Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

"Salafrários" no STF?



Destaques da edição de ontem



Os ministros Marco Aurélio e Joaquim Barbosa tiveram nesta quarta-feira um confronto azedo -  talvez o mais agudo desse julgamento, embora curto (até agora).

Está em causa uma questão sobre a “continuidade delitiva”.

Marco Aurélio se mostra inconformado com os critérios adotados até agora.

Enquanto Marco Aurélio falava, Barbosa fez uma intervenção, inaudível para quem acompanhava pela tevê, e provocou a ira do interlocutor.

Seguiu-se o seguinte diálogo:

- Vossa Excelência cuide das palavras, quando eu estiver falando.

- Eu cuido muito bem do vernáculo, ministro!

- Não suponha que todos nesse tribunal sejam salafrários, ministro, e só Vossa Excelência seja uma vestal.

 
Outros detalhes
 
O momento mais duro do debate ocorreu quando Marco Aurélio dizia que havia várias formas de considerar a participação de um réu em um crime. Ele questionou parâmetros das penas aplicadas ao empresário Marcos Valério.

Barbosa replicou: "Temos também a ubiquidade delitiva", em referência ao fato de o empresário estar ligado a todos os crimes do mensalão.

Fora dos microfones, Barbosa fez um comentário que irritou Marco Aurélio. "Não sorria porque a coisa é séria, estamos no Supremo. O deboche não cabe aqui", disse.

Barbosa defendeu seu voto com a pena de Valério, que foi seguido pelos demais colegas. "Traduzi uma realidade que consta nos autos. Se um réu foi condenado a 40 anos, é porque se trata de réu que cometeu sete, oito, nove crimes graves, ministro."

"Mas temos o direito que é uma ciência"
, afirmou Marco Aurélio. "Não admito que Vossa Excelência suponha que todos sejam salafrários e Vossa Excelência seja vestal."

Barbosa também enfrentou o revisor quando divergiram sobre o uso da vida pregressa para a definição do tamanho da pena. "Vossa Excelência está transformando réu em anjo", disse Barbosa.

Irritado, Lewandowski reagiu. "Não crie frases de efeito."
 

E alfinetou: "Saia daqui do plenário, vá em frente às câmaras e dê declarações".
 
Cerca de uma hora mais tarde, no intervalo da sessão, Marco Aurélio fez novo comentário: "A beleza do colegiado é a diversidade. Não estamos aqui para ser vaquinhas de presépio do relator: ´falou o relator e dizemos amém, amém, amém´. A viagem Alemanha não fez bem a ele"!
 

A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O “jus sperniandi

Expressão de falso latinismo alude ao espernear de uma criança, inconformada com uma ordem de seus pais. E juiz gaúcho não manda tarjar palavras inconvenientes em petição porque , “no processo eletrônico é inviável riscar uma expressão dos autos”.

A importância da caneta

Ao cumprir diligência citatória, oficial de justiça deixa de colher a assinatura do réu porque “ninguém tinha caneta na hora”.

"In tontum"

Equívoco advocatício. Petição para que a ação seja julgada procedente"IN TONTUM"...