Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 26 de maio de 2020.

Com esse Judiciário que temos”...



Arte de Camila Adamolli sobre foto divulgação da PR-RS

Imagem da Matéria

Na semana passada, a Procuradoria Geral da República lançou dez medidas para combater a corrupção e a impunidade. Uma delas é a proposta de introduzir no serviço público uma prática já comum na iniciativa privada, notadamente nos recrutamentos de funcionários e executivos das grandes empresas: os “testes de integridade”.

Trata-se de ‘simulação de situações’, sem o conhecimento do agente público ou empregado, com o objetivo de testar sua conduta moral e predisposição para cometer crimes contra a Administração Pública. Câmeras e microfones ocultos certamente entrarão em alta.

Segundo o MPF, “a realização de tais testes pode ser feita por órgãos correicionais e cercada de cautelas, incluindo a criação de uma tentação comedida ao servidor, a gravação audiovisual do teste e a comunicação prévia de sua realização ao Ministério Público, o qual pode recomendar providências”.

A procuradora regional (aposentada) da República (SP) Ana Lúcia Amaral, foi contundente ao manifestar-se à Folha de S. Paulo sobre o acordo de cooperação e o grupo de trabalho a ser criado pelo Conselho Nacional de Justiça e outros órgãos com a finalidade de propor medidas de combate à corrupção e à impunidade. Suas frases:

Que coisa mais fora de moda do que criar grupo de trabalho para se decidir o que fazer com o que já deveria estar claro, pois processos por corrupção não são novidade. Já ajudaria se não se pedisse vista, para se perder de vista o processo. E não matar o processo depois que as instâncias anteriores já examinaram tudo e entenderam válido o processo, como se fez com os processos decorrentes da Operação Castelo de Areia: denúncia anônima não vale! E com esse Poder Judiciário que temos, quem teria a coragem de denunciar algo? Os ´sem poder´ ver-se-iam enredados em processos que poriam fim à sua vida! Não se esqueça que fatos objeto da Operação Lava Jato já eram objeto da Castelo de Areia”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Bolsonaro escolhe Augusto Aras para comandar PGR

O indicado ainda precisa ser aprovado em sabatina no Senado e enfrentará resistência interna da categoria, por não ter integrado a lista tríplice. Na última terça-feira, Bolsonaro comparou o governo a um jogo de xadrez e afirmou que a dama (ou rainha) corresponde à PGR.

Seis grupos, um cargo

A sucessão de Raquel Dodge no comando da Procuradoria Geral da República será uma das mais concorridas da história. A indefinição sobre como o presidente Bolsonaro fará a escolha anima candidaturas fora da tradicional lista tríplice