Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), Atualização extra às 8h45 de 23.9.2020

O Doutor Rei da Sinuca



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Em cidade da fronteira gaúcha havia uma “mulher in-te-res-san-tís-sima” – como costumava avaliar a ´rádio-corredor forense´. Solteira, arquiteta, ela namorava um advogado de médio sucesso, divorciado, sem filhos, conhecidíssimo na cidade como o “rei da sinuca”.

O apelido dele tinha a sua razão de ser: acertava todas as bolas nas tacadas sobre a mesa de pano verde e seis caçapas, do principal clube da cidade. Ali o advogado acorria, todos os dias, inclusive sábados e domingos, sempre a partir das cinco e meia da tarde. Às vezes, a namorada ia assistir.

Para o profissional da advocacia, nada era mais importante do que o jogo das oito bolas coloridas: “Meu taco tem eficiente pontaria e o meu percentual de aproveitamento nos encaçapamentos é de 99%” – vangloriava-se.

Um dia, o namoro da arquiteta com o “Rei da Sinuca” virou pó e o rompimento transformou-se em pauta semanal informal na subseção da Ordem local.

Algumas noites depois, encontrando-se com a “in-te-res-san-tís-si-ma” mulher – que embarcava num ônibus para Porto Alegre - um perito-engenheiro regional deu vazão à sua curiosidade:

- Lindalva, por que não deu mais certo o teu tão aplaudido namoro com o colega “rei da sinuca´? – a pergunta era um misto de indiscrição e solidariedade.

A resposta dela foi sem meias palavras:

- Eu me despi oferecida, mas me decepcionei com a resposta que ele me deu. Disse-me que ainda não era o momento´...!

Agora na “rádio-corredor” do foro local só se fala nisso. O doutor Bento, um jubilado advogado da região, resumiu o desfecho: “O namoro do promissor casal virou uma sinuca de bico”.

Ou – como segredou um dos escrivães – “ficou pela bola sete”...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Ilustração: Gerson Kauer

O juiz autêntico e a testemunha mentirosa

 

O juiz autêntico e a testemunha mentirosa

No processo-crime em que três policiais civis estavam denunciados por crime de tortura, estava depondo uma testemunha de defesa. Pelo que se percebia, ante as feições do magistrado, tudo indicava que ela estivesse mentindo. “Interrompam tudo!” - determinou o juiz.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

O Meretrício Doutor Juiz

 

O Meretrício Doutor Juiz

O volumoso inquérito sobre tráfico de drogas - com prisões, habeas corpus e apreensão feita na zona do meretrício - aportara no fórum. A jovem estagiária Juliana mostrou-se disposta a digitar os termos da audiência, mas ressalvou: “Doutor, eu não sou muito rápida no computador, nem tenho experiência nesses tais de termos de juridiquês”...

Relacionamentos em tempos modernos

 

Relacionamentos em tempos modernos

Peter - nascido e registrado no gênero masculino - durante a infância, nunca se viu como menino. Cresceu e um dia casou com Giuliana. Mas o final feliz foi quando ele - já sendo “a médica Ava” - confirmou núpcias com... Giuliana. As duas agora vivem confortável união homoafetiva, entre duas mulheres. Deu para entender?

Charge de Gerson Kauer

O quarto casamento

 

O quarto casamento

O juiz recém chegado na comarca convoca servidores e convida advogados e autoridades para a solenidade de sua posse. “Pago pontualmente três pensões alimentícias, estou descasado, e pretendo, quem sabe, constituir um novo matrimônio nesta cidade plena de mulheres bonitas” - confidenciou.

Charge de Gerson Kauer

Casamento: 72 mais 41 é igual a 113

 

Casamento: 72 mais 41 é igual a 113

Litoral gaúcho, verão de 2020. Aos 72 anos de idade, o Doutor Juvenal, aposentado operador do Direito, viúvo, se casa com Lúcia Margarida, advogada de 41. Esta, em consideração ao marido da “melhor idade”, já tinha definido que rotineiramente eles deveriam dormir em quartos separados.