Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.

Condenação milionária da Petrobras por vazamento que degradou o meio-ambiente



Foto Folha CentroSul

Imagem da Matéria

O TRF da 4ª Região manteve a condenação da Petrobrás no caso do vazamento de óleo ocorrido há 19 anos no município paranaense de Araucária. A decisão, proferida por maioria pela 4ª Turma ampliada da corte, prevê que a estatal deverá recuperar as áreas atingidas pelo vazamento e pagar indenizações que, ainda sem aplicação de juros e correção monetária, chegam a cerca de R$ 610 milhões. O julgamento ocorreu no dia 11 de setembro e o acórdão foi publicado no último dia 2.

O processo tramita na 4ª Região desde 2000, quando o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e o Ministério Público Federal (MPF) ajuizaram ação civil pública contra a Petrobrás após o derramamento de quatro milhões de litros de óleo nos rios Barigui e Iguaçu durante uma operação de transferência de petróleo do terminal marítimo de São Francisco do Sul (SC) para a Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar).

Em 2013, a 11ª Vara Federal de Curitiba reconheceu a responsabilidade da estatal pelo acidente e condenou a ré a tomar uma série de medidas para reparar a fauna e a flora local, promover a descontaminação das águas e do solo e monitorar a qualidade do ar da região, além de estipular o pagamento de danos morais coletivos para a população paranaense. A sentença ainda determinou que os valores sejam revertidos para o Fundo Estadual do Meio Ambiente (FEMA).

A Petrobrás recorreu ao TRF-4 pleiteando a reforma da sentença, mas o tribunal manteve a condenação da estatal. O relator do caso, desembargador federal Cândido Alfredo Silva Leal Junior, ressaltou que as provas produzidas confirmaram as falhas ocorridas no oleoduto operado pela Petrobrás. E que “embora a estatal tenha comprovado que vem adotando providências para recuperação da área degradada, elas não alteram o que foi decidido na sentença nem justificam isenção, mitigação ou redução da indenização”.

O magistrado Cândido Alfredo também frisou que a biorremediação (processo pelo qual organismos vivos reduzem contaminações no ambiente) mencionada nos autos pela estatal, “ainda que importante, não afasta nem reduz a responsabilidade da Petrobrás pela reparação integral dos danos e recuperação dos ecossistemas atingidos, não podendo o infrator-poluidor se beneficiar apenas porque a natureza tenha encontrando caminhos para se recompor”.

O cálculo final dos valores a serem pagos, atualizados com juros e correção monetária, será realizado na fase de execução da sentença. Não há trânsito em julgado. (Proc. nº 50817850820144047000 – com informações do TRF-4 e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Conselho de Direitos Humanos pede que FEPAM negue licença para projeto da Votorantim no RS

 

Conselho de Direitos Humanos pede que FEPAM negue licença para projeto da Votorantim no RS

Projeto em parceria com a multinacional Iamgold afetaria Caçapava do Sul e municípios vizinhos. Advogados
da região temem que grande extensão possa sofrer degradação semelhante à de Minas Gerais. E especulam que -  além do interesse de políticos - o solo da região guarda ouro e não apenas chumbo, cobre e zinco, que são formalmente os três minérios declarados.