Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/metaforense_4.jpg

A consultora de ideias



Chargista Duke - https://domtotal.com/

Imagem da Matéria

O ex-Procurador-Geral da República adentra à agência de uma renomada consultora de relações públicas. Pelo que diziam, ela era a grande responsável pela mudança de rumos do País.

- Não estou conseguindo conviver com o ostracismo – diz o aposentado, com a voz embargada. Quando eu ainda era procurador-geral, meu nome estava sempre na boca do povo. Eu era amado, venerado. De repente, deixo o poder e nunca mais vejo meu rosto em uma capa de revista.

- E quão longe você está disposto a ir para conquistar a almejada atenção da mídia? – indaga, com segurança, a profissional.

- Faço qualquer coisa – responde, firme, o consulente.

E então a consultora demonstra seus dotes, apresentando um parecer de vanguarda:

- Bem, não anda fácil chamar a atenção do público apenas falando barbaridades à imprensa. Já usei essa estratégia com outro cliente. Deu muito certo, mas ele foi tão fundo, que hoje é difícil superá-lo.

- Entendo – consente o homem, cabisbaixo.

- Faça o seguinte! Escreva um livro relatando coisas escandalosas que prejudicarão inclusive o trabalho dos seus ex-colegas procuradores.

- Mas isso não é ir longe demais?

- Isso é não ir longe o suficiente. Aliás, para coroar a sua obra, realize um assassinato!

- O quê?! – o cliente arregala os olhos.

A consultora explica que não se referia a um homicídio, propriamente, mas apenas que ele externasse que planejava matar alguém. Alguém que o povo já não gostasse muito, pois o eleitor hoje preza pela autotutela, testosterona, armas de fogo. E que, assim, ele criaria um sentimento de identificação entre o público e si, vindo a tornar-se, um dia, quem sabe, Presidente do Brasil, como já acontecera com outro cliente dela.

O ex-procurador, confiando cegamente no parecer, produz uma obra-prima, escolhendo um ministro do Supremo, que já era seu desafeto, para ser sua fictícia vítima em potencial.

A consultora, ao ler o rascunho, não poupa elogios:

- Adorei! Adorei que você usou até uma onomatopeia, fazendo “tchic-tchic”, para demonstrar que engatilhou a arma! Sugiro trocar a parte que você diz que “pretendia alvejá-lo”, por “pretendia dar um tiro na cara dele”. Nessas horas, o povo prefere a bestialidade ao juridiquês.

E com esse reparo, o livro vem a público imortalizando o seu autor. Mas não como ele pretendia, pois, embora tenha voltado às manchetes, deu margem para que seu legado profissional fosse questionado, e que sua potencial vítima o esculachasse perante a imprensa.

Já a consultora considerou esse trabalho como mais um “case” de sucesso e ainda comemorava quando alguém bateu à porta de sua agência. Ao perguntar quem era, pode ouvir apenas um som: “Tchic-tchic”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV

Questão de perspectiva

 

Questão de perspectiva

As amplas chances de vencer uma ação trabalhista, reverter uma demissão por justa causa e ganhar indenização da companhia aérea cujo voo atrasou. E os riscos de uma ação tributária contra a argentária Fazenda Pública.

Chargista DUKE

   A live jurídica

 

A live jurídica

Em tempos de isolamento social, a equipe de um excelente escritório de advocacia realiza uma reunião à distância, via plataformas digitais. O dono do escritório, agressivo e truculento, ordena: “Façam uma livre sobre qualquer porcaria, já e agora”.

Arte EV sobre foto Freepik

Teoria da (Im)previsão

 

Teoria da (Im)previsão

Filha de um grande jurista já falecido, a advogada recém formada - buscando orientações sobre o rumo que deveria dar à sua carreira - procura uma cartomante. Recebe, então, a dica: “Convide 19 colegas e abra um escritório para ajuizar ações com base na cláusula rebus sic stantibus”.