Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, sexta-feira 15.10.
(Próxima edição: terça-feira, 19)

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Maurício Brum Esteves, advogado (OAB/RS nº 84.287).

mauriciobrumesteves@gmail.com

Na minha humilde concepção, acreditava que a vida de um chapista se resumia em ouvir qual pedaço de carne o cliente gostaria que lhe fosse servido, e, simplesmente, colocar o respectivo pedaço no prato do cidadão.

Se o chapista fosse um juiz de direito, seria algo como a famosa subsunção da lei ao caso concreto. Em outras palavras, identificar a letra fria da lei, e, meramente, aplicá-la ao caso concreto. Ou, buscar o pedaço de carne, e colocar no prato. De forma simples, reta e estreita, sem margem a qualquer divagação filosófica ou (pseudo) intelectual.

No que tange ao Direito, hoje sabemos serem inúmeros os desafios na aplicação da norma, ao contrário do que se acreditava durante o positivismo jurídico. E, para meu espanto, a mesma constatação é válida para o chapista.

Não se trata unicamente de selecionar o pedaço que o cliente pediu e colocá-lo no prato: a missão vai muito além!

Na verdade, é preciso primeiro entender, na mesma medida em que o emocional das pessoas que procuram o Judiciário está comprometido - em razão de conflitos de interesses – que as pessoas que buscam o chapista de carnes também estão com seu emocional comprometido, em razão da fome que as tira do pleno controle de suas emoções.

Assim, tanto o juiz como o chapista lidam com pessoas emocionalmente comprometidas, e esperam que suas expectativas sejam atendidas, seja ela uma sentença ou um pedaço de carne.

Hoje, por exemplo, uma senhora endereçou a seguinte “petição” ao chapista:

- Senhor, quero o pedaço mais macio que tiver. Ah, bem passado, por favor!

Por mais que possa parecer um contrassenso impossível um pedaço de carne ser ao mesmo tempo “bem passado” e “macio”, o atencioso chapista escolheu, com atenção, o que mais parecia atender às expectativas da senhora. Antes porém que a carne aterrissasse no prato da cliente, entretanto, o chapista ouviu:

- Não, não, senhor! Esse pedaço, não! É muito grande! Um menorzinho, por favor!

De tanto ouvir inúmeros pedidos desta estirpe, o resignado chapista de carnes nem mais dava ouvidos ao que os clientes realmente pediam. Em alguns casos, juro que ouvi o cliente pedir um simples pedaço de frango grelhado, mas lhe foi servido um pedaço de polenta. E, antes que esse cliente pudesse reclamar do serviço que lhe foi prestado, o excesso de pedidos de outros que aguardavam o atendimento do chapista, acabou “obrigando-o” a se resignar com a polenta mesmo.

Confesso que já recebi de inúmeros juízes de direito, em diversas oportunidades, um pedaço de “polenta”, ao invés do “frango grelhado” que solicitei. O excesso de processos, de filas e de causos é sempre alegado para justificar o injustificável atendimento, da mesma forma como ocorreu, agora, com o chapista.

E, por mais que alguns digam que a “polenta” pelo “frango” - tanto no que tange ao cliente do chapista, quanto do juiz de direito - deu-se pelo fato de que ambos os clientes não foram felizes e claros o suficiente em suas petições, em nada altera o fato de que ambas as profissões, juiz de direito e chapista, são semelhantes.

A única diferença, na verdade, é que o chapista de grelhados sabe que está lidando com pessoas que buscam a melhor “solução” para suas fomes.

Já o juiz de direito parece acreditar estar lidando com algo abstrato e etéreo, que não comunga com a vida real. Afinal, é apenas mais um processo...

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Faça amor, não faça guerra...

 

Faça amor, não faça guerra...

Quatro ou cinco noites por mês, em um prédio porto-alegrense - e na sua vizinhança - ouve-se o eco de tapas seguidos de gemidos altos. Os vizinhos já sabem que, pelos próximos 60 a 90 minutos, haverá gritos decorrentes de cenas de incontidas relações sexuais. Sob a ótica do direito de vizinhança, saiba qual foi a decisão judicial.

Charge de Gerson Kauer

Silêncio perpétuo, sem fuxicos

 

Silêncio perpétuo, sem fuxicos

“O abastado casal do interior decidiu separar-se, com recíprocas ações litigiosas. Ele, fazendeiro abastado, contratou um renomado advogado da capital, desembargador aposentado. Ela, do lar, deu procuração ao mais conceituado advogado da cidade”...

Charge de Gerson Kauer

Cuidados no uso da piscina

 

Cuidados no uso da piscina

O advogado e a promotora de justiça – ambos radicados em comarcas diferentes – viajaram em comemoração de núpcias para um hotel de luxo na Jamaica. Não imaginavam que passariam por surpresas insinuantes e também constrangedoras.

CHARGE DE GERSON KAUER – DIVULGAÇÃO EV / JC

Aviso de utilidade pública

 

Aviso de utilidade pública

Depois da separação dos conviventes, eles se encontraram ao acaso num bailão. O homem subiu ao palco, pegou o microfone do cantor da banda, e contou ao público qual fora a causa do rompimento conjugal. Saiba o que a mulher relatou depois, para o sisudo juiz, na audiência da ação de reparação por dano moral...

Charge de Gerson Kauer

Os touros campeões

 

Os touros campeões

Já às turras pelo decréscimo do calor conjugal, um casal gaúcho, de meia idade, visita uma feira agrícola na zona rural. Ali, excelentes touros reprodutores estão sendo anunciados por um leiloeiro. O que é que isso pode ter a ver com o divórcio dos dois humanos?...

Charge de Gerson Kauer

Não mais do que de repente...

 

Não mais do que de repente...

Primeira semana de março de 2020, a pandemia ainda era uma suposição distante. Há um coquetel do lançamento de um novo produto de argentário banco. Ao acaso, encontram-se um cidadão (notoriamente conhecido por sua falta de memória) e um juiz aposentado (reconhecido pelo seu nariz empinado).