Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.

A "sanguinária" briga de dois amigos pela mesma mulher



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Dois amigos se desentendem ao conversar sobre o que tinha acontecido na festa onde haviam estado à noite.

Um deles, suspeitando que o outro assediara a sua namorada, oferece uma carona e, na volta para casa, inicia a discussão dentro do carro.

Questionamentos pra cá, ironias pra lá, a razão os abandona e então resolvem o impasse à força. Nada grave: resultam apenas manchas roxas decorrentes de socos de punhos de amigos.

Contudo, muito magoado, aquele que fora acusado de cobiçar a mulher do outro vira inimigo e registra ocorrência policial.

Feito o exame de corpo-de-delito, apenas lesões leves são confirmadas. Na semana seguinte, uma ação penal privada é ajuizada.

Na audiência de instrução, o autor comparece sem testemunhas - afinal, a briga não fora presenciada por ninguém.

Encerrada a instrução, a sentença em apenas uma linha, com curiosíssima afirmação, assim resume a lide: "Amigos até na hora de brigar por mulher, autor e réu lutaram como dois sanguinários.”

Quem leu, observa que o juiz sequer se deu conta do laudo médico. Outros, que a sentença (de improcedência) fora de um acerto brilhante, inclusive quanto à língua portuguesa.

Efetivamente, como lê-la? Lutaram como dois sanguinários, fazendo de conta, ou lutaram como dois sanguinários, com real ferocidade?

O estagiário e o assessor do gabinete tiveram que dar muitas explicações...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O inédito e imparcial sorteio

 

O inédito e imparcial sorteio

Como houve um impasse – aparentemente insolúvel - entre os irmãos Mário e Maria, o juiz decidiu que a solução seria um sorteio. Os interessados concordaram. A escrivã trouxe uma caixa e colocou os papeluchos. Coube ao estagiário, de olhos fechados, meter a mão e... 

Charge de Gerson Kauer

Serviços (in) eficientes de cama

 

Serviços (in) eficientes de cama

Depois do ajuste verbal, a extensão do programa sexual combinado não atende à expectativa do fazendeiro. Ele resolve então sustar o cheque que, antecipadamente, fora entregue à percanta. A questão foi parar no Juizado Especial Cível. Acompanhe a evolução e conheça o desfecho.

Charge de Gerson Kauer

A piscada do juiz

 

A piscada do juiz

A surpresa durante a audiência de uma ação de usucapião. Ao final do depoimento pessoal do réu, o magistrado piscou-lhe o olho e disse: “O senhor pode sair”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A insólita arma do crime

 

A insólita arma do crime

O ineditismo de uma ação penal contra um caboclo que ficara esquecido no presídio. A acusação era por tentativa de homicídio: desconfiança (isso mesmo!) de que o réu lançaria uma cobra venenosa “surucucu-pico-de-jaca” contra o delegado de polícia de pequena cidade interiorana.

Charge de Gerson Kauer

Juiz do amor

 

Juiz do amor

Na sustentação oral em recurso derivado de uma ação de alimentos, o advogado suscita a suspeição de um dos magistrados: “O desembargador relator está na quinta esposa, tem cinco filhos, gasta grande parte do seu subsídio com pensões alimentícias”. O magistrado suscitado, então, invoca versos de Ivan Lins: “O amor tem feito coisas...”. O texto é de Carlos Alberto Bencke. (Aproveite para ver e escutar uma das performances do grande artista brasileiro).