Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

Abusividade na rescisão unilateral de seguro de idosos



A 2ª Câmara de Direito Civil do TJ de Santa Catarina confirmou sentença da comarca de Blumenau e declarou a nulidade de cláusula abusiva em seguro de vida em grupo firmado pela Tokio Marine Brasil Seguradora S/A com grupos de segurados idosos. A contratação previa a rescisão contratual unilateral.
 
O Ministério Público de Santa Catarina ajuizou ação civil pública por considerar a rescisão arbitrária, com violação do princípio do equilíbrio contratual e a boa-fé objetiva.

Com a decisão, a empresa deverá dar oportunidade a seis ex-segurados especificados na ação para renovarem os contratos firmados. Tudo deverá ser feito nos valores anteriores, pela emissão de carnês para pagamento dos prêmios e com renovação contínua, até que o segurado solicite o cancelamento, ocorra evento que leve à indenização do segurado, ou se comprove alteração do pacto inicial.
 
Foi mantida também a multa diária de R$ 1 mil por descumprimento em cada caso particular.

Na apelação, a seguradora questionou a legitimidade do MP-SC para propor ação. No mérito, afirmou que os fatos que levaram às rescisões não foram apontados na sentença e que elas não foram feitas pelo avanço da idade de seus usuários. Garantiu que não tinha intenção de renovar os contratos com parâmetros  desfavoráveis aos clientes e que não tentou reajustar indevidamente os valores das contratações. Ao final, defendeu que "os contratos de seguros de residência e de vida que oferta, embora firmados na vigência do Código de 1916, submetem-se ao novo CC, podendo ser renovados uma única vez".

O esembargador substituto Gilberto Gomes de Oliveira, rejeitou a ilegitimidade do MP apontada pela seguradora e destacou que a pessoa lesada pode ajuizar ação individual, em litisconsórcio ou aguardar a tutela coletiva, em razão da relação jurídica-base comum.
 
Para o relator, exigir que cada consumidor ajuizasse ação individual iria afrontar os direitos fundamentais assegurados na Constituição. “Isso, porque, não admitida a ação civil pública em hipóteses tais, uma enxurrada de ações seriam propostas pelos consumidores das seguradoras e, por via adversa, o Judiciário, há muito sobrecarregado, afligiria ainda mais os jurisdicionados com a morosidade”, avaliou o acórdão.
 
A Tokio Marine está entre as dez maiores seguradoras do mercado brasileiro. Em 2011 seu faturamento no Brasil foi de R$ 1,6 billhões. O grupo japonês que a controla foi fundado em Tóquio, em 1879. Atualmente é uma das principais seguradoras do Japão, o segundo maior mercado segurador no mundo; está presente em 35 países; é um dos dez maiores conglomerados seguradores do mundo.
 
Em nome do MP-SC atua a promotora Kátia Rosana Pretti Armange. (Proc. nº 2008.014074-8 - com informações do TJ-SC e da redação do Espaço Vital).

A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Dez teses consolidadas pelo STJ sobre seguros de danos

É lícita a cláusula contratual que prevê a exclusão da cobertura securitária em situações em que o veículo sinistrado tenha sido conduzido por pessoa embriagada ou drogada. Conheça todos os dispositivos.

Indenização por aborto decorrente de acidente

Confirmação de sentença define que “ainda que não tenha ocorrido o nascimento com vida do feto é justificável a indenização, pois o sistema jurídico brasileiro garante proteção ao nascituro, com fundamento também no princípio da dignidade da pessoa humana”.

STJ derruba posição argentária da Unimed Porto Alegre

Provimento a recurso especial reverte acórdão da 6ª Câmara Cível do TJRS e restaura sentença que garantiu o não cancelamento de plano de saúde. “Beira ao absurdo o cancelamento de um contrato de seguro pela simples ocorrência de seu principal objeto, o sinistro”.