Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira ,14 de novembro de 2019.

O sonho de um juiz



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Leo Iolovitch (advogado, OAB-RS nº 6.667)

Só quem já jogou futebol sabe o que é o desejo de fazer um gol especial.

Sonhar com aquela bola que cai na frente do atacante, um metro além da pequena área, que se bate forte com o peito do pé, estufando as redes. É a glória. A realização.

Porém esse é um lance único, uma situação sonhada, que raríssimas vezes acontece na vida de um jogador.

Com o tempo, parei de jogar futebol, sem nunca ter conseguido uma bola dessas, para fazer o gol ideal. Mas, como ainda corria bem e conhecia os fundamentos, acabei aceitando o convite e fiz curso de arbitragem.

Comecei apitando jogos de amadores e quarta divisão, alguns até pelo interior. Era um ganho modesto, mas com alguma perspectiva de futuro. Como gosto de futebol, era uma forma diferente de seguir ligado nele. Com o tempo fui subindo na avaliação e passei a dirigir jogos mais importantes. Porém já não acreditava na possibilidade de ganhar mais e não via futuro na carreira.

Então fui escalado para um jogo da primeira divisão. Domingo de sol, estádio lotado, e eu lá dentro do campo. Estava ainda no primeiro tempo, quando corri para a área acompanhando uma jogada que vinha da lateral; o ala cruzou, o zagueiro tentou afastar, pegou na canela e subiu.

Caiu bem na minha frente, redonda, risonha, fresquinha e contente. Eu estava diante da goleira. Era a bola que eu sonhara durante toda minha vida. Agora eu era o árbitro, mas a bola era aquela.

Veio um turbilhão na minha cabeça. Não lembro o tempo que durou, fiquei meio ausente e surdo, não ouvia nada, era como se fosse um sonho.

Enquadrei o corpo e chutei com toda a força com o peito do pé. Ela entrou perto do ângulo e a rede afundou, acolhendo a bola como se ali fosse o seu lugar verdadeiro e definitivo.

Continuava sem escutar nada ao meu redor, não olhei para ninguém, apitei, corri para o meio do campo, indiquei o centro, validando o gol, e perdi os sentidos.

--------

leo@ebia.com.br

"Na Nuvem"

Leia outros textos do mesmo autor, seu livro virtual. Os contos têm fundo musical.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O juiz salvador

Uma piada da “rádio-corredor” da OAB nacional ironiza como, em algum lugar do universo, um magistrado teria salvo um notório político que estava se afogando numa praia deserta...

Charge de Gerson Kauer

Os direitos trabalhistas do anjo da guarda

 

Os direitos trabalhistas do anjo da guarda

O advogado tem, cedo na manhã de segunda-feira, uma consulta jurídica a atender. O cliente pretende o ingresso de uma ação trabalhista. O profissional da Advocacia escuta, anota e conclui que a solução está no atendimento por um psicólogo.

Charge de Gerson Kauer

Pesadelo jurisdicional

 

Pesadelo jurisdicional

Na madrugada, em meio a um sonho conturbado, a juíza é interpelada pela ´Jurisdição´ e admite: "a estagiariocracia é uma moderna técnica de gestão! Está dando tão certo que até estou conseguindo começar meus fins-de-semana nas quintas-feiras".