Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Ação do presidente nacional da OAB contra Bolsonaro no STF



Presidente da OAB x Bolsonaro

O presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, decidiu interpelar Jair Bolsonaro pelas declarações que o presidente deu sobre o seu pai.

Ontem, Bolsonaro falou que "se o presidente da OAB quiser saber como o pai desapareceu no período militar, eu conto para ele".

Santa Cruz disse que “lamentavelmente, temos um presidente que trata a perda de um pai como se fosse assunto corriqueiro”. E ontem mesmo o advogado deu procuração ao sergipano Britto, ex-presidente da própria Ordem (2007/2010) para entrar com uma ação no STF "para que Bolsonaro diga o que sabe" sobre a morte de Fernando Santa Cruz, ocorrida em março de 1974.

Pai recluso


O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) teve mais uma derrota judicial. Não conseguiu autorização para deixar o cárcere em Bangu (RJ), a fim de assistir o matrimônio da filha Camila, no próximo sábado (3), em São Paulo.

A pretensão do notório político era a de liberdade vigiada temporária, a partir de sexta (2), com compromisso de reapresentar-se no cárcere no domingo (4).

O pedido foi indeferido por falta de previsão legal.

Falta jurídica!


A FIFA Féderation Internacional de Football Association terá que, doravante, pagar uma multa de R$ 100 mil a cada jogo por ela organizado no Brasil, se os árbitros continuarem a usar o spray que marca onde devem ficar a barreira e a bola quando há faltas.

A proibição vigora desde 2017, porém a Spuni Comércio de Produtos Esportivos, detentora da patente, provou cautelarmente que o spray continua sendo usado.

Na decisão, o juiz Fernando Vianna, da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro dobrou o valor da multa e determinou uma perícia no material usado pela Fifa.

A CBF suspendeu, há um ano e meio, o uso da espuma nos jogos do Brasileirão. (Proc. n.º 0314313-89.2017.8.19.0001).

Deputado, olha o jabuti!


Lideranças da advocacia gaúcha estiveram reunidas, na quarta-feira passada (24) com o deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS). Ele é o relator do Projeto de Lei de Conversão nº 17/2019, aprovado pela Comissão Mista do Congresso Nacional para Declaração de Direitos de Liberdade Econômica (nome pomposo!) com o objetivo de “estabelecer garantias de livre mercado”.

Entretanto, o texto traz em seu bojo uma minirreforma trabalhista, com a inclusão de matérias estranhas ao objeto de medida provisória. Politicamente, o fenômeno é chamado de jabuti – e significa um generoso favor a terceiros oportunistas.

No encontro foi dito a Goergen ser “grave a proposta de retirar-se a marca da solidariedade que sempre acompanhou a figura do grupo econômico trabalhista, cujo objetivo consiste na garantia de solvabilidade dos créditos trabalhistas, de índole essencialmente alimentar”.

A advogada Sheila Belló (OAB-RS nº 10.238) é incisiva em artigo que o Espaço Vital publica nesta mesma edição: “A nova lei está sendo criada para proteger empregadores desonestos, com a blindagem de seus patrimônios, o que é inaceitável”.

Leia a íntegra do artigo nesta mesma edição do Espaço Vital. Clique aqui.

A volta das penas de morte


O governo dos Estados Unidos vai retomar as execuções de condenados à morte, após uma moratória de quase duas décadas. O anúncio oficial feito na sexta passada reverte o que foi essencialmente uma moratória à pena de morte federal.

O governo federal estadunidense executou nenhum preso desde 2003, embora os promotores ainda busquem a pena de morte em alguns casos, entre os quais Dylann Roof, um supremacista branco que matou nove pessoas negras em uma igreja em Charleston em 2015, e Dzhokhar Tsarnaev , terrorista da maratona de Boston, em 2013.

A retomada das execuções deve ocorrer a partir de dezembro para cinco homens condenados por assassinato. Elas serão realizadas na penitenciária federal em Terre Haute, Estado de Indiana, usando a droga pentobarbital. Atualmente, há 62 condenados à morte em prisões federais.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte de Camila Adamoli

“Sem advogado não há justiça”

 

“Sem advogado não há justiça”

 Tal frase, criada pelo advogado Oswaldo Vergara em 1967, é o dístico da medalha que homenageia profissionais com notabilidade de serviços à classe advocatícia.

  Sessão Magna da Advocacia será no dia 9 de agosto.

  Impasse em ação bilionária da Varig. A massa falida cobra R$ 6 bilhões; a União diz que a condenação foi de R$ 3 bilhões.

  A cada semana, o crescimento da superioridade feminina na advocacia gaúcha: elas já são 42.078; eles, 41.997.

  Ataques também contra os telefones de Jair Bolsonaro.

GPS Life Time

Projeto de lei permite que professores usem armas de eletrochoque nas escolas

 

Projeto de lei permite que professores usem armas de eletrochoque nas escolas

 O texto disciplina o uso de equipamentos não letais pelo docente nos estabelecimentos de ensino da rede pública e privada em todo o território nacional. E altera o Estatuto do Desarmamento, para dispor sobre “armas de incapacitação neuromuscular”.

 Rugas de preocupação para quem se cadastrou no FaceApp.

  Advogadas já são 67 a mais do que os advogados na OAB-RS.

  Cabimento de ação autônoma para a definição e cobrança de honorários advocatícios sucumbenciais, caso a decisão transitada em julgado seja omissa.

Arte de Gerson Kauer sobre imagem Freepik

Discrepância estatística sobre o número de advogadas gaúchas

 

Discrepância estatística sobre o número de advogadas gaúchas

 Dados oficiais do CF-OAB revelam que, esta semana, a vantagem do gênero feminino cresceu mais um pouquinho.

 Contagem feita pela OAB-RS revela, porém, supremacia quantitativa masculina: 40.893 x 37.747.

 Condenação da Volkswagen do Brasil por determinar que empregado começasse a jornada indo ao refeitório para jantar.

 Comissão indevida quando negócio imobiliário se desfaz por culpa do corretor.

 Em busca de emprego, 93% das pessoas com diploma de curso superior admitem ganhar menos.

Imagem Freepik – Edição Gerson Kauer

   Mulheres já são maioria na advocacia gaúcha!

 

Mulheres já são maioria na advocacia gaúcha!

• Na sexta passada (12) elas passaram à frente na estatística do RS: são 41.967 a 41.949.

 Nacionalmente, o aperto financeiro da advocacia: número de profissionais inadimplentes com a anuidade à OAB é de 516 mil.

• O crime compensa: Antonio Palocci passa, em setembro, para o regime aberto.

 Do bloqueio judicial de R$ 128 milhões do ex-ministro, só R$ 61 milhões foram constritos.

Imagem: Freepik / Edição: Gerson Kauer

Crime de adulteração dentro do próprio Poder Judiciário

 

Crime de adulteração dentro do próprio Poder Judiciário

· Escrevente da Vara de Família de Alvorada (RS) chegou a ser preso preventivamente, foi solto por decisão do STJ e restou exonerado pelo TJ gaúcho.
· Fraude dos alvarás tem mais quatro réus. E uma ação de improbidade administrativa tramita sob sigilo por decisão judicial.
· O novo ataque (ou atraque) de políticos ao bolso dos cidadãos que pagam as contas da Nação.
· E a curiosa possibilidade brasiliense da reencarnação do boi...

Arte de Camila Adamoli sobre caricatura Can Stock (Google Imagens)

Chega ao fim no STF ação rescisória que demorou 39 anos e 10 meses

 

Chega ao fim no STF ação rescisória que demorou 39 anos e 10 meses

· Caso originário é do Rio Grande do Sul, anos 70, envolvendo investigação de paternidade e petição de herança.

· O processo teve, no Supremo, cinco sucessivos relatores, o primeiro dos quais faleceu em 1991.

· O penúltimo capítulo da vida de João Gilberto pode ter sido um aborrecimento judicial, em 14 de junho deste ano.

· Menos palavrório! Os planos de Luiz Fux, futuro presidente do STF, para que as sessões colegiadas sejam “menos longas”.

· Arquivado o inquérito contra advogado que interpelou Ricardo Lewandowski durante voo.

· Licitação de R$ 5,2 milhões para trocar 20 elevadores nos prédios em que moram os deputados federais.