Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terça-feira, 11 de maio de 2021.
(Próxima edição: sexta-feira, 14).

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Maurício Brum Esteves, advogado (OAB/RS nº 84.287).

mauriciobrumesteves@gmail.com

Na minha humilde concepção, acreditava que a vida de um chapista se resumia em ouvir qual pedaço de carne o cliente gostaria que lhe fosse servido, e, simplesmente, colocar o respectivo pedaço no prato do cidadão.

Se o chapista fosse um juiz de direito, seria algo como a famosa subsunção da lei ao caso concreto. Em outras palavras, identificar a letra fria da lei, e, meramente, aplicá-la ao caso concreto. Ou, buscar o pedaço de carne, e colocar no prato. De forma simples, reta e estreita, sem margem a qualquer divagação filosófica ou (pseudo) intelectual.

No que tange ao Direito, hoje sabemos serem inúmeros os desafios na aplicação da norma, ao contrário do que se acreditava durante o positivismo jurídico. E, para meu espanto, a mesma constatação é válida para o chapista.

Não se trata unicamente de selecionar o pedaço que o cliente pediu e colocá-lo no prato: a missão vai muito além!

Na verdade, é preciso primeiro entender, na mesma medida em que o emocional das pessoas que procuram o Judiciário está comprometido - em razão de conflitos de interesses – que as pessoas que buscam o chapista de carnes também estão com seu emocional comprometido, em razão da fome que as tira do pleno controle de suas emoções.

Assim, tanto o juiz como o chapista lidam com pessoas emocionalmente comprometidas, e esperam que suas expectativas sejam atendidas, seja ela uma sentença ou um pedaço de carne.

Hoje, por exemplo, uma senhora endereçou a seguinte “petição” ao chapista:

- Senhor, quero o pedaço mais macio que tiver. Ah, bem passado, por favor!

Por mais que possa parecer um contrassenso impossível um pedaço de carne ser ao mesmo tempo “bem passado” e “macio”, o atencioso chapista escolheu, com atenção, o que mais parecia atender às expectativas da senhora. Antes porém que a carne aterrissasse no prato da cliente, entretanto, o chapista ouviu:

- Não, não, senhor! Esse pedaço, não! É muito grande! Um menorzinho, por favor!

De tanto ouvir inúmeros pedidos desta estirpe, o resignado chapista de carnes nem mais dava ouvidos ao que os clientes realmente pediam. Em alguns casos, juro que ouvi o cliente pedir um simples pedaço de frango grelhado, mas lhe foi servido um pedaço de polenta. E, antes que esse cliente pudesse reclamar do serviço que lhe foi prestado, o excesso de pedidos de outros que aguardavam o atendimento do chapista, acabou “obrigando-o” a se resignar com a polenta mesmo.

Confesso que já recebi de inúmeros juízes de direito, em diversas oportunidades, um pedaço de “polenta”, ao invés do “frango grelhado” que solicitei. O excesso de processos, de filas e de causos é sempre alegado para justificar o injustificável atendimento, da mesma forma como ocorreu, agora, com o chapista.

E, por mais que alguns digam que a “polenta” pelo “frango” - tanto no que tange ao cliente do chapista, quanto do juiz de direito - deu-se pelo fato de que ambos os clientes não foram felizes e claros o suficiente em suas petições, em nada altera o fato de que ambas as profissões, juiz de direito e chapista, são semelhantes.

A única diferença, na verdade, é que o chapista de grelhados sabe que está lidando com pessoas que buscam a melhor “solução” para suas fomes.

Já o juiz de direito parece acreditar estar lidando com algo abstrato e etéreo, que não comunga com a vida real. Afinal, é apenas mais um processo...

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Contos de fadas para crianças e magistrados

 

Contos de fadas para crianças e magistrados

Juiz de direito, o pai - sempre incumbido de fazer dormir o filho - apela para antigas histórias infantis. Pega o livro “Os Melhores Contos de Fadas”. E se surpreende com os questionamentos feitos pelo menino de sete anos: “Pornografia não pode” – adverte.

Charge de Gerson Kauer

A defenestração do estagiário

 

A defenestração do estagiário

Com frequente impontualidade em relação ao horário de chegada, o jovem estudante de Direito cometeu um “pecado definitivo” no escritório, ao elogiar a advogada: “A senhora está deslumbrante hoje com esta roupa padrão tigrinha...”

Charge de Gerson Kauer

De olho nas curvas molhadas

 

De olho nas curvas molhadas

Era verão, fevereiro antes da pandemia. A água que jorrava no chuveiro era reparadora para a mulher de 41 anos, após a dura jornada de trabalho cumprida com uniformes protocolares, em clima canicular, pela mulher de 41 anos. De repente, entra em ação um bisbilhoteiro...

Charge de Gerson Kauer

A cola que reprovou o estudante

 

A cola que reprovou o estudante

O estudante de Educação Física era destacado nas aulas práticas, mas sem brilho nas provas teóricas. Certo dia, foi pilhado “colando”: levara em minúsculas tirinhas, alguns resumos que sorrateiramente poderiam ajudá-lo a responder as questões.

Charge de Gerson Kauer

Prestação jurisdicional célere?

 

Prestação jurisdicional célere?

Num evento do meio empresarial estão presentes alguns conselheiros da OAB. Representa a corte estadual um desembargador afável e que tem por hábito receber os advogados. Há uma conversa informal e franca:  “Atualmente, não há mais jurisdição artesanal – ela é talvez 99 por cento industrial”...