Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

Dívidas com o condomínio passam para novo dono



A dívida condominial adere ao imóvel, passando a ser de responsabilidade daquele que venha a adquirir o bem. Com esse entendimento, o TRF da 4ª deu provimento a um recurso do Condomínio Victória Régia, de Esteio (RS) e determinou a manutenção da penhora de um imóvel.

O apartamento em questão foi retomado pela Caixa Econômica Federal, após o mutuário deixar de pagar as prestações do financiamento. A CEF, entretanto, não pagou os condomínios atrasados, o que levou a administração condominial a ajuizar ação requerendo a quitação.

A instituição financeira pediu o levantamento da penhora, alegando que “seria uma constrição de patrimônio de terceiro, devendo a cobrança ser direcionada ao ex-mutuário”.

Em primeira instância, a Justiça desconstituiu a penhora. A administração do condomínio recorreu.

O tribunal reformou a sentença, apontando que “é sabido que a taxa condominial se trata de obrigação ´propter rem´, ou seja, que adere ao imóvel, transmitindo-se ao adquirente do mesmo”.

Assim, a responsabilidade do novo proprietário inclui a de adimplemento daquelas taxas anteriores à aquisição. (Proc. n º 0007914-83.2016.4.04.9999).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Google - Imagem apenas ilustrativa

Condômino inadimplente tem direito a usar todas as áreas comuns do prédio

 

Condômino inadimplente tem direito a usar todas as áreas comuns do prédio

O morador que esteja com as mensalidades do condomínio em atraso não pode ser impedido de usar as áreas comuns do prédio, como piscina, churrasqueiras, brinquedoteca, salão de festas ou elevadores. Caso julgado nesta terça-feira (28) pelo STJ envolve uma dívida de R$ 290 mil e as dificuldades da condômina proprietária: seu cônjuge foi vítima de latrocínio.

Interpretação extensiva da penhorabilidade do bem de família

TJRS reforma sentença que reconhecera a impenhorabilidade. Acórdão estabelece que “consistindo o título extrajudicial em contrato para a edificação de casa de alvenaria onde vieram a residir os executados - que inadimpliram o preço do serviço prestado – é possível a constrição judicial do bem”.

Desistência motivada da compra de imóvel

STJ decide não ser devida a comissão de corretagem quando o negócio não é concluído por desistência de uma das partes, em decorrência da falta de apresentação das certidões da moradia . Caso é oriundo de Porto Alegre.