Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de junho de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

Sérgio Moro e Polícia Federal miram no Facebook e no Whatsapp



 De olho nas redes sociais

O ministro Sergio Moro e a cúpula da Polícia Federal usarão o encontro que terão no Departamento de Justiça Americano, nesta semana, para alinhavar a seguinte negociação: um acordo que permita ao Brasil – sem a necessidade de pedido judicial - acessar dados de pessoas investigadas que têm cadastros em redes sociais como o Facebook e Whatsapp.

Moro e o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, integram a comitiva do presidente Jair Bolsonaro que está nos EUA. Eles trabalharam

intensamente, nas últimas semanas, para que o Ministério das Relações Exteriores impulsione o acordo.

Atualmente, grande parte das investigações trava nas barreiras invisíveis das redes sociais. Estas, mesmo com ordem da Justiça brasileira para que forneçam dados de usuários, deixam de cumpri-la. Geralmente, as empresas alegam que suas bases de informações estão nos EUA e por isso não podem fornecê-las.

A falta de cooperação já rendeu prejuízo aos cofres do Facebook. No ano passado, a operação brasileira da empresa foi multada em R$ 111 milhões. O motivo foi descumprir uma decisão da Justiça de quebra de sigilo feita numa operação que apurava fraude na saúde pública do Amazonas.

Em 2016, o Facebook chegou a ter R$ 38 milhões bloqueados pela mesma razão.

 Brasil 2019

Com a ajambrada decisão (6x5) da semana passada, o Supremo julgou, contra a cidadania, uma discórdia fundamental para o combate à corrupção no Brasil.

Decidiu-se então – num inquérito sobre o deputado federal Pedro Paulo (MDB-RJ) – que as suspeitas de caixa 2, corrupção e evasão de divisas em 2012, na campanha que elegeu o amigo dele, Eduardo Paes, prefeito do Rio de Janeiro, deverão ser julgadas pela Justiça Eleitoral.

Ficou consagrada uma “verdade jurídica”: na investigação política, uma vez existindo provas inarredáveis, o candidato sempre dirá que o dinheiro era caixa 2 de campanha.

Fácil, rendoso e provavelmente impune.

 O conforto dos bancos

Duas das ações mais importantes da Operação Zelotes estão sentadas em escaninhos burocráticos do gabinete do juiz Vallisney de OIiveira, da 10ª Vara Federal de Brasília. Os consistentes casos judiciais envolvem os bancos Safra e Bradesco - e estão “conclusos para a sentença”, desde agosto e setembro do ano passado, respectivamente.

Madame Tartaruga Jurisdicional, também acomodada num outro banco, está muito contente com a demora.

• Diárias de 21 horas

Os hotéis têm o direito de cobrar a diária de 24 horas como valor mínimo, mesmo que o cliente fique – compulsoriamente, ou por livre decisão, ficar menos tempo nas instalações. A decisão é da 3ª Turma do STJ, em ação movida pela Associação Nacional de Defesa da Cidadania e do Consumidor contra a rede de hotéis Sheraton, de São Paulo.

A entidade autora alegava que os horários de check-in e check-out dos hotéis geridos pela ITC Administração e Hotelaria, responsável pela gestão da rede Sheraton, em São Paulo, violam o Código de Defesa do Consumidor por prever a entrada às 15h e a saída ao meio-dia. A ação teve sucesso nas instâncias ordinárias da Justiça paulista.

O STJ decidiu pela improcedência da ação, por “ausência de razoabilidade na interpretação de fixar o dever do fornecedor do serviço de hospedagem de reduzir o valor da diária proporcionalmente ao número de horas necessárias para a organização e limpeza das unidades habitacionais antes da entrada de novo cliente” . (REsp nº 1717111).

Os intocáveis (1)

Com a proximidade dos riscos próximos de voltar à cadeia, a advogada Adriana Ancelmo – mulher do ex-governador Sérgio Cabral – está avaliando dificultosamente o que dizer, em sua possível delação premiada.

O MPF insiste com ela: quer basicamente histórias heterodoxas do Judiciário e de escritórios de advocacia. É justamente aí que Adriana reluta em abrir o bico.

Os intocáveis (2)

Nos próximos depoimentos que ainda prestará judicialmente, Sérgio Cabral vai botar alguns empresários na roda do “prende eles!”.

