Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 02 de junho de 2020.

O dever de renegociação por desequilíbrio contratual



Imagem Camera Press

Imagem da Matéria

Por Rodrigo Ribeiro Sirangelo, advogado (OAB-RS nº 41.667) e juiz leigo no Poder Judiciário do RS.
Sirangelo@benckesirangelo.com.br

Nos contratos em geral, além dos deveres principais relacionados com o objeto central da contratação, há obrigações acessórias, complementares, como garantias e penalidades - e que dependem das obrigações principais.

Ao lado dessas obrigações, existem também os chamados deveres anexos derivados da cláusula geral da boa-fé insculpida no artigo 422 do Código Civil. Ali se insere o dever de renegociar, e de buscar o reequilíbrio do negócio jurídico de natureza cativa, de longo prazo, de execução continuada quando, em razão de fatos supervenientes, as circunstâncias que serviram de base à contratação tenham se alterado substancialmente, inviabilizando o cumprimento regular.

Mitiga-se, reduz-se a força obrigatória do contrato para que o negócio jurídico não se resolva, não acabe e continue cumprindo a sua finalidade do modo mais substancial possível.

Nessa perspectiva, neste momento de crise obrigacional por conta da pandemia, uma vez modificadas as bases de um determinado contrato pela situação superveniente e imprevisível - pelas consequências concretas experimentadas pelo devedor em decorrência do isolamento social determinado por autoridades governamentais e seu efetivo impacto na (in)capacidade de cumprir a sua obrigação - é de rigor que as partes busquem e ajam no sentido de encontrar o reequilíbrio do negócio.

Ao devedor cabe procurar o credor, apresentando uma proposta de renegociação do valor e/ou da forma de cumprimento, instando o segundo a exercer o seu dever de renegociar, enquanto o credor deve estar aberto às conversações, e disponível para verificar o estado das coisas em comparação com a época da contratação. Constatada a presença dos elementos citados (fato superveniente, extraordinário, imprevisível, desequilíbrio, onerosidade excessiva), deve renegociar.

A relutância de uma das partes, notadamente do credor, em aferir, em conferir e, sendo o caso, em confirmar a presença dos elementos necessários ao reequilíbrio contratual, à renegociação de uma determinada obrigação visando à manutenção do negócio, pode vir a consistir em abuso de direito e, como tal, em responsabilidade pelo inadimplemento da prestação.

Quer dizer, a recusa expressa, o silêncio ou, mesmo, a demora excessiva do credor em agir pode ensejar não apenas a judicialização do contrato pelo devedor, mas também a própria revisão judicial do negócio. Então o Estado-Juiz agirá, visando preservar o pacto do modo mais equilibrado possível, imputando ao credor a mora e a responsabilidade por descumprir a obrigação de renegociar.

Isto é, o inadimplemento do dever de renegociar, pelo credor, verificadas as circunstâncias para tanto, remete a questão ao Poder Judiciário. Este, cogentemente, determinará ao credor que renegocie ou, em última análise, com olhos na preservação do negócio e no seu cumprimento do modo mais substancial possível, estabelecerá o resultado prático pretendido pelo devedor mediante a modificação da prestação de modo equitativo e equilibrado, com o afastamento da onerosidade excessiva.

Por fim, se os elementos concretos não viabilizarem sequer a preservação do negócio, restará então a resolução do contrato. Neste caso, se tiver havido abuso de direito do credor diante da sua recusa em se apresentar para uma solução renegociada, poderá haver a sua responsabilidade pela frustração definitiva do negócio, imputando-se a ele eventuais multa e/ou perdas e danos.

Em conclusão, é dever de ambos os contratantes se oferecer, estar disposto à renegociação das obrigações que, diante dos efeitos da pandemia, não mais puderam ser cumpridas conforme originalmente contratadas. Destaca-se, em caso de recusa do credor, a possibilidade da sua própria responsabilização, por abuso de direito, não apenas quanto à revisão ou resolução do contrato, mas também por eventuais danos experimentados pelo devedor a partir da relutância abusiva de seu “parceiro” contratual.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Tutela judicial debilitada e crise do Estado Social

“O atual conflito entre o Poder Executivo e o Poder Judiciário, com a ausência alarmante do Congresso Nacional, não é um conflito clássico entre poderes. E aponta a emergência da ordem arbitrária  e discricionária oculta, mas presente na gênese absolutista do Estado Moderno”. Artigo de Tarso Genro, advogado e ex-governador do RS.

Reprodução do YouTube

Mundo pós-pandemia e a indenização

 

Mundo pós-pandemia e a indenização

A professora emérita Sandra Szurek (foto), da Universidade Nanterre (França), escreveu - em artigo publicado num dos mais importantes jornais do mundo, o Le Monde - que "é legítimo colocar a questão da responsabilidade legal da China". Artigo de Eduardo Barbosa, advogado e conselheiro seccional da OAB-RS.

Imagem Youtube

O Processo do Trabalho também vítima da Covid-19

 

O Processo do Trabalho também vítima da Covid-19

“Na angústia de atingir as metas que lhes são impostas, as varas e os tribunais implementam, cada um a seu gosto, diferentes regulamentações. E é nesse contexto, na ausência do ponteiro da tropa, que a boiada passa, atropela e acaba se perdendo”. Artigo do advogado Jonatan Teixeira (OAB-RS nº 69.752).

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.