Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,08 de novembro de 2019.

A recusa ao teste do bafômetro



caricaturasfernandes.blogspot.com

Imagem da Matéria

Por Juvenal Ballista Kleinowski, advogado (OAB/RS nº 102.262).
juvbk@hotmail.com

Em 2008, a famosa “Lei Seca” (Lei nº 11.705) acresceu o § 3º ao art. 277 do CTB, dispondo que ao recusante seriam aplicadas as mesmas penas administrativas que aquele cuja embriaguez restasse comprovada. Muito debateu-se à época acerca da constitucionalidade de tal dispositivo, pois presumia como embriagado o condutor que recusasse o teste.

Ou seja, duas condutas distintas (certeza de embriaguez e presunção de embriaguez) eram punidas da mesma forma e pelo mesmo dispositivo (art. 165 do CTB), com aparente violação aos Princípios da Isonomia e da Proporcionalidade.

Disso resultou a propositura de algumas ADIs (nºs 4017, 4063 e 4103), que ainda pendem de julgamento pelo STF.

Ciente da controvérsia criada, o legislador editou a Lei nº 13.281 em 2016, criando a infração autônoma de recusa ao exame do bafômetro, agora presente no art. 165-A do CTB. Desde então o Judiciário – e em especial as Turmas Recursais da Fazenda Pública – têm sido inundados por ações de condutores autuados pela recusa ao teste do bafômetro.

E a procedência – ou não – da ação dependia de sorte: se a lide fosse distribuída à 2ª Turma Recursal da Fazenda Pública do TJRS, a infração (por recusa ao teste) somente seria mantida se houvessem outras provas de possível embriaguez.

Do contrário, se distribuída à 1ª ou 3ª Turma, a infração seria mantida, pois os julgadores entendiam que se trata de infração de mera conduta.

Visando resolver a divergência interna, em janeiro de 2019 foi suscitada a Instauração do Incidente de Uniformização de Jurisprudência nº 71008312076, que resultou na suspensão de todos os processos sobre o tema.

Recentemente, em 27/08/2019, as Turmas Recursais Reunidas julgaram tal incidente, concluindo que as infrações por recusa ao bafômetro são válidas, sendo irrelevante a ausência de sinais de embriaguez:

 

“INCIDENTE DE UNIFORMIZAÇÃO DE JURISPRUDÊNCIA.

TURMAS RECURSAIS DA FAZENDA PÚBLICA REUNIDAS.

DETRAN-RS. INFRAÇÕES DE TRÂNSITO DO ART. 277, § 3º,

C/C O ART. 165, AMBOS, DO CTB E DO ART. 165-A DO CTB.

RECUSA AO TESTE DO BAFÔMETRO (ETILÔMETRO).

INFRAÇÃO DE MERA CONDUTA.

São válidas as autuações, seja pelo art. 277, § 3º, com as penalidades do art. 165, ambos, do CTB, seja do 165-A do CTB, conforme a data do fato, pela recusa do condutor a se submeter ao teste do bafômetro (etilômetro), exame clínico, perícia ou outro exame que permita verificar a embriaguez, previstos no art. 277, caput, do CTB, pois se trata de infração de mera conduta, dispensando a verificação de sinais de embriaguez ou a disponibilização, no momento da autuação, de outros meios de aferição da embriaguez para aquele que se recuse à realização do teste do bafômetro (etilômetro).

POR MAIORIA ABSOLUTA, UNIFORMIZARAM O ENTENDIMENTO, COM EDIÇÃO DE ENUNCIADO.

Encerra-se, assim, a divergência existente entre as Turmas Recursais, restando certa a aplicação de multa pela recusa ao bafômetro.

Nas poucas vezes que se manifestou sobre a questão, o STJ posicionou-se a favor da validade das infrações (ex.: REsp 1.720.060/RJ e REsp 1.758.579/RS).

E, como acima dito, o STF ainda não julgou as ADIs interpostas há 11 anos.

Leia na base de dados do Espaço Vital a íntegra do acórdão de uniformização da jurisprudência


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Tempo - é o que falta

 

Tempo - é o que falta

“Mesmo em tempos de profunda radicalização, surpreende a atitude do governador do RS, Eduardo Leite”. Ele quer urgência na aprovação de - uma, duas, cinco, dez, vinte, cinquenta, cem, duzentas, trezentas, quatrocentas... – exatas 480 alterações no Código do Meio Ambiente do Estado do RS. Artigo do jornalista João Batista Santafé Aguiar.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem Google - Definições extraídas do Dicionário Aulete

E agora, José?

 

E agora, José?

“Há pouco dias referiu o ministro Toffoli que ´voto de presidente é diferente de voto de bancada´. Com razão, pois parece  prudente que, em voto de desempate, mantenha a orientação solidificada no STF de não atribuição de efeito suspensivo aos recursos. Aliás, como expressamente previsto no art. 637, do CPP, dando interpretação harmônica aos princípios constitucionais”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado (OAB-RS nº 45.143); desembargador aposentado do TJRS

Prescrição não é solução

“A proposta do ministro Toffoli não é ruim, mas é fraca e incompleta. Se ficar só nisso e desprezar o contexto estrutural de nosso labirinto processual, corre o risco de se tornar mais um factoide: cria uma cortina de fumaça, sem resolver os problemas reais”. Artigo de Silvana Batini, procuradora regional eleitoral e professora da FGV Direito Rio.

O presidente do STF manterá a integridade e a coerência? Ou preferirá enterrar o passado?

“Questões sobre a prisão após sentença condenatória. A  condenação só não será definitiva senão após o trânsito em julgado, mas a aplicação da lei penal será assegurada desde logo, como sempre se praticou, à exceção da mutação 2009/2016. Agora, parece que está nas mãos de Dias Toffoli". Artigo do advogado Darci Norte Rebelo (OAB-RS nº 1.578)