Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019

A vovó CLT, o novo CPC e a conciliação



Imagens: Adobe Stock e Freepik - Edição/montagem: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Daniel Von Hohendorff, advogado (OAB-RS nº 32.150).

ceodvh@gmail.com

 

As normas jurídicas devem ser efetivas, por isto ELAS treinam na academia do suporte fático, sob a orientação do instrutor Pontes de Miranda. Assim conseguem ter um preparo para encarar o dia a dia e as dificuldades do mundo jurídico. Neste contexto temos um pré-adolescente, o novo CPC (afinal, entre a tramitação e a sanção passaram-se vários anos).

Várias normas treinam. O antigo CPC, de 1973, que pertence à geração ´sexo drogas e rock´n roll ´, está bem detonado e faz um treinamento físico mais leve.

O Código Civil, de 1916, frequentava a academia, mas morreu recentemente, de esclerose.

Também temos a vovó sarada, a CLT, que tem mais de 70 anos e faz musculação, reposição hormonal, submeteu-se a várias cirurgias plásticas e causa inveja em muitas meninas.

Após os treinos, todos vão tomar um suco, ou uma vitamina, no bar da academia, o ´Data Venia´. Sentados à mesa, começam a conversar a vovó e o novo CPC. Este pondera que veio ao mundo jurídico com novidades, a fim de melhorar o Direito Processual Civil, pois, como se viu acima, o velho CPC sofre das influências do ´sexo, drogas e rock’n roll´.

O novo CPC dirige-se à CLT: “Vovó, sua estrutura de processo e a visão do direito processual são arcaicas, não servem mais. Imagina, você não tem liminares nem recursos extraordinários. Mas nós temos a solução para tudo. Antes de julgarmos podemos fazer uma audiência de conciliação – assim nossos problemas acabaram”.

Neste momento passa o seu ´Creison, do Casseta e Planeta, e' - no seu jeito de falar - corrige o novo CPC: “É seus problemas se acabaram-se, viu?..."

Ruborizado, o novo CPC dá um sorriso amarelo e pergunta: “Aí vovó, o que tem para falar?”

A vovó diz: “Meu filho, nasci em 1940, acompanhei o seu avô, o Código de 1939, o seu pai, o Código de 1973 e as suas irmãs. As alterações são quase 15, se não me engano. Tudo bem que seu pai teve tantos filhos, vocês moravam perto da linha do trem?”

O novo CPC responde: “Somos uma família numerosa face as características do processo civil, sempre mudando”.

Nisto a vovó coloca: “Olha, fiz algumas plásticas, faço reposição hormonal, minha eficiência na academia é superior à sua e à de seu pai e não sofri muitas alterações. Até porque meu direito processual é na base do precedente, que vocês agora estão adotando, mas tudo bem, deixa pra lá. E quanto à tal da conciliação, é um exercício bem legal, faço desde 1940, dá bons resultados, continue assim”.

O novo CPC agradece e sai, rumo ao aparelho de conciliação para se exercitar, mas antes pergunta: “Vovó, quais as melhores técnicas para fazer o exercício?”

A vovó explica suas técnicas, tomando sua vitamina. Depois sai para o mundo jurídico, sem antes ganhar um elogio do instrutor Pontes de Miranda.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Não há como definir raça negra de modo objetivo

“Mais exequível para facilitar o ingresso nas universidades públicas de modo justo seria ter critérios de baixa renda familiar”.
Artigo de Roberto Lent, professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Minhas decepções com a OAB de São Paulo!

Em artigo, a advogada Adriana Cristina Silveira Kuwana diz do orgulho que tem por sua profissão. Mas critica os dirigentes (“generais”) que ficam longe das batalhas por prerrogativas, e o poder que a Ordem paulista está dando a tesoureiros, estagiárias e recepcionistas.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

 

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

“Um julgado do TJRS, confirmado pelo STJ, sintetiza a via crucis de quem acreditou nas promessas de uma assessoria tributária: 1) A empresa devia ICMS; 2) Comprou precatórios para pagar o débito; 3) Não conseguiu quitar; 4) Foi inscrita na Serasa; 5) Sofreu penhoras e sequestros bancários; 6) Voltou a pagar o ICMS devido; 7) Ao final, ficou com os títulos de precatórios literalmente na mão!”. Artigo do advogado Telmo Ricardo Schorr (OAB-RS nº 32158).

CHARGISTA DUKE – TRIBUNA DA INTERNET

   O Big Toffoli

 

O Big Toffoli

“No mundo, a Justiça se move na tentativa de preservar a privacidade das pessoas. Aqui no Brasil é diferente. A democracia tropical, com a sua incessante troca de favores, está parindo um monstro”. Artigo de Fernando Gabeira, publicado por O Globo, em 18.11.2019.