Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de dezembro de 2018.

Governo do Irã lança saite de relacionamentos para incentivar casamentos



Reprodução do saite da revista Veja

Imagem da Matéria

O governo do Irã lançou ontem (15) um saite oficial de relacionamentos: www.Hamsan.Tebyan.net. O objetivo é estimular o casamento entre os cerca de 11 milhões de solteiros no país. Ao criar seus perfis na plataforma, os iranianos especificam o que estão procurando em um cônjuge.

Ao contrário de saites de namoro convencionais, os candidatos não podem ver os perfis de outros usuários. Lá, os administradores do saite bancam o cupido: eles garimpam casais compatíveis e permitem o contato entre os possíveis pretendentes.

O tradicional papel das famílias iranianas de arranjar casamentos tem diminuído nos últimos anos. Pela Constituição da República Islâmica, o governo deve incentivar o casamento.

No Irã existem outros saites de namoro no estilo ocidental, mas muitos têm conteúdos considerados "ilegais e imorais" . As autoridades do Irã temem que tais saites incentivem o sexo antes do casamento, o que é ilegal no país.

A alta taxa de divórcio no Irã também motivou a criação do saite de relacionamentos. Segundo a rede BBC, cerca de 22% dos casamentos iranianos terminam em divórcio – e a grande maioria ocorre entre casais com menos de 30, que é a faixa etária que compõe a maior parte da população do país.

Ao colocar o saite no ar, o governo iraniano anunciou que espera que “possamos criar 100 mil casamentos, assim resolvendo o problema do casamento entre os jovens".


Comentários

Dante Brognoli - Engenheiro Civil 18.06.15 | 14:42:04

Quero parabenizar o "saite" jurídico, pela coragem de usar justamente essa palavra "saite", grafada dessa forma que, acho, podemos chamar, aportuguesada. Somos, infelizmente, um povo que não respeita nem preza a própria riqueza e cultura. Parabéns.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cármen Lúcia diz que “sociedade brasileira é machista, preconceituosa e violenta”

  Atualmente, tramitam no Judiciário brasileiro 10 mil processos de feminicídio.

  A advogada paranaense assassinada pelo marido na semana passada era, frequentemente, chamada por ele de “bosta albina”. Ela estava sujeita a todo o trabalho doméstico diário e proibida de contratar diarista.

  Jornal The New York Times cita dados de uma sua pesquisa: “Um terço das mulheres brasileiras já sofreram algum tipo de agressão”.

  Porto Alegre é a capital brasileira de maior presença de pessoas ´trans´ contaminadas com HIV.

Um homem e suas duas mulheres

Divisão de pensão por morte de médico que era servidor público federal. Relações matrimoniais e extraconjugais simultâneas e  duradouras. O homem mantinha seu casamento, mas também provia a manutenção da amante, com quem teve dois filhos.