Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 3 de julho de 2020.

Avô indenizará família de servidor morto em acidente



O juiz Gilberto Lopes Bussiki, da 9ª Vara Cível de Cuiabá (MT), determinou o pagamento mensal de R$ 2,8 mil referentes à prestação alimentícia à família do servidor público Enéas Cardoso Filho, morto em novembro do ano passado após acidente de trânsito causado por um adolescente de 14 anos.

A tutela antecipada terá que ser cumprida pelo avô do adolescente, José Pinheiro Coelho Filho, que também terá que efetuar o ressarcimento no valor de R$ 8,5 mil por danos materiais, sob pena de multa diária. O adolescente vive sob a guarda do avô.

A ação foi interposta pela viúva do servidor, Maria Leopoldina Curvo de Campos, e duas filhas menores. Ela sustentou que "a dor pela morte súbita e inesperada do marido, por ato de imprudência e irresponsabilidade praticada pelo menor M. H. P. A., fez com que os sonhos da família fossem abortados".

Conta ainda que teve que pedir dinheiro emprestado para as despesas com velório e sepultamento, bem como acompanhamento psicológico para as filhas, além de outras despesas.

A vítima era agente de tributos da Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz) e o provedor da casa. A tragédia causou impacto na receita financeira da família em R$ 8.353,32 referentes à redução no salário de Enéas e à suspensão do pagamento de verbas indenizatórias antes recebidas pelo servidor.

Inquestionável que a pretensão arguida deve ser acolhida, caso contrário a sobrevivência das requerentes estará ameaçada (...) No mais, a situação financeira das requerentes é precária, como afirmado nos autos, já que o ganho mensal da família foi reduzido abruptamente, e o pagamento mensal do valor mencionado é medida essencialmente necessária”, diz trecho da decisão. (Com informações do TJ-MT).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Chuva forte não é força maior para exonerar shopping de indenizar

O STJ determina ao TJ de São Paulo que analise o caso decorrente de desabamento do teto que feriu uma consumidora. Julgado superior compara que “as chuvas são mais previsíveis do que um assalto dentro do estabelecimento, por exemplo”.

Um rato assustador na lanchonete

Responsabilidade objetiva. O STJ confirmou a condenação (R$ 40 mil) de uma empresa franqueada do McDonald´s por lesões sofridas por cliente que fraturou o tornozelo, ao tentar escapar do roedor que apareceu durante o almoço.