Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

Quatro historinhas rápidas de loiras, loiros, morenas e morenos que se alfinetam



Pérolas de operadores do Direito
Proteção
 
Na praia, uma loira está deitada com um bronzeado espetacular, a ponto de chamar a atenção.
 
Uma mulher interessada chega perto e pergunta:
 
- Por favor, qual o seu protetor?
 
- São Francisco de Assis!


.......................................
 
Pedaços
 
Em casa, a morena pede uma pizza pelo telefone. A atendente pergunta:
 
- A senhora quer que eu corte em quatro ou em oito pedaços?
 
E a bacharel:
 
- Em quatro, por favor! Eu jamais aguentaria comer oito pedaços.

.......................................

Vozes do além
 
O psiquiatra pergunta a um novo cliente, loiro, já grisalho, mas de cabelos forçosamente escurecidos artificialmente.
 
- Costuma escutar vozes sem saber quem está falando, ou de onde vêm?
 
- Sim... muitas vezes!
 
- E quando isso acontece?
 
- Quando atendo o telefone, porque no meu escritório eu não tenho identificador de chamadas.


.......................................

Caixa cheia
 
Cidadão das antigas, moreno, sem secretária nem estagiário, cabelos negros, acostumado com velhas máquinas de escrever, resolve aderir à Internet, mas tem dificuldades de entender sobre e-mails, outlook, software etc.
 
Certo dia recebe uma mensagem: "Sua caixa de correio está cheia".
 
Ele desce ao térreo, fala com o zelador, abre a caixa de correspondências do condomínio e não encontra nada. Volta, então, ao seu apê.
 
Desolado, liga ao técnico de informática e reclama:
 
-Ô, Jorge, aqui tudo errado! O meu computador estúpido não para de dizer que minha caixa de correio está cheia!

A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O “jus sperniandi

Expressão de falso latinismo alude ao espernear de uma criança, inconformada com uma ordem de seus pais. E juiz gaúcho não manda tarjar palavras inconvenientes em petição porque , “no processo eletrônico é inviável riscar uma expressão dos autos”.

A importância da caneta

Ao cumprir diligência citatória, oficial de justiça deixa de colher a assinatura do réu porque “ninguém tinha caneta na hora”.

"In tontum"

Equívoco advocatício. Petição para que a ação seja julgada procedente"IN TONTUM"...