Mas, por enquanto, seu Cabral também não vai tocar no tema Judiciário.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Imagem de JetShoots.com – Montagem de Gerson Kauer

   As ações do ex-presidente da OAB Claudio Lamachia contra a Gol e a Tam

 

As ações do ex-presidente da OAB Claudio Lamachia contra a Gol e a Tam

   Os maus serviços, a impontualidade e a falta de assistência praticados pelas empresas aéreas. A (finada) Avianca é a campeã de reclamações.

   O casal de namorados que comprou passagem para ir a Florianópolis de avião, mas teve que se sujeitar a sete horas de viagem de ônibus.

  A ação da atriz Juliana Paes e seus filhos contra a Delta Airlines: dez horas retidos em Atlanta (EUA).

   A (des) ordem nacional da má prestação de serviços: Oi (1º), Vivo (2º), Claro (3º), Sky (4º) e Net (5º).

Arte de Camila Adamoli sobre charge de Junião

   Mudanças no Estatuto da OAB para que advogados sentem no mesmo “plano topográfico do juiz”

 

Mudanças no Estatuto da OAB para que advogados sentem no mesmo “plano topográfico do juiz”

 R$ 5,8 milhões anuais para que os deputados federais viajem à vontade.

 Uma compra de 106 mil pistolas.

 Empresários, tremei! Vem aí uma delação arrasadora.

• Fiança (paga!) de R$ 90 milhões para soltar um preso.

 Uma mulher brasileira comandará, a partir de Cingapura, a operação da Coca-Cola em onze países asiáticos.

VOX MS

   As relações pessoais entre o então juiz, seu assessor e três advogados

 

As relações pessoais entre o então juiz, seu assessor e três advogados

 Um concurso para ingresso na magistratura em que Diego foi aprovado, mas Juliano não teve igual sorte.

 No mesmo dia da posse do juiz, porém, o amigo é designado para assessor. Então, os dois passam a morar juntos.

 O advogado Eugênio Costa e suas influências na comarca. Encontros para jogar vídeo games. E uma ida às compras no free shop do Chuí.

 O oferecimento dos serviços de futura consultoria advocatícia.

 “É nesse círculo de relacionamentos em que relações da vida privada (amizade, camaradagem, afinidades pessoais) se misturam com a vida profissional, que o Dr. Diego Magoga Conde passou a comprometer a sua independência de magistrado” – afirma o desembargador Rogério Gesta Leal.

Lula está apaixonado e planeja casar

•  Revelação foi feita por Luiz Carlos Bresser Pereira, ex-ministro de FHC. A eleita é uma paulista, 40 de idade.

•  Gilmar garante a executivo da Vale direito ao silêncio em CPI sobre Brumadinho.

•  Promotores rebatem estudo da OAB contra prisão em segunda instância.

•  TJ de Pernambuco anuncia o “divórcio impositivo”.

Amatra-IV (reprodução)

Um novo round no enfrentamento entre OAB-RS e o juiz Guilherme da Rocha Zambrano

 

Um novo round no enfrentamento entre OAB-RS e o juiz Guilherme da Rocha Zambrano

• Sentença proferida pela juíza federal Paula Beck Bohn condena a Ordem gaúcha a pagar R$ 10 mil ao magistrado.

 Decisão anterior do juiz federal Francisco Donizete Gomes atribuiu segredo de justiça ao feito.

 Editora Abril condenada por veiculação de anúncio sobre “sexo selvagem”.

 Certezas e dúvidas de Dilma Rousseff sobre jogos da Libertadores da América.

 Gata pode ficar em apartamento residencial, se não incomodar os vizinhos do prédio.

Arte de Camila Adamoli sobre caricatura de “Zumbis em Brasília” (YouTube)

As contagens de Sérgio Moro: o tempo até chegar ao STF e a expansão dos seus cabelos brancos

 

As contagens de Sérgio Moro: o tempo até chegar ao STF e a expansão dos seus cabelos brancos

 O ex-juiz federal está a 17 meses e meio de distância temporal da Suprema Corte. Enquanto isso, seus cabelos brancos já estão chegando.

 As quatro justificativas para que a lagosta passe a ser o novo símbolo do STF.

 Michel Temer compara a sua cela paulistana com o cárcere de Lula, em Curitiba.

 O primeiro emprego formal para o jovem brasileiro só chega, em média, aos 28 anos e seis meses de idade.

• Romero Jucá não para: ele se prepara para prestar consultoria à Confederação Nacional de Comércio.

• Ameaças de morte na Faculdade de Direito de Brasília.

 Azul faz nova oferta pela Avianca (que tem R$ 3 bilhões de dívidas).