Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.

Os deuses-juízes veem os advogados como inimigos!



Porto Alegre, 12 de novembro de 2014.

Ao
Espaço Vital

Ref.: Os advogados vistos como inimigos.

Comento o entendimento da juíza Catarina Volkart Pinto, da 2ª Vara Federal de Novo Hamburgo (RS), que nega vigência aos artigos 22 e 23 do Estatuto da Advocacia, sob o fundamento da reparação dos custos do vencedor para pagamento dos honorários contratuais.

Acredito que há um contrassenso.

Corrijam-me os leitores do Espaço Vital se eu estiver errada.

Para a reparação dos danos materiais não é necessário comprovar a efetiva perda material?

Assim, honorários arbitrados ao alvitre do juízo em favor da parte - que não guardam relação com a perda material real referente aos honorários contratuais - não se prestam para reparação e, mais do que isso, podem importar em enriquecimento ilícito!

Está difícil: os “deuses-juízes” realmente não nos veem, advogados que somos, como operadores do direito e como figuras essenciais à justiça.

Veem-nos como inimigos!

Atenciosamente,

Gabriela Chies, advogada (OAB/RS nº 81.876)

gabriela@moraesadvogados.com


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Alimentos são alimentos!

Em carta ao Espaço Vital, advogada comenta decisão majoritária da 17ª Câmara Cível do TJRS sobre a isenção de custas nos processos de alimentos e de execução de alimentos. Não há possibilidade da existência de alimentos ´latu sensu´ e ´stricto sensu´. A profissional da advocacia concita colegas a recorrerem quando a decisão lhes for desfavorável.

Acreditem! Honorários sucumbenciais de R$ 1,99 !

Candidato a ser o mais ´pão-duro´ do ano (ou do século?...), o valor foi atribuído pela Turma Recursal dos Juizados Civeis Federais, a uma advogada de Porto Alegre.

"A mais nova manobra do STJ para deixar de receber recursos"

Um jeitinho jurídico para complicar quem pensa que tem gratuidade judiciária. A advogada gaúcha Camille Abreu alerta os colegas que, ao recorrerem ao tribunal superior, as partes já beneficiárias da justiça gratuita têm que renovar o pedido. Senão...bailam!