Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 07 de agosto de 2020.

Os deuses-juízes veem os advogados como inimigos!



Porto Alegre, 12 de novembro de 2014.

Ao
Espaço Vital

Ref.: Os advogados vistos como inimigos.

Comento o entendimento da juíza Catarina Volkart Pinto, da 2ª Vara Federal de Novo Hamburgo (RS), que nega vigência aos artigos 22 e 23 do Estatuto da Advocacia, sob o fundamento da reparação dos custos do vencedor para pagamento dos honorários contratuais.

Acredito que há um contrassenso.

Corrijam-me os leitores do Espaço Vital se eu estiver errada.

Para a reparação dos danos materiais não é necessário comprovar a efetiva perda material?

Assim, honorários arbitrados ao alvitre do juízo em favor da parte - que não guardam relação com a perda material real referente aos honorários contratuais - não se prestam para reparação e, mais do que isso, podem importar em enriquecimento ilícito!

Está difícil: os “deuses-juízes” realmente não nos veem, advogados que somos, como operadores do direito e como figuras essenciais à justiça.

Veem-nos como inimigos!

Atenciosamente,

Gabriela Chies, advogada (OAB/RS nº 81.876)

gabriela@moraesadvogados.com


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

“Nossos números são muito bons”

A afirmação é do desembargador Antonio Vinicius Amaro da Silveira, novo presidente do Conselho de Comunicação do TJRS, fazendo comparações com a média nacional de julgamentos. Em carta ao Espaço Vital, ele reconhece “haver espaço para melhorias, sempre perseguidas”.

Arte de Camila Adamoli com caricaturas de Frank Maia (Humor Político)

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um  ato judicial

 

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um ato judicial

Demora no pagamento de um alvará judicial encaminhado para “apreciação e controle do núcleo jurídico do BB”. E a concordância da juíza da causa:“Deverá o autor aguardar os trâmites internos do banco depositário para liberação do valor”. Leia os detalhes em “Carta de Leitor”, enviada pelo advogado Gastão Bertim Ponsi.