Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terça-feira, 11 de maio de 2021.
(Próxima edição: sexta-feira, 14).
https://www.espacovital.com.br/images/sala_audiencias.jpg

A “cara de paisagem” dos juízes e as saias curtas das juízas



Roberto Casmirri/Getty Images

Imagem da Matéria

Tem sido cada vez mais difícil aos advogados serem recebidos pelos juízes e desembargadores. Isso é uma postura de extrema arrogância. Pior ainda são aqueles que recebem e enquanto são destacados aspectos relevantes – ao menos para o advogado – fazem “cara de paisagem”.

Outros, revelando temor de um eventual assédio, chamam um funcionário para acompanharem o encontro.

Não faz muito, quando retornei à advocacia, necessitava conversar com uma magistrada, pois estava diante da necessidade de uma medida de urgência. Liguei para a diretora de secretaria, expus a necessidade e recebi a resposta: “A doutora não recebe advogados”.

Diante da surpresa, pois tratava-se de uma magistrada nova - tanto na idade, como na carreira -   ironizei: “Ela que está certa, o errado fui eu que durante 22 anos jamais deixei de receber advogados, peritos, servidores e, inclusive, partes.

Fiquei sem falar com a excelentíssima que, com certeza desconhecia a natureza pública da sua atividade.

Em boas épocas passadas havia mais respeito entre os chamados operadores do direito ou, talvez, mais segurança para a interação.

Lá pelo final da década de 90, uma bela e elegante magistrada negou-se a receber um advogado. Ele baseado no dispositivo legal que não permite barreiras ou cancelas para os advogados, ingressou no gabinete da magistrada, sentou e avisou: “Só saio daqui quando a senhora falar comigo”.

Ela levantou-se da sua mesa e saiu do gabinete quase correndo. Foi procurar o seu colega que presidia a Amatra-4, um juiz muito ponderado que, para não confrontar, sempre interpretava estranhamente os fatos.

Ao encontrar o representante da advocacia para auxiliá-lo na solução do impasse noticiou: “Doutor, as colegas usam minissaia e aí os advogados não querem sair dos seus gabinetes”.

O reducionismo aplicado ao problema foi exagerado, embora tenha servido para aplacar os ânimos. Entretanto, o atual afastamento social e a realização dos atos judiciais à distância, têm servido para consolidar a inaceitável ideia de uma atividade jurisdicional encastelada e distante, inclusive dos advogados, ou seja, das partes.

A minissaia saiu de moda. Mas a torre de marfim onde alguns magistrados se escondem, ainda não...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Imagem: Youtube

Com o buraquinho era mais caro...

 

Com o buraquinho era mais caro...

Numa ação trabalhista, uma das testemunhas é o segurança. Ele passa a discorrer sobre os valores cobrados pelo uso dos quartos do motel de acomodações bastante singelas. Mas tinha um dos aposentos que era o preferido...

Imagem Pinterest.JP

A necessidade acima de tudo

 

A necessidade acima de tudo

O alerta feito por advogado, à juíza, em plena audiência: “Doutora, se eu não puder sair terei que fazer aqui o que costumo fazer lá fora.  E em consequência, todos os demais é que deixarão a sala”.

Arte EV sobre imagem Camera Press

O juiz hipocondríaco

 

O juiz hipocondríaco

Operação Maldonado. A testemunha chave foi cirúrgica no depoimento: “O meu comparecimento está sendo um enorme sacrifício, pois sou portador do vírus da aids”. Ao escutar isso, o magistrado tratou de abreviar sua atuação. Retirou-se da sala de audiências, e não retornou.

Recordtv/R7

Oh, Terezinha! Oh, Terezinha !...

 

Oh, Terezinha! Oh, Terezinha !...

"As teses de Fachin e Gilmar... Ao povo - que pouco compreende o misterioso sistema judiciário e seus atores - restam indeléveis a desconfiança e o descrédito. Lembrei-me, ao acaso, do Cassino do Chacrinha, com o bacalhau sendo jogado para a assistência e as chacretes em dança frenética"...