Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/metaforense_4.jpg

A consultora de ideias



Chargista Duke - https://domtotal.com/

Imagem da Matéria

O ex-Procurador-Geral da República adentra à agência de uma renomada consultora de relações públicas. Pelo que diziam, ela era a grande responsável pela mudança de rumos do País.

- Não estou conseguindo conviver com o ostracismo – diz o aposentado, com a voz embargada. Quando eu ainda era procurador-geral, meu nome estava sempre na boca do povo. Eu era amado, venerado. De repente, deixo o poder e nunca mais vejo meu rosto em uma capa de revista.

- E quão longe você está disposto a ir para conquistar a almejada atenção da mídia? – indaga, com segurança, a profissional.

- Faço qualquer coisa – responde, firme, o consulente.

E então a consultora demonstra seus dotes, apresentando um parecer de vanguarda:

- Bem, não anda fácil chamar a atenção do público apenas falando barbaridades à imprensa. Já usei essa estratégia com outro cliente. Deu muito certo, mas ele foi tão fundo, que hoje é difícil superá-lo.

- Entendo – consente o homem, cabisbaixo.

- Faça o seguinte! Escreva um livro relatando coisas escandalosas que prejudicarão inclusive o trabalho dos seus ex-colegas procuradores.

- Mas isso não é ir longe demais?

- Isso é não ir longe o suficiente. Aliás, para coroar a sua obra, realize um assassinato!

- O quê?! – o cliente arregala os olhos.

A consultora explica que não se referia a um homicídio, propriamente, mas apenas que ele externasse que planejava matar alguém. Alguém que o povo já não gostasse muito, pois o eleitor hoje preza pela autotutela, testosterona, armas de fogo. E que, assim, ele criaria um sentimento de identificação entre o público e si, vindo a tornar-se, um dia, quem sabe, Presidente do Brasil, como já acontecera com outro cliente dela.

O ex-procurador, confiando cegamente no parecer, produz uma obra-prima, escolhendo um ministro do Supremo, que já era seu desafeto, para ser sua fictícia vítima em potencial.

A consultora, ao ler o rascunho, não poupa elogios:

- Adorei! Adorei que você usou até uma onomatopeia, fazendo “tchic-tchic”, para demonstrar que engatilhou a arma! Sugiro trocar a parte que você diz que “pretendia alvejá-lo”, por “pretendia dar um tiro na cara dele”. Nessas horas, o povo prefere a bestialidade ao juridiquês.

E com esse reparo, o livro vem a público imortalizando o seu autor. Mas não como ele pretendia, pois, embora tenha voltado às manchetes, deu margem para que seu legado profissional fosse questionado, e que sua potencial vítima o esculachasse perante a imprensa.

Já a consultora considerou esse trabalho como mais um “case” de sucesso e ainda comemorava quando alguém bateu à porta de sua agência. Ao perguntar quem era, pode ouvir apenas um som: “Tchic-tchic”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Dia do Pendura

 

Dia do Pendura

Os contrastes entre o conservadorismo da OAB e a sua capacidade de fazer uma superprodução. Em meio a ´gogo boys´ e ´strippers´, um convite informal e insinuante: “Hoje é o Dia do Pendura. Aproveite, doutor; pendure o seu casaco, e entre na festa”.

Montagem de Gerson Kauer

O hermeneuta e o VAR

 

O hermeneuta e o VAR

“Como as decisões do árbitro de vídeo (o VAR) ainda são muito contestadas, o futebol brasileiro contrata um jurista de notório saber: o Dr. Platão Socrático, eminente catedrático, buscado a peso de ouro para trazer paz ao esporte bretão”. 

Freepik

O Guru Legal

 

O Guru Legal

Longe de uma crítica, uma homenagem aos bons juízes que deixam de lado suas conveniências pessoais para aplicar a lei, fardo ainda mais pesado em tempos de forte ativismo das redes sociais.