Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 18 de junho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 22).

A crise cibernética e a paralisação da Corte Estadual Gaúcha



O Espaço Vital solicitou ontem (6) às 7h da manhã - às pessoas do desembargador Antonio Vinicius Amaro da Silveira (presidente do Conselho de Comunicação Social do TJRS) e da jornalista Adriana Arend (coordenadora de comunicação social da corte) - esclarecimentos sobre a crise cibernética que há uma semana paralisa a corte gaúcha.

Veio pronta resposta de que a demanda seria respondida durante a tarde, no horário solicitado. Assim ocorreu. 

EV - Realmente são 3,2 milhões de processos físicos ainda a digitalizar? A empresa que fora contratada para a digitalização faliu? Caso confirmado, qual o nome da empresa e quais os dados disponíveis? Houve prejuízo financeiro aos cofres públicos?

Resposta - O Tribunal de Justiça do RS possui, no total, cerca de 3,1 milhões de processos em tramitação. Os dados estão de acordo com a metodologia da Resolução nº 76/2009 CNJ e constam no relatório anual de 2020. Desse valor, aproximadamente 64% são processos físicos e os demais (36%) eletrônicos. Quanto aos processos físicos, cerca de 200 mil foram digitalizados até o momento; o restante se encontra em processo de digitalização. Em relação à empresa anterior (MXA Solutions), o TJRS optou por efetuar rescisão unilateral do contrato, pois os serviços não estavam sendo prestados de forma satisfatória. Não houve prejuízo aos cofres públicos.

E nova licitação está sendo finalizada. Tão logo concluída, possibilitará acelerar a virtualização do acervo. Durante esse período, o TJ montou força-tarefa própria para garantir a continuidade dos procedimentos de digitalização.

EV – O sistema do tribunal continua sendo invadido?

Resposta - Com relação à recente invasão, não há no momento registro de comportamento adverso e a fase é de restauração dos sistemas. Entretanto, o TJRS está vigilante diante de novas ameaças cibernéticas – que, diga-se, são constantes. O  processo de segurança é frequentemente atualizado, seguindo os padrões mundiais mais modernos. E todas as medidas consideradas importantes para aprimorar a segurança são e serão efetivadas.

EV - Houve pedido de “resgate” de US$ 5 milhões? Caso tenha havido, como está a evolução? Caso o “resgate” venha a ser pago, quem será o ordenador da despesa

Resposta - Não houve pedido de resgate.

EV - O que a equipe técnica do TJRS tem feito para tentar contornar o impasse está sendo, gradativamente, derrubado pelos invasores, em novos ataques?

Resposta - Entre as principais providências, o TJRS está ampliando as medidas que já existiam, através de novas ferramentas e novos sistemas e procedimentos.

EV - O e-proc vem funcionando com oscilações e sem efetiva continuidade?

Resposta - Sim, o eproc está funcionando, podendo haver alguma eventual instabilidade temporária. A equipe técnica está trabalhando para efetivar algumas integrações que estão pendentes entre os sistemas.

EV - Há algum marco temporal definido – ou, pelo menos, provável – para a normalização dos serviços?

Resposta - Gradualmente estão sendo retomados os sistemas e serviços, que podem ser acessados pelo site do TJRS. Ainda não se pode definir um marco para a normalização completa dos serviços.

As restantes perguntas e respostas constituem parte da inserção de hoje da coluna 1 2 3 Já! – Clique aqui para acessar.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas