Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 02 de junho de 2020.

A “Menina Veneno”



Chargista Kauer

Imagem da Matéria

É dezembro de 2016. Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta – se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.

De comum entre eles, só o Direito.

Ele segredara, aos amigos, sua imaginação: “Seria uma ´Menina Veneno´ - com letras maiúsculas - amadora nos embates de Eros, e honrada iniciante das lides do Direito”.

Os dois vão a um restaurante cinco estrelas.

Depois de um opíparo jantar com o melhor vinho da carta, eles acabam no mais envolvente motel da cidade, um duplex com piscina, hidro e solarium (como se o último item fosse necessário para as delícias da madrugada).

Ele já tinha dado a ela antes, claro, uma joia e um vestido de grife.

Descansando após mais ´umazinha´ (viva a pílula azul!), os dois se aconchegam e – meio que preparando novo bote – ela pergunta:

- Benzinho, eu estou saindo muito cara pra você?

O jurista responde na hora:

- Meu amor, na minha idade não tem jeito. Ou a mulher é cara ou é coroa!

No dia seguinte, via motoboy, o douto cidadão despacha para ela – em envelope fechado – um cheque de valor desconhecido, acompanhado de um cartão:

“Menina veneno,

O mundo é pequeno

Demais pra nós dois.

Em toda cama que eu durmo

Só dá você,

Só dá você!”

Fevereiro de 2017, por uma dessas irreversíveis páginas da vida – talvez consequência da pílula azul - o jurista parte da vida terrena para os eflúvios celestiais.

Dezembro de 2018, um dia desses, a “Menina Veneno” é vista depositando flores de saudade no túmulo de um dos cemitérios da Azenha.

Se vivo estivesse, seria a data natalícia do provecto e saudoso homem.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Uma correntista linda, simpática, atraente

 

Uma correntista linda, simpática, atraente

Convocada pelo banco para atualizar seus dados cadastrais, a cliente com 26 de idade comparece prestativa. Formulários preenchidos, tudo ok, despedidas, etc. À noite ela recebe um torpedo no celular: “Lembra que te atendi hoje? Eu te achei linda e simpática, e fiquei interessado em ficar contigo. E, quem sabe, pode até rolar um sexo bom... Há possibilidades? Beijo’’.

Charge de Gerson Kauer

A justificada parcialidade do juiz

 

A justificada parcialidade do juiz

Um pênalti incomum cometido por um zagueiro. Gol da equipe adversária e fim do sonho de estar na elite do futebol gaúcho. Depois da partida, na entrada do vestiário, o goleiro agride seu companheiro de time. No juízo criminal, o magistrado decide com pleno e pessoal conhecimento da causa e absolve o acusado. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

O automóvel da “potranca” da esquina

 

O automóvel da “potranca” da esquina

“O comportado líder cooperativista, pai de família respeitado e dinheiro sobrando na conta bancária, engraça-se - na média cidade - por uma comerciante local, premiada por Deus em termos físicos. E a presenteia com um automóvel. Um engano da loja de carros na entrega põe tudo a perder”. O texto é de Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Viagem na maionese jurídica

 

Viagem na maionese jurídica

“O cidadão gaúcho foi ao supermercado exclusivamente para comprar um sachê de maionese. Pagou R$ 6 e ao chegar em casa constatou que a embalagem e o cupom de caixa mencionavam 500 gramas. Mas o peso real era de 260g. ´Abalado´, o consumidor contratou três advogados para a ação por dano moral”.

Charge de Gerson Kauer

´Número 1, ou número 2?´

 

´Número 1, ou número 2?´

“O título do Romance Forense de hoje tem nada a ver com os dois primeiros dos quatro filhos de notório político. É uma história que se passa em uma distribuidora farmacêutica, irredutível no controle dos empregados, de ambos os sexos, nos momentos em que vão aos banheiros”.