Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 14 de julho de 2020.

Quem paga a comissão de corretagem é a empresa vendedora



Uma sentença – ainda sujeita a recursos – vai provocar debates, país afora, sobre o pagamento da comissão de corretagem.

É que a juíza Ana Lia Beall, da 3ª Vara Cível de Sumaré (SP), tem uma nova visão, afirmando ser “abusiva a cláusula contratual que prevê o pagamento pelo consumidor da comissão de corretagem e assessoria imobiliária, bem como as cobranças por taxas condominiais e serviço de água e esgoto antes da entrega das chaves”.

O julgado determinou que a construtora Inpar Projeto 86 Ltda. restitua o consumidor. Este pagou – além do valor (R$ 126,5 mil) pelo imóvel propriamente dito – R$ 6 mil a título de comissão de corretagem e R$ 1,5 mil para cobrir despesas condominiais antes da entrega das chaves.

A sentença define que “o contrato de corretagem é formado unicamente pelo comitente (aquele que contrata os serviços de intermediação) e pelo corretor. De tal relação jurídica não participa, consequentemente, a contraparte contratante do negócio principal”. (Proc. nº 1008986-69.2014.8.26.0604).

Leia a íntegra da sentença


complemento6

A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Google - Imagem apenas ilustrativa

Condômino inadimplente tem direito a usar todas as áreas comuns do prédio

 

Condômino inadimplente tem direito a usar todas as áreas comuns do prédio

O morador que esteja com as mensalidades do condomínio em atraso não pode ser impedido de usar as áreas comuns do prédio, como piscina, churrasqueiras, brinquedoteca, salão de festas ou elevadores. Caso julgado nesta terça-feira (28) pelo STJ envolve uma dívida de R$ 290 mil e as dificuldades da condômina proprietária: seu cônjuge foi vítima de latrocínio.

Interpretação extensiva da penhorabilidade do bem de família

TJRS reforma sentença que reconhecera a impenhorabilidade. Acórdão estabelece que “consistindo o título extrajudicial em contrato para a edificação de casa de alvenaria onde vieram a residir os executados - que inadimpliram o preço do serviço prestado – é possível a constrição judicial do bem”.

Desistência motivada da compra de imóvel

STJ decide não ser devida a comissão de corretagem quando o negócio não é concluído por desistência de uma das partes, em decorrência da falta de apresentação das certidões da moradia . Caso é oriundo de Porto Alegre.