Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 3 de julho de 2020.

Pode chegar a R$ 500 milhões a indenização por morte do cantor João Paulo



Google Imagens

Imagem da Matéria

Dezesseis anos após o acidente automobilístico que matou o cantor João Paulo, a Justiça de São Paulo condenou, na semana passada, a BMW a pagar reparação por dano moral e pensionamento para a mulher e a filha do artista. A vítima conduzia um carro da empresa alemã quando perdeu o controle e capotou na Rodovia dos Bandeirantes.

João Paulo formava dupla sertaneja com o cantor Daniel e morreu em pleno auge da carreira. A família acusou a BMW de falha: o pneu dianteiro direito do automóvel, modelo 328i teria estourado e feito o artista perder o controle, capotar e ter o veículo carbonizado.

A sentença foi proferida pelo juiz Rodrigo Cesar Fernandes Marinho, da 4.ª Vara Cível de São Paulo. Foi revertida a visão anterior do julgado que, em 2003, havia exonerado a BMW de responsabilidade civil no caso.

O julgado monocrático anterior fora desconstituído pelo TJ-SP para que a instrução seguisse com a realização de perícia técnica.

A nova sentença apontou a culpa da empresa e fixou a indenização por dano moral em R$ 150 mil para cada parte autora - mulher e filha - e pagamento de pensão de dois terços da renda média do cantor na época do acidente. Os valores terão correção monetária e juros legais.

Estudos técnicos foram conduzidos para verificar a possilidade. "Não há como se descartar a possibilidade de defeito atribuído à fabricação da roda, do pneu ou do sistema de roda/pneu (...) que constituiu a causa inicial do acidente" - afirma a sentença.

Mesmo com o julgado favorável, o advogado Edilberto Acacio da Silva, que representa a família do cantor, disse estar decepcionado com a demora na tramitação do processo. "Justiça que tarda não é Justiça. Compartilho dessa filosofia. A vitória não é saborosa nesse caso", disse. O advogado estima que o recurso de apelação possa levar cerca de três anos para ser apreciado no TJ-SP.

Para Edilberto, o valor a ser pago pela empresa à família poderá ser milionário. O advogado fez estimativas de que a pensão, retroativamente a setembro de 1997, poderá chegar a aproximadamente R$ 500 milhões, ante as estimativas de ganhos do cantor João Paulo no ano do acidente. A conta, no entanto, só será paga caso a condenação seja mantida pela Corte paulista. (Proc. nº 0103573-20.2002.8.26.0100).

A história da dupla

João Paulo (José Henrique dos Reis) e Daniel (José Daniel Camillo), nascidos em Brotas (SP) formaram uma dupla sertaneja brasileira. Começaram a carreira a partir de 1985, com o álbum "Amor Sempre Amor". Fizeram vários hits na carreira, como a canção "Estou Apaixonado", versão de "Estoy Enamorado", que foi o tema da novela "Explode Coração".

Os dois - até 1984 - eram rivais nas apresentações que faziam em festivais. Na época João Paulo fazia dupla com seu irmão, Chico, e usavam o nome José Nery e Nerinho, e também fazia dupla com Mineiro, e usavam o nome de Mineiro e Nerinho. Já Daniel cantava solo.

Mais tarde os dois se uniram, originalmente com o nome de José Nery e Daniel, e mais tarde como João Paulo & Daniel. Em 1985 lançaram seu álbum de estreia, chamado "Amor sempre Amor".

A dupla acabou em 12 de setembro de 1997, quando João Paulo morreu carbonizado vítima do acidente automobilístico. Daniel seguiu carreira solo.

Contraponto

Por meio de nota, a BMW do Brasil se manifestou insatisfeita. "A BMW do Brasil informa que não concorda com a decisão que será questionada por meio de de recurso de apelação junto ao Tribunal de Justiça de São Paulo".

A nota encerra afirmando que "como de costume, a BMW do Brasil compromete-se a tratar do assunto com transparência".


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Chuva forte não é força maior para exonerar shopping de indenizar

O STJ determina ao TJ de São Paulo que analise o caso decorrente de desabamento do teto que feriu uma consumidora. Julgado superior compara que “as chuvas são mais previsíveis do que um assalto dentro do estabelecimento, por exemplo”.

Um rato assustador na lanchonete

Responsabilidade objetiva. O STJ confirmou a condenação (R$ 40 mil) de uma empresa franqueada do McDonald´s por lesões sofridas por cliente que fraturou o tornozelo, ao tentar escapar do roedor que apareceu durante o almoço.