o ICMS está sendo repassado ao consumidor em valor maior que o devido, porque no seu cálculo são incluídas as tarifas de uso do Sistema de Transmissão (TUST) ou Distribuição (TUSD) de forma indevida, uma vez que “não constitui fato gerador do ICMS o simples deslocamento de mercadoria de um para outro estabelecimento do mesmo contribuinte”, conforme entendimento do STJ.

A partir dessa decisão, os consumidores têm direito a reaver os valores pagos a mais e, por meio de ação judicial, podem pedir a restituição desses valores pagos indevidamente nos últimos cinco anos, bem como a redução de valores nas contas futuras.

Nesse sentido, existem vários processos já decididos, inclusive no STJ, autorizando a devolução dos valores pagos a mais e a redução nas contas futuras. O valor a ser restituído varia de acordo com o preço das tarifas de distribuição e transmissão de energia cobradas nas contas, o qual pode variar entre 7% a 12% do montante da cobrança mensal.

Por conseguinte, o consumidor não deve tardar a ingressar com ação. A demora faz ampliar o prejuízo, já que a prescrição do direito é de cinco anos. Assim, a rapidez na procura por seu direito minimiza as perdas diretas pelo consumidor.

>>>>>>>>>>

Nota do editor – O precedente do STJ a que se refere a articulista é o REsp 1075223.


Comentários

Joao Fernando Sperotto - Aposentado 27.09.16 | 20:29:40

Ao ler esta matéria e dentro de minha santa ignorância pergunto: não caberia aí uma ação pública? Já que todos os consumidores de energia estão sendo lesados? Aguardo alguma resposta de alguém com capacidade para dá-la

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os políticos inescrupulosos e o Supremo

“Uma análise sobre o trânsito em julgado e o segundo grau de jurisdição. Essa ideia minoritária de terceiro grau de jurisdição, no próprio STF, só foi inventada após as condenações de políticos inescrupulosos que hoje estão tentando se beneficiar com uma interpretação inexistente no mundo todo”. Artigo do advogado Amadeu de Almeida Weinmann (OAB-RS nº 5.962)

Foto de Ueslei Machado, reprodução da revista IstoÉ

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

 

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

Revista IstoÉ, em interessante artigo de seu diretor editorial Carlos José Marques, revela que já foram 78 recursos apenas no caso do tríplex. Texto critica o STF, falando em “pornografia legal”. Analisa que “o ministro Ricardo Lewandowski esforça-se para que o presidiário petista conceda entrevista em sua defesa alardeando injustiças imaginárias”. E arremata que, no caso do ex-presidente e de outros criminosos de quilate no âmbito do colarinho branco, “trata-se de uma estranha patologia nacional: bater à porta de meia dúzia de notáveis autoridades da Lei para conseguir benesses fora do habitual”.

Um alerta para superar tartarugas jurisdicionais diárias

“Chamo a atenção dos colegas sobre um pouco usado dispositivo do NCPC: ´É facultado promover a intimação do advogado da outra parte por meio do correio, juntando aos autos, a seguir, cópia do ofício de intimação e do aviso de recebimento´”. Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski (OAB-RS nº 102.262)

Von Jhering no Brasil (1880-1920)

“Herrman von Jhering, filho mais velho do grande Rudolf, viveu no Brasil e, mais particularmente, no RS durante grande parte da sua vida. vale lembrar esse alemão, cuja contribuição para a formação do Estado é deveras importante”. Artigo de Adroaldo Furtado Fabrício, advogado, jurista, ex-presidente do TJRS