Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,03 de dezembro de 2019.

Cavalos na pista!



Viúva de caminhoneiro que faleceu em acidente na BR-290 após tentar desviar de um grupo cavalarianos que conduziam a “chama crioula”, nas homenagens da Semana Farroupilha, teve o pedido de indenização negado pelo TRF da 4ª Região. A 4ª Turma considerou que a Polícia Rodoviária Federal não pode ser culpada pelo acidente.

A decisão reformou sentença de primeiro grau que havia condenado a União a pagar R$ 175 mil à autora.

O acidente ocorreu próximo ao município de Caçapava do Sul (RS), em setembro de 2010. Na ocasião, o veículo dirigido pelo marido da autora colidiu frontalmente com uma carreta carregada de tijolos. A vítima era funcionário da Prefeitura de Cachoeira do Sul, município vizinho, e transportava cascalho em um caminhão-caçamba.

A viúva ajuizou ação solicitando indenização por danos materiais e morais. Ela afirmou que “o motivo do acidente foi a negligência da PRF, que não realizou a fiscalização e a sinalização da cavalgada”. Segundo os autos, chovia forte no dia da ocorrência e a visibilidade estava prejudicada devido à neblina.

A Justiça Federal de Cachoeira do Sul julgou a ação procedente e a União recorreu contra a sentença alegando que a PRF não teria responsabilidade pelo acidente, uma vez que a cavalgada havia sido proibida devido às condições climáticas.

O relator do processo no TRF-4, desembargador federal Cândido Alfredo Silva Leal Júnior, destacou que “não houve omissão da PRF, já que consta nos livros de ocorrência da corporação que a orientação dada aos cavalarianos foi de que aguardassem o tempo melhor antes de prosseguirem com a cavalgada”.

O voto acrescentou ainda que a vítima teria tentado realizar uma ultrapassagem perigosa. “Também deve ser considerado que havia uma fila de carros, deslocando-se lentamente, na mesma pista que vinha a vítima. Assim, o motorista do caminhão poderia ter reduzido a velocidade e aguardado, como fizeram os demais veículos que já estavam em fila na rodovia”, concluiu. (Proc. nº 5001323-03.2011.4.04.7119 – com informações do TRF-4).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chuva forte não é força maior para exonerar shopping de indenizar

O STJ determina ao TJ de São Paulo que analise o caso decorrente de desabamento do teto que feriu uma consumidora. Julgado superior compara que “as chuvas são mais previsíveis do que um assalto dentro do estabelecimento, por exemplo”.

Um rato assustador na lanchonete

Responsabilidade objetiva. O STJ confirmou a condenação (R$ 40 mil) de uma empresa franqueada do McDonald´s por lesões sofridas por cliente que fraturou o tornozelo, ao tentar escapar do roedor que apareceu durante o almoço.