Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital

Decisão da Justiça Federal reduz o valor da anuidade da OAB para R$ 500



Imagem da Matéria

Decisão da 7ª Turma Recursal do TRF da 2ª Região (Rio de Janeiro/Espírito Santo) - ainda sem trânsito em julgado, e que aguarda o julgamento de embargos de declaração opostos ao acórdão - assegurou ao advogado Diego Diniz Nicoll (OAB/RJ nº 171.663, com escritório em Niterói/RJ, atuando em causa própria) que a seccional carioca da OAB limite a R$ 500,00 anuais o valor da anuidade profissional.

A mesma decisão condenou a instituição à restituição dos valores anteriores cobrados a maior - observada a prescrição quinquenal (ou seja, desde o exercício de 2015) - acrescidos de correção monetária, a contar do julgado (Súmula 362 do STJ e juros de mora, a contar do fato danoso - recolhimento a maior (Súmula 54 do STJ - ambos pela taxa SELIC, incidente uma única vez.
A decisão judicial não autoriza o pagamento reduzido da anuidade enquanto não houver o trânsito em julgado. Mas ressalva que se ela se tornar definitiva, a OAB do Rio deverá fazer a devolução - com correção monetária e juros - do que cobrou a mais.

Improcedência em primeiro grau

O juízo de origem havia julgado improcedente o pedido, sob o fundamento de que “os Conselhos de Fiscalização Profissional são autarquias federais criadas por lei, cuja manutenção se dá, essencialmente, mediante a arrecadação das anuidades, que possuem natureza tributária (contribuições de interesse de categorias profissionais), de competência da União Federal, previstas no art. 149 da Constituição da República.

Conforme o julgado monocrático, “as anuidades cobradas pela OAB não se submetem aos limites impostos pela Constituição Federal, no que tange ao poder de tributar”.
A sentença também considerou que o Estatuto da Advocacia (Lei nº 8.906/1994), em seu artigo 58, inciso IX, permite aos conselhos seccionais da OAB, alterar e receber contribuições obrigatórias, preços de serviços e multas, uma vez que, dotados de personalidade jurídica própria, têm a competência para fixar o valor e a forma de pagamento das anuidades".

O recurso interposto pelo advogado Nicoll reiterou a pretensão de aplicação da Lei nº 12.514/11 à Ordem dos Advogados, “de forma que a anuidade não deve ultrapassar o limite de R$ 500”.

Na análise do recurso, a juíza federal relatora Caroline Medeiros e Silva, da 7ª Turma Recursal, reconheceu a pertinenência da tese central da ação: “A lei que se pretende aplicar (nº 12.514/11) não fez qualquer exceção à OAB como o havia feito a Lei nº 9.649/98, pelo que se aplica a todos os conselhos profissionais, inclusive a ela”.

Comparativo publicado em dezembro de 2020 pelo portal Migalhas - e repercutido pelo Espaço Vital - revelou que, mesmo sem a majoração dos valores no ano passado (2019), a anuidade a ser cobrada pelas OABs do RS, Goiás e Santa Catarina este ano serão as mais altas do Brasil (aproximadamente R$ 1.000); em contrapartida o Distrito Federal tabelou a anuidade mais baixa: R$ 800. Também reduzidos são os valores de Alagoas (R$ 810) e Amapá (R$ 830).

O que um caso gaúcho tem a ver com isto

A magistrada relatora que proveu o recurso para julgar procedente a ação do advogado fluminense também fez remissão ao julgado do STF (de 2020) em que a equiparação da OAB aos conselhos profissionais restou clara a partir de um caso suscitado contra a Ordem gaúcha: "É inconstitucional a suspensão realizada por conselho de fiscalização profissional do exercício laboral de seus inscritos por inadimplência de anuidades, pois a medida consiste em sanção política em matéria tributária”.

O caso em tela - originário de uma divergência entre um advogado gaúcho e a Seccional da OAB-RS foi julgado pelo STF em abril de 2020; foi relator o ministro Edson Fachin (RE nº 647.885). A decisão foi divulgada com primazia nacional pelo Espaço Vital, no domingo 26 de abril de 2020, sendo veiculada com novos detalhes na edição de terça-feira 28 de abril do mesmo ano.

Os ministros do Supremo, por maioria - na sessão virtual de 24 de abril - declararam a inconstitucionalidade de dois dispositivos do Estatuto da Advocacia. O caso decidido era oriundo do RS e se formou a partir da reação de um advogado de Cruz Alta/RS (Erni Winck Pereira, OAB-RS nº 31.503) que, em 2 de março de 2004, viu-se suspenso - pela Ordem gaúcha - do exercício profissional por estar inadimplente com anuidades.

Para o ingresso no Judiciário, o advogado suspenso Erni se valeu dos préstimos de seu colega Gilson Sergio Martins Viegas (OAB-RS nº 37.807). A ação tramitou a partir de 23 de março de 2004 na Justiça Federal de Santo Ângelo. O autor ganhou em primeiro grau, mas perdeu no TRF-4, que proveu recurso da entidade.

O Ministério Público Federal levou o caso adiante. Alguns recursos e muita demora depois, o STF definiu - com repercussão geral que atinge todos os conselhos que regulam atividades profissionais - que “é inconstitucional a suspensão do exercício laboral dos inscritos por inadimplência de anuidades, pois a medida consiste em sanção política em matéria tributária”.

O relator foi o ministro Edson Fachin, acompanhado por nove colegas. O ministro Marco Aurélio votou vencido e o resultado final foi de 10 x 1. (RE nº 647.885). Entrementes, o advogado Erni há muito regularizou sua situação com a entidade e atua regularmente.

Clique aqui para recordar a publicação do Espaço Vital

O caso carioca

A juíza relatora da 7ª Turma do TRF da 2ª Região - no julgado que limita a R$ 500 o valor da anuidade a ser cobrada do autor da ação - concluiu que “tendo em vista que a OAB é um conselho de classe, apesar de possuir natureza jurídica especialíssima, deve se submeter ao disposto no art. 8º da Lei 12.514/2011, que rege a execução de dívida oriunda de anuidade inferior a quatro vezes o valor cobrado anualmente da pessoa física ou jurídica inadimplente”.

O artigo em tela assim dispõe: “Art. 8º - Os Conselhos não executarão judicialmente dívidas referentes a anuidades inferiores a 4 (quatro) vezes o valor cobrado anualmente da pessoa física ou jurídica inadimplente. Parágrafo único. O disposto no caput não limitará a realização de medidas administrativas de cobrança, a aplicação de sanções por violação da ética ou a suspensão do exercício profissional”.

A decisão proferida pelo 7ª Turma Recursal do TRF da 2ª Região não gera efeitos nacionais em relação à advocacia brasileira, nem “erga omnes”. Esta é uma expressão em latim que significa "contra todos", "frente a todos" ou "relativamente a todos". Costuma ser usada no âmbito jurídico para se referir a uma lei ou norma que vale para todos os indivíduos (efeito vinculante). O efeito “erga omnes” está previsto no artigo 102, §2º, da Constituição Federal Brasileira.

O julgado que - em favor da redução da anuidade para R$ 500 favorece apenas um advogado. Mas poderá abrir frente para ações semelhantes.

Outros detalhes

  • Em 24 de novembro - já proferida a decisão de segundo grau que julgou a ação procedente - o advogado autor informou que, um dia antes, recebera o boleto para o pagamento da anuidade de 2021. Por isso pediu os efeitos imediatos do julgado, com a obrigação de pagar apenas R$ 500 anuais. A pretensão foi indeferida, por não ter sido objeto de nenhum período específico durante a tramitação em primeiro grau, e nem mesmo quando interposto o recurso.
  • Na mesma petição, o advogado autor da ação também requereu que o processo passasse, doravante, a tramitar em segredo de justiça. A relatora indeferiu, por não vislumbrar nenhuma das hipóteses de sigilo processual previstas na legislação.
  • A magistrada também já designou data para o julgamento dos embargos de declaração interpostos pela OAB-RJ: será no dia 27 de janeiro, às 14 horas, em sessão presencial da 7ª Turma Recursal, por videoconferência. (Proc. nº 5000692-38.2020.4.02.5102/RJ).

Leia, nesta mesma edição extra do Espaço Vital, a íntegra do julgado do TRF da 2ª Região (RJ/ES)


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Decisão da Justiça Federal reduz o valor da anuidade da OAB para R$ 500

Defiro o pedido de gratuidade de justiça, tendo em vista os documentos juntados no evento 1, com fundamento no Enunciado nº 119 das Turmas Recursais do Estado do Rio de Janeiro: ENUNCIADO 119 - “O pedido de gratuidade de justiça pode ser analisado pela Turma Recursal quando do conhecimento de recurso interposto sem preparo, desde que esteja acompanhado de declaração de hipossuficiência
nos termos do art. 2º da Lei 1.060/50.” (Aprovado na Sessão Conjunta de 03/12/2013. Publicado no DJ-e de 18/12/2013, pg 1.363).
Assim, presentes os pressupostos recursais, conheço do recurso interposto.
Cuida-se de ação por meio da qual a parte autora pretende que seja limitado o valor da anuidade cobrada pela parte ré (OAB). O juízo de origem julgou improcedente o pedido. Em sede recursal a parte autora pretende a reforma da sentença, para que resulte procedente o pedido deduzido na exordial.
É o relatório. Decido.

Decisões teratológicas e outros quejandos

Advogado gaúcho Luiz Augusto Beck da Silva lança o livro "Decisões Teratológicas, Erros Crassos, Equívocos e Mazelas". A obra registra erros crassos, equívocos e mazelas. E elogia 44 magistrados do RS.