Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

A vovó CLT, o novo CPC e a conciliação



Imagens: Adobe Stock e Freepik - Edição/montagem: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Daniel Von Hohendorff, advogado (OAB-RS nº 32.150).

ceodvh@gmail.com

 

As normas jurídicas devem ser efetivas, por isto ELAS treinam na academia do suporte fático, sob a orientação do instrutor Pontes de Miranda. Assim conseguem ter um preparo para encarar o dia a dia e as dificuldades do mundo jurídico. Neste contexto temos um pré-adolescente, o novo CPC (afinal, entre a tramitação e a sanção passaram-se vários anos).

Várias normas treinam. O antigo CPC, de 1973, que pertence à geração ´sexo drogas e rock´n roll ´, está bem detonado e faz um treinamento físico mais leve.

O Código Civil, de 1916, frequentava a academia, mas morreu recentemente, de esclerose.

Também temos a vovó sarada, a CLT, que tem mais de 70 anos e faz musculação, reposição hormonal, submeteu-se a várias cirurgias plásticas e causa inveja em muitas meninas.

Após os treinos, todos vão tomar um suco, ou uma vitamina, no bar da academia, o ´Data Venia´. Sentados à mesa, começam a conversar a vovó e o novo CPC. Este pondera que veio ao mundo jurídico com novidades, a fim de melhorar o Direito Processual Civil, pois, como se viu acima, o velho CPC sofre das influências do ´sexo, drogas e rock’n roll´.

O novo CPC dirige-se à CLT: “Vovó, sua estrutura de processo e a visão do direito processual são arcaicas, não servem mais. Imagina, você não tem liminares nem recursos extraordinários. Mas nós temos a solução para tudo. Antes de julgarmos podemos fazer uma audiência de conciliação – assim nossos problemas acabaram”.

Neste momento passa o seu ´Creison, do Casseta e Planeta, e' - no seu jeito de falar - corrige o novo CPC: “É seus problemas se acabaram-se, viu?..."

Ruborizado, o novo CPC dá um sorriso amarelo e pergunta: “Aí vovó, o que tem para falar?”

A vovó diz: “Meu filho, nasci em 1940, acompanhei o seu avô, o Código de 1939, o seu pai, o Código de 1973 e as suas irmãs. As alterações são quase 15, se não me engano. Tudo bem que seu pai teve tantos filhos, vocês moravam perto da linha do trem?”

O novo CPC responde: “Somos uma família numerosa face as características do processo civil, sempre mudando”.

Nisto a vovó coloca: “Olha, fiz algumas plásticas, faço reposição hormonal, minha eficiência na academia é superior à sua e à de seu pai e não sofri muitas alterações. Até porque meu direito processual é na base do precedente, que vocês agora estão adotando, mas tudo bem, deixa pra lá. E quanto à tal da conciliação, é um exercício bem legal, faço desde 1940, dá bons resultados, continue assim”.

O novo CPC agradece e sai, rumo ao aparelho de conciliação para se exercitar, mas antes pergunta: “Vovó, quais as melhores técnicas para fazer o exercício?”

A vovó explica suas técnicas, tomando sua vitamina. Depois sai para o mundo jurídico, sem antes ganhar um elogio do instrutor Pontes de Miranda.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.

Imagem Dicio.com.br

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

 

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

“A Associação Brasileira dos Advogados do Povo ´Gabriel Pimenta´ atua em prol aqueles que são molestados por exercer seu trabalho com independência e desassombro. E se constitui também como instância de produção intelectual e de ação concreta, dentro e fora dos tribunais”. Artigo dos advogados Henrique Júdice Magalhães (OAB-RS nº 72.676) e Felipe Nicolau do Carmo (OAB-MG nº 129.557 e OAB/ES nº 29.263).

Chargista Aroeira

O STF e o drama cósmico

 

O STF e o drama cósmico

“Entre erros e acertos, os ministros do STF, como ´jurisfilósofos´, têm deliberado sobre alguns ´astros´. Dos guardiões da Constituição, espera-se mais do que luz e revelação. Anseia-se por temperança”. Artigo do advogado Rafael Moreira Mota (OAB-DF nº 17.162)

Imagem Camera Press - Edição EV

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

 

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

Os empréstimos concedidos pela Caixa Econômica Estadual, nos anos 80, para associados da AJURIS. “O valor à época permitia - a cada um dos tomadores - a aquisição de 19 fuscas novos, valor a ser pago em 120 meses, tudo sem correção monetária, em tempo de inflação de 80% ao mês”. Artigo de Luiz Francisco Corrêa Barbosa, magistrado estadual aposentado e advogado (OAB-RS nº 31.349).