Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

Léo Pinheiro chegou a fazer as malas, porque iria sair “naquele dia” ...



Montagem de Gerson Kauer fotos Google

Imagem da Matéria

Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS, passou a cumprir prisão domiciliar a partir de terça-feira (17). Ele estava preso desde setembro de 2016 e já foi condenado em cinco ações na Justiça do Paraná relacionadas à Operação Lava Jato. Ultimamente encontrava-se recluso na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba.

O regime do empreiteiro progrediu devido à homologação da delação premiada. O acordo – que tem 109 anexos - foi fechado em janeiro pela Procuradoria Geral da República e enviado, em setembro, para o STF. O conteúdo ainda está sob sigilo.

A partir da homologação pelo Supremo, a PGR vai analisar os anexos da delação e poderá pedir a abertura de novas investigações ou a inclusão de depoimentos em inquéritos já abertos.

Veterano da prisão de Curitiba, Pinheiro levou para a cela o mesmo estilo conciliador que tinha quando era o poderoso líder da OAS. Quando um problema acontecia nas três celas que abrigam os presos da Lava-Jato em Curitiba, ele era o responsável por melhorar o clima. Foi o que ocorreu quando Antonio Palocci se desentendeu com a maioria dos reclusos, por manter sempre ligada uma extensão que poderia comprometer a energia de toda a área.

Leo interveio, Palocci ouviu em silêncio e desligou a gambiarra.

Pinheiro gostava da função assumida de contador de histórias. Em determinado dia, após combinação prévia com o doleiro Adir Assad, também recluso, os dois mostraram-se bem humorados e passaram a arrumar as malas porque naquele dia “deixariam a prisão, depois de uma liminar concedida pelo Supremo”.

As horas foram passando, ninguém se deu conta do blefe até que – na hora da suposta despedida – Pinheiro pilheriou: “Enganamos vocês, hoje é primeiro de abril de 2018, dia da mentira, e também dia dos bobos”.

Até os policiais federais ficaram sem jeito, por terem acreditado na pilheria – só então se dando conta de que ordem de soltura nenhuma chegara à carceragem.

Pinheiro costumava também comparar os presos como os galináceos que vão para o forno giratórios das lanchonestes nos fins-de-semana. “A única galinha que escapa do inferno é a que fez delação premiada” – costumava repetir, notadamente quando novos presos chegavam.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Contra, ou a favor?

Relembre como cada um dos onze ministros do STF já se posicionaram sobre a prisão após a condenação em segunda instância.

Arte EV sobre fotos Camera Press

Uber condenada a ressarcir bens esquecidos num veículo

 

Uber condenada a ressarcir bens esquecidos num veículo

• O motorista confirmou ter encontrado dois celulares e objetos de maquiagem, mas a devolução não ocorreu.

 Nova condenação de Sérgio Cabral eleva as penas a 266 anos.

 Advogado de Lula defenderá senegalês acusado de corrupção nas Olimpíadas de 2014.

• Sargento da FAB preso com cocaína isenta os demais tripulantes.

Pintura de Nick Mancini

Ironia das redes sociais: anulação do julgamento de Tiradentes, porque o delator falou por último

 

Ironia das redes sociais: anulação do julgamento de Tiradentes, porque o delator falou por último

 Ao ser enforcado em 1972, o herói brasileiro não tinha desfrutado do pleno direito de defesa...

 Como a morte é irreversível, a reparação moral seria uma Medalha Suprema, a ser entregue aos herdeiros vivos.

 Gretchen vai ajudar estudantes nos preparativos para o ENEM.

 Doleira Nelma Kodama já está sem tornozeleira.

 Lembrete: a história dos 200 mil euros levados na calcinha.

  Wesley e Joesley Batista também livres das tornozeleiras.