Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

Negativa pelo TJRS de vigência a dispositivo de lei federal



Porto Alegre, 04 de setembro de 2014.

Ao

Espaço Vital

Ref.: Não-aplicação da Lei do Inquilinato.

Sou advogada e admiradora do Espaço Vital e estou indignada com decisões de nosso Judiciário gaúcho no que se refere a negar vigência ao inciso IX do § 1º do artigo 59 da Lei nº 8245/91.

O citado dispositivo facilita a locação sem garantia, pois o inciso garante a liminar de desocupação do imóvel em 15 dias com prestação de caução em caso de, entre outros, a falta de pagamento de aluguel e encargos.

Provado por contrato que não há garantia e juntados aos autos os recibos de alugueis não pagos, o Judiciário gaúcho está exigindo os requisitos do 273 do CPC e os julgadores não comentam o artigo 59, § 1º inciso IX da Lei do Inquilinato.

Terei, doravante, de orientar meus clientes a não fazerem contratos de locação sem garantia, pois aqui no RS não se aplica a Lei do Inquilinato que visou facilitar a vida dos inquilinos que não contam com recursos para seguro-fiança e não dispõem de fiadores para a locação.

O processo a que estou me referindo é o agravo de instrumento nº 70058908948, com tramitação na 15ª Câmara Cível do tribunal gaúcho.

Entendo importante o Espaço Vital abordar esse assunto, pois é de interesse público pelo reflexo que este tipo de decisão ocasionará no mercado imobiliário de locações do RS e em prejuízo aos locatários mais necessitados.

Grata pela oportunidade. Atenciosamente,

Marli Dilce Mrás, advogada, OAB/RS nº 16.765.

marlidm@brturbo.com.br


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Alimentos são alimentos!

Em carta ao Espaço Vital, advogada comenta decisão majoritária da 17ª Câmara Cível do TJRS sobre a isenção de custas nos processos de alimentos e de execução de alimentos. Não há possibilidade da existência de alimentos ´latu sensu´ e ´stricto sensu´. A profissional da advocacia concita colegas a recorrerem quando a decisão lhes for desfavorável.

Acreditem! Honorários sucumbenciais de R$ 1,99 !

Candidato a ser o mais ´pão-duro´ do ano (ou do século?...), o valor foi atribuído pela Turma Recursal dos Juizados Civeis Federais, a uma advogada de Porto Alegre.

"A mais nova manobra do STJ para deixar de receber recursos"

Um jeitinho jurídico para complicar quem pensa que tem gratuidade judiciária. A advogada gaúcha Camille Abreu alerta os colegas que, ao recorrerem ao tribunal superior, as partes já beneficiárias da justiça gratuita têm que renovar o pedido. Senão...bailam!