Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de julho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 3).

O direito dos netos em pleitear a declaração de relação avoenga de pai morto



Visual Hunt

Imagem da Matéria

Os filhos de genitor que morreu podem pedir a investigação de paternidade do falecido, mesmo que ele não tenha pleiteado o mesmo enquanto estava vivo. Em conclusão, eles têm legitimidade para ajuizar ação declaratória de relação avoenga, ainda que o pai tenha sido registrado por outra pessoa.

A decisão é da 3ª Turma do STJ, ao manter acórdão do TJRS que reconheceu a legitimidade processual ativa de netos que, após o falecimento do pai, ajuizaram ação para que fosse reconhecida a relação com o suposto avô. O julgado aplicou os mesmos fundamentos de precedente da 2ª Seção do próprio STJ, que estabeleceu que “os netos possuem direito próprio e personalíssimo de pleitear a declaração de relação avoenga”.

Para a ministra Nancy Andrighi, relatora, "se o direito dos filhos ao reconhecimento de sua origem biológica não é obstado pela existência de eventual paternidade registral ou socioafetiva, não há razão para se tolher o direito dos netos ao reconhecimento da relação avoenga".

O voto também considerou que caso prevalecesse o entendimento de que seria necessário o interesse do genitor em exercer o direito de buscar a sua paternidade biológica - para que só depois os seus filhos pudessem ter reconhecida a relação avoenga - seriam criadas, de maneira artificial e injusta, categorias de netos de primeira e de segunda classe. "Aos primeiros, seria deferido o direito à investigação da ancestralidade biológica; aos segundos, seria imposta verdadeira limitação ao setor nuclear de suas esferas jurídicas, sede dos direitos da personalidade" – finalizou. (Processo em segredo de justiça – com informações da assessoria de imprensa do Superior Tribunal de Justiça.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

O sexo das pessoas não se presta como fator de desigualação jurídica

Conheça a íntegra do voto divergente, que está prevalecendo (5x3) no caso de Sergipe. Na hipótese dos autos, o recorrente alega ter mantido união estável concomitante com o ´de cujus´. Ou seja, paralela à união estável mantida entre o instituidor e a companheira já reconhecida, haveria uma segunda união estável, homoafetiva.