Ir para o conteúdo principal

Nossa próxima edição será postada na terça-feira 1º de fevereiro de 2022

Depois da pandemia, os ricos ficarão mais ricos. Os poderosos, mais fortes



Arte EV - Imagens Camera Press

Imagem da Matéria

Por Daniel Aarão Reis, historiador brasileiro e professor titular de História Contemporânea na Universidade Federal Fluminense
daniel.aaraoreis@gmail.com

Há opiniões positivas: Michel Maffesoli, sociólogo, fala do reencantamento do mundo. Artistas anunciam dias melhores. Mais preocupação com a saúde, a ecologia, a organização das cidades. E também reconhecimento do papel do Estado na regulação dos mercados e, sobretudo, na organização dos serviços públicos essenciais — saúde, educação e segurança, em contraste com a degradação progressiva, evidenciada no combate ao maldito vírus, mesmo em sociedades opulentas, como os EUA.

Pesquisa realizada na França aponta para a expectativa de um mundo mais solidário, sóbrio, democrático, preocupado com o meio ambiente. São perspectivas construtivas, animadoras, viáveis. Em tese. Se forem enfrentadas e neutralizadas outras tendências, ameaçadoras.

Uma delas é o assustador crescimento da concentração da renda e das desigualdades sociais. Como demonstrou Thomas Piketty, um processo de décadas. Aprofundado com a crise de 2008. Ganha velocidade no curso da pandemia atual e, se as coisas continuarem assim, a situação pode piorar. Stéphane Lauer, em recente artigo, apontou para uma economia em crise face a sólidos mercados financeiros. Milhões de desempregados, dezenas de milhares de mortos, parentes, amigos e entes queridos angustiados e enlutados, empresas em dificuldades, à beira da falência.

Entretanto, as bolsas de valores vão bem, obrigado. O índice Dow Jones está 25% superior ao que era há alguns anos. Os lucros das grandes empresas suscitam euforia. A especulação com títulos e moedas corre livre e sem freios.

É razoável? Não, não é razoável.

Enquanto pesquisadores tentam encontrar uma vacina, os bancos e os investidores já têm a sua, graças à intervenção dos principais bancos centrais. A receita formulada para combater a crise de 2008 é adotada mais uma vez. Produzirá os mesmos resultados: os ricos ficarão mais ricos. Os poderosos, mais fortes.

Thomas Philippon, da New York University, registrou que apenas cinco empresas — Google, Apple, Facebook, Amazon e Microsoft — detinham, em 2019, 20% da riqueza acumulada pelas maiores 500 empresas norte-americanas. São elas as que mais crescem no curso da pandemia.

Ao mesmo tempo, multiplicam-se as ameaças às liberdades e à democracia. Na China e em outros países, aperfeiçoam-se softwares, disseminam-se câmeras para monitorar cidadãos através do reconhecimento facial. Adverte Noah Harari: “tecnologias imaturas e perigosas estão sendo utilizadas”. Os governos ampliam poderes “especiais” de controlar, investigar, perseguir, multar e pôr na cadeia. Operadoras telefônicas informam sobre a circulação e compartilham dados de geolocalização. Cidadãos são estimulados a delatar comportamentos “impróprios”.

Houve lugares em que se cogitou autorizar a polícia a entrar em domicílios privados, sem autorização judicial, para saber se os residentes estariam contaminados. Aconteceu na idílica Dinamarca, mas a “medida” não chegou a ser autorizada.

Nestes horizontes sombrios, contudo, há luzes piscando.

Na Holanda, 170 intelectuais assinaram um manifesto propondo caminhos a serem considerados no futuro imediato: questionar a economia obcecada com o crescimento do PIB, selecionar o que deve ou não crescer, segundo as necessidades das pessoas; redistribuir a riqueza; transformar a agricultura, valorizando a biodiversidade e a produção local; reduzir o consumo e as viagens; congelar as dívidas de trabalhadores, pequenos empresários e países mais pobres.

O italiano Franco Berardi, o Bifo, propõe meditar sobre uma sociedade livre da compulsão da acumulação e do crescimento econômico: “precisamos de comida, afeto e prazer, ternura, solidariedade e frugalidade”. Revalorizar o útil, o valor de uso em contraposição à abstração do valor de troca imposto pela dinâmica de um sistema capitalista predador.

Para depois da pandemia, à espera das que virão, Bifo e os holandeses sugerem sendas. Não será fácil tomá-las. Se tomadas, porém, mais do que salvar vidas, poderão tornar a vida melhor.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Reprodução/ FUJI_Q

O Grêmio e seus apadrinhamentos

 

O Grêmio e seus apadrinhamentos

“A queda do imortal tricolor tem, como um de seus componentes, uma montanha russa administrativa e futebolística. Nela, processos diretivos e organizacionais não respeitam as mínimas regras das boas práticas e nem o limite legal”. Artigo de José Horácio Gattiboni, torcedor gremista e advogado.

Charge de EVANDRO LUIZ DA ROCHA - Obra vencedora do Grande Prêmio do Salão de Humor de Piracicaba 2019

O processo eletrônico... que daria a sonhada celeridade processual!

 

O processo eletrônico... que daria a sonhada celeridade processual!

“A verdadeira prestação jurisdicional trabalhista deve ser baseada no contato direto entre o trabalhador e seu empregador. Com ela, o princípio conciliatório, a verdade real, e a pacificação dos conflitos sociais através do entendimento humano”. Artigo de Felipe Carmona, advogado e presidente da AGETRA.

Arte EV

Justiça 100% virtual...

 

Justiça 100% virtual...

“A Justiça do Trabalho está em sofrimento pela dificuldade estrutural de compreender trabalhadora(e)s como seres dotados de dignidade e titulares de cidadania”. Artigo de Valdete Souto Severo, juíza do Trabalho em Porto Alegre.

Juliano Verardi / TJRS

Agradando, ou não, a lei é a lei. E deve ser cumprida!

 

Agradando, ou não, a lei é a lei. E deve ser cumprida!

“Como o montante de cada uma das penas impostas aos réus do Caso Kiss supera o patamar de 15 anos - uma vez que fixadas entre 18 anos e 22 anos e 6 meses de reclusão - a decisão do presidente do STF está consoante com a lei, nos termos do artigo 492, alínea “e” do Código de Processo Penal”. Artigo do advogado Amadeu de Almeida Weinmann.

TJ-RS

A condenação que a humanidade exigia

 

A condenação que a humanidade exigia

“Boate Kiss. Tudo fazia parecer, aos menos entendidos, que o processo - como tantos outros - se quedaria nas calendas gregas do esquecimento. Realce à presença de um juiz ativo e corajoso na presidência do julgamento. As penas somaram 78 anos. Artigo do advogado Amadeu de Almeida Weinmann.