Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

O julgamento da Lava-Jato e/ou Vaza-Jato



Após a revelação, no domingo (9), de conversas privadas que indicam a colaboração entre o então juiz Sérgio Moro e o coordenador da Lava-Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, a Corregedoria do MPF instaurou procedimento para investigar a atuação do procurador. Enquanto isso, a Polícia Federal começa a apurar as circunstâncias da ação de hacker (s).

Por ironia da história, instituições que, ao longo de cinco anos atuaram para atenuar a contaminação do Executivo e do Legislativo começam a ser expostas como contaminadas, e passíveis de desconfiança. A criatividade brasileira já batizou o acontecimento como “Vaza-Jato”.

A divulgação das mensagens impactou o Twitter não só no Brasil – 1.587.919 menções no nosso país, até as 24h de ontem – mas também mundo afora. Segundo a Fundação Getúlio Vargas, 142 mil menções foram feitas até as 18 horas de segunda-feira, em outros idiomas. Tais referências se concentraram na Argentina (28 mil), EUA (11 mil) e outros países. Na América do Sul, o alcance mais baixo foi na Venezuela (2,6 mil).

Sobre as mensagens divulgadas pelo saite The Intercept Brasil, o ministro da Justiça Sérgio Moro disse que “não vi nada de mais nas mensagens – e o que há ali é uma invasão criminosa de celulares”. A seu turno, o secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten afirmou que Bolsonaro “confia irrestritamente em Moro”.

Nesta conjunção, o pedido de progressão de regime de Lula foi, rapidamente, incluído na pauta de hoje (11) da 2ª Turma do STF, pelo relator Edson Facchin. O processo estava em julgamento desde abril, no plenário virtual. Trata-se de um mecanismo em que os ministros postam os votos em um sistema eletrônico, sem a necessidade de encontro físico entre eles.

Soube-se ontem que o jornalista Gabriel Mascarenhas, repórter de O Globo, integrante da equipe do colunista Lauro Jardim, teve sua conta no Instagram invadida no dia 11 de maio. O ataque foi comunicado às autoridades no dia seguinte. Após a invasão, o hacker – se passando pelo jornalista – enviou mensagens intimidatórias ao procurador regional da República Danilo Pinheiro Dias. O criminoso também dizia que precisava falar com Deltan Dallagnol, “pois tinha informações que que a operação Lava-Jato estaria em risco”.

Ontem (10), à tarde, o presidente da OAB-RS Ricardo Breier manifestou-se avaliando que “as últimas notícias revelam graves fatos, os quais, todavia, não retiram a legitimidade das Instituições que têm por função atuar no combate à corrupção”.

O dirigente da Ordem gaúcha salientou que “não se pode olvidar o longo processo de ataque aos cofres públicos revelados em diversas ações, instruídas com diversos acordos de leniência e delações premiadas que revelaram a promiscuidade na relação de políticos e empreiteiros com o desvirtuamento do dinheiro público”.

Em manifestação oficial, por meio de nota escrita distribuída à imprensa, Breier lembrou ter 30 anos de advocacia criminal. E arrematou: “Cabe ao Poder Judiciário, quando provocado, apreciar ofensa ao devido processo legal. Na minha atividade profissional, vi e vejo relações próximas entre membros do Ministério Público e integrantes do Poder Judiciário, tanto que a advocacia precisa e tem buscado – reiteradamente – a paridade das armas no processo penal”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Novo presidente do TRF-4 assume exaltando tom conciliador

O desembargador Victor Laus citou o Papa Francisco. "O sumo pontífice defende que construamos pontes, não muros. De modo que a exaltação de ambos os lados, o desrespeito à privacidade e o estímulo às polêmicas sem fim devem ser deixados para trás”. O ministro Sérgio Moro esteve presente. Mas o seu anunciado discurso terminou não ocorrendo.

Arte de Camila Adamoli sobre fotos do YouTube (E) e Allysson Mainieri (D)

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

 

Impasse jurisdicional entre juíza e desembargador gaúchos

No julgamento de um agravo de instrumento contra decisão da magistrada Fabiana Kaspary – por descumprimento de uma decisão da 5ª Câmara Cível do TJRS - o desembargador Jorge do Canto aplicou a ela multa de 20% sobre o valor da causa. A Ajuris e a juíza interpuseram mandado de segurança, requerendo segredo de justiça. Este foi concedido e depois revogado pelo 3º Grupo Cível do tribunal gaúcho. Caso foi decidido anteontem (12) em julgamento de recurso especial. A multa não subsiste. Para o TJRS e o STJ “juiz não pode ser punido com multa do CPC por ato atentatório ao exercício da jurisdição”.