Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 3 de julho de 2020.

WhatsApp ficará fora do ar por 72 horas por decisão judicial



O WhatsApp se tornou novamente hoje (02) alvo de uma decisão judicial que determina seu bloqueio por 72 horas. De acordo com as primeiras informações, a Justiça ordenou que o aplicativo – o mais usado pelos brasileiros – seja desativado pelas empresas de telefonia móvel e banda larga fixa a partir das 14h desta segunda-feira.

A medida vale para a Claro, Tim, Vivo, Oi e Nextel e tem validade tanto para celulares quando para Wi-Fi.

O bloqueio judicial foi determinado porque o Facebook (proprietário do WhatsApp) não cumpriu outra medida judicial para compartilhamento de informações que subsidiariam investigação criminal. Em 16 de dezembro do ano passado, o WhatsApp já havia passado por um bloqueio similar, porém, com duração de 48 horas.

A decisão foi proferida pelo juiz Marcel Montalvão, da comarca de Lagarto (SE). Ele é o mesmo magistrado que mandou prender o vice-presidente do Facebook para a América Latina, Diego Dzodan, em março deste ano.

Em nota, a operadora Tim confirmou que o bloqueio será executado nesta tarde. "Esclarecemos que as prestadoras não são autoras e não fazem parte da ação que resultou na ordem judicial", informou a nota, divulgada em redes sociais. A Claro também afirmou ter recebido a notificação judicial, nada especificando sobre o cumprimento.

O saite Tech Tudo anunciou hoje (02), por volta do meio-dia, que existe uma possibilidade técnica de furar o bloqueio. E, para tanto, disponibilizou um link. É necessário usar um app de VPN no smartphone com sistema Android.

Para mais detalhes, clique aqui.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Camera Press

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

 

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

Uma pesquisa recém concluída diz que um algoritmo da plataforma da empresa subsidiária do Google recomendou um vídeo inocente de menina brasileira, de dez anos de idade, a usuários de conteúdo sexual. “Fiquei assustada com os milhares de visualizações” – diz a mãe da criança. As informações são do jornal New York Times.

CNJ sofre ataque de hacker

A invasão foi feita por uma pessoa que se intitula “Aline 1”.  Dados (nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs e senhas) de milhares de pessoas foram vazados.

Multa de R$ 2.4 milhões ao Facebook

Informações de, no mínimo, 1 milhão de britânicos foram vazadas. A empresa falhou em lidar com a questão, mesmo após ter sido alertada